Celso Furtado: um economista com lentes de literato

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.34100.016

Palavras-chave:

Celso Furtado, Literatura, Diários intermitentes, Imaginação sociológica, Ciência econômica

Resumo

Este ensaio tematiza a afinidades entre a prática literária de Celso Furtado e sua perspectiva analítica como economista. Conforme revelam sua autobiografia, seus diários e entrevistas, a paixão e os flertes com a literatura foram recorrentes e importantes em sua trajetória. É possível argumentar que a proximidade de Furtado com a literatura contribuiu para fazer dele um economista com uma sensibilidade para enredos povoados por indivíduos que em nada se aproximam do homo œconomicus da teoria econômica neoclássica e para cenários conformados por estruturas sociais, culturais e de poder que enquadram as ações desses indivíduos. Este ensaio enfoca o projeto de romance delineado por Celso Furtado em 1955 e registrado em seus Diários intermitentes 1937-2002 (2019). O texto é tomado como ponto de observação privilegiado para apreender a imaginação sociológica e a interpretação histórica e culturalmente enraizada da economia e sociedade brasileira que fizeram de Celso Furtado um economista inexoravelmente heterodoxo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisa Klüger, Centro Brasileiro de Análise e Planejamento

Elisa Klüger é doutora em Sociologia e graduada em Relações Internacionais na Universidade de São Paulo. Atualmente é pesquisadora de pós-doutorado no Centro Brasileiro de Análise e Planejamento e foi pesquisadora de pós-doutorado visitante associada na Universidade de Princeton, pela Fapesp, processos 2017/13937-1 e 2018/09487-7.

Referências

BEZERRA, A. S. Lapinha: a dança como linguagem corporal no contexto religioso. João

Pessoa, 2013. Dissertação (Mestrado em Ciência das Religiões) – Universidade Federal

da Paraíba.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Method and Passion in Celso Furtado. CEPAL Review,

n.84, p.19-34, 2004.

CEPAL-BNDE. Esboço de um programa de desenvolvimento para a economia brasileira:

-1962. Rio de Janeiro: Cepal-BNDE, 1957.

COLANDER, D. The Death of Neoclassical Economics. Journal of the History of Economic Thought, v.22, n.2, p.127-43, 2000.

FURTADO, C. A objetividade do economista. In: ____. A pré-revolução Brasileira. Rio

de Janeiro: Fundo de Cultura, 1962.

_______. Notas sobre o projeto de criação de uma escola de economia para pós-graduados na América Latina. Econômica Brasileira, v.8 n.1, p. 51-56, 1962a.

_______. Entrevista à Amir Labaki e Gilson Schwartz. Folha Mais. São Paulo, 19 de

julho de 1992. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/fsp/especial/mais/

historia/190792.htm>. Acesso em: 27 set. 2020.

_______. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 2009.

_______. A síntese segundo Celso Furtado: Entrevista a Gabriela Marinho. In:

D’AGUIAR, R. F. (Org.). Ensaios sobre cultura e o Ministério da Cultura Rio de Janeiro: Contraponto, 2012. (Col. Arquivos Celso Furtado, v.5)

_______. Aventuras de um economista Brasileiro. In: D’AGUIAR, R. F. Essencial Celso

Furtado. São Paulo: Penguin Classics Cia. das Letras, 2013.

_______. Obra autobiográfica: A Fantasia Organizada, A Fantasia Desfeita, Os Ares do

Mundo. São Paulo: Cia. das Letras, 2014.

_______. Diários intermitentes: 1937-2002. São Paulo: Cia. das Letras, 2019.

GUIMARÃES, J. I. D. Entre a rotina e a quimera: jogo literário e política na Belo Horizonte dos anos 20. São Paulo, 2017. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de

Filosofia Ciências e Letras, Universidade de São Paulo.

KLÜGER, E. Celso Furtado: por uma Ciência Econômica iconoclasta e inconformista.

No prelo.

MICELI, S. Intelectuais à brasileira. São Paulo: Cia. das Letras, 2001.

MILLS, C. W. A imaginação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

PREBISCH, R. O desenvolvimento econômico da América Latina e alguns de seus problemas principais. In: GURRIERI, A. O Manifesto Latino-Americano e outros ensaios.

Rio de Janeiro: Contraponto, 2011.

RAMA, J.; HALL, J. B. Celso Furtado as ‘Romantic Economist’ from Brazil’s Sertão.

Brazilian Journal of Political Economy, v.39, n.4, p.658-74, 2019.

ROTSCHIELD, K. Political Economy or Economics? European Journal of Political

Economy, n.5, p.1-12, 1989.

SILVA, R. P. O jovem Celso Furtado: história, política e economia (1941-1948). Campinas, 2010. Dissertação (Mestrado em Economia) – Instituto de Economia, Universidade Estadual Paulista.

Downloads

Publicado

2020-12-02

Como Citar

Klüger E. (2020). Celso Furtado: um economista com lentes de literato. Estudos Avançados, 34(100), 261-278. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2020.34100.016

Edição

Seção

Centenário de nascimento de Celso Furtado (1920-2004)

Dados de financiamento