Desafios póstumos da sociologia de Florestan Fernandes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.34100.014

Palavras-chave:

Alienação, Anomia, Sociologia do conhecimento, Subcapitalismo

Resumo

O conjunto da extensa obra de Florestan Fernandes contém muito mais do que se tem nela valorizado. Uma circunstância histórica crítica e redutiva empobreceu o campo da investigação sociológica e a sensibilidade das ciências sociais em relação ao Brasil transformado e pós-nacional-desenvolvimentista. Novos e inesperados sujeitos assumiram o protagonismo do processo histórico e desafiaram o conhecimento sociológico consolidado. A obra de Florestan Fernandes é, justamente, uma obra densa de desafios à investigação, à interpretação e à revisão crítica do conhecimento que perdura sem relação consistente com a nova e complicada realidade do país.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José de Souza Martins, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo

José de Souza Martins é sociólogo, docente aposentado do Departamento de Sociologia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP e professor emérito dessa mesma Faculdade. Professor da Cátedra Simón Bolívar e “fellow” de Trinity Hall (1993-1994) da Universidade de Cambridge. Pesquisador emérito do CNPq. Membro da Academia Paulista de Letras. Autor de Florestan – Sociologia e consciência social no Brasil.

Referências

BORDA, O. F. La ciencia y el pueblo: nuevas reflexiones sobre la investigación-acción.

In: III CONGRESO NACIONAL DE SOCIOLOGÍA, Bogotá, 20-22 de agosto de

, p.1-32.

CANDIDO, A. Os parceiros do Rio Bonito. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2019.

CARDOSO, F. H. Empresário industrial e desenvolvimento econômico. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1964.

_______. Capitalismo e escravidão no Brasil Meridional. 5.ed. rev. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

DURKHEIM, E. As regras do método sociológico. Trad. de Maria Isaura Pereira de Queiroz. 2.ed. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1960a.

_______. De la Division Du Travail Social. 7.ed. Paris: Presses Universitaires de Frances, 1960b.

FERNANDES, F. Resultados de um balanço crítico sobre a contribuição etnográfica

dos cronistas. In: A etnologia e a sociologia no Brasil. São Paulo: Editora Anhambi S.A.,

, p.79-178.

_______. Fundamentos empíricos da explicação sociológica. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1959.

_______. Ensaios de sociologia geral e aplicada. São Paulo: Livraria Pioneira Editora,

a.

_______. A análise sociológica das classes sociais. In: ___. Ensaios de sociologia geral e

aplicada. São Paulo: Livraria Pioneira Editora, 1960b. p.65-92.

_______. “As ‘Trocinhas’ do Bom Retiro”. In: Folclore e mudança social na cidade de

São Paulo. São Paulo: Editora Anhambi S.A., 1961. p.153-258.

_______. A integração social do negro à sociedade de classes. São Paulo: Secção Gráfica da

Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo, 1964.

_______. Sociedade de classes e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1968.

_______. A revolução burguesa no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975

_______. A condição de sociólogo. São Paulo: Hucitec, 1978.

_______. A sociologia numa era de revolução social. São Paulo: Cia. Editora Nacional,

p.95 e 309.

FERNANDES, F. O ensino da sociologia na escola secundária brasileira. In: ___. A

etnologia e a sociologia no Brasil. São Paulo: Editora Anhambi, 1958. p.232-46.

FREYER, H. La sociología ciencia de la realidad, trad. Francisco Ayala, Buenos Aires:

Editorial Losada, 1944. p. 110 e 342.

HELLER, A. La Théorie des Besoins chez Marx. Trad. Martine Morales. Paris: Union

Générale d’Éditions, 1978.

LEFEBVRE, H. La Proclamation de la Commune. Paris: Gallimard, 1965a.

_______. Métaphilosophie. Paris: Les Éditions de Minuit, Paris, 1965b.

_______. La vida cotidiana en el mundo moderno. Trad. Alberto Escudero. Madrid:

Alianza Editorial, 1972.

LUKÁCS, G, Histoire et conscience de classe. Trad. Kostas Axelos e Jacqueline Bois. Paris: Les Éditions de Minuit, 1960.

MARTINS, J. de S. O cativeiro da terra. 9.ed. São Paulo: Contexto, 2010.

_______. A ressocialização do estudante na formação em Ciências Sociais (Notas de

palestra feita no lançamento da revista eletrônica). Primeiros Estudos, Universidade de

São Paulo, 17 out. 2012.

_______. Fronteira - A degradação do Outro nos confins do humano. 2.ed. rev. e atual.

São Paulo: Contexto, 2014.

MARX, K. El Capital – Crítica de la Economía Política. Tomo I. Trad. Wenceslao Roces. México: Fondo de Cultura Económica, 1959.

_______. O 18 Brumário de Luís Bonaparte. In: MARX, K.; ENGELS, F. Obras escolhidas. 2.ed. Rio de Janeiro: Editorial Vitória, 1961.

_______. Manuscrits de 1844. Trad. Émile Bottigelli. Paris: Éditions Sociales, 1962.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã [I – Feuerbach]. Trad. de José Carlos Bruni

e Marco Aurélio Nogueira. 2.ed. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas Ltda.,

NOGUEIRA, O. Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem. In: FERNANDES, F. Symposium Etno-sociológico sobre Comunidades Humanas no Brasil. Separata dos Anais do XXXI Congresso Internacional de Americanistas, São Paulo, 1955,

p.409-34.

THOMPSON, E. P. The moral economy of the English crowd in the Eighteenth century. Past and Present, n.50, Past and Present Society, p.76-136, feb. 1950.

VENTURI, F. Il Populismo Russo. Torino: Piccola Biblioteca Einaudi, 1977. 3v.

Downloads

Publicado

2020-12-02

Como Citar

Martins, J. de S. (2020). Desafios póstumos da sociologia de Florestan Fernandes. Estudos Avançados, 34(100), 223-242. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.34100.014

Edição

Seção

Centenário de nascimento de Florestan Fernandes (1920-1995)