Por uma tipologia do ensino superior brasileiro: teste de conceito

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2021.35101.011

Palavras-chave:

Educação, Educação superior, Evolução do ensino superior brasileiro, Principais tipos de IES e suas características, Diversidade e classificação das IES brasileiras, Análise de dados disponíveis, Características institucionais dos diferentes grupos baseadas em indicadores, Sugestões para futuras ações

Resumo

Apesar de que a grande diferenciação que existe no ensino superior brasileiro seja amplamente conhecida, e que diferentes tipos de instituições tenham objetivos e produzam resultados também distintos, nas áreas de ensino de graduação, pós-graduação e pesquisa, essas diferenças não são reconhecidas com todas as suas implicações pela legislação nem pelo sistema de avaliação adotado pelo Ministério da Educação no Brasil. O público, formado por estudantes atuais e futuros, assim como por seus empregadores, tampouco é informado a respeito dessas diferenças. O objetivo deste trabalho é apresentar uma proposta de classificação ou tipologia das instituições de educação superior brasileiras que identifique com clareza essas diferenças, e que possa servir de base para um sistema de informações e procedimentos de avaliação que tomem em conta essa variedade de características, objetivos e resultados. Isso é feito agrupando-se instituições que tenham perfis semelhantes, do ponto de vista de seu porte, natureza jurídica e envolvimento com atividades de ensino e pós-graduação, e verificando-se até que ponto essas diferenças de tipos correspondem também a diferenças em relação às características de professores, alunos, áreas de atuação e atuação. Na última parte discutimos algumas implicações dessa tipologia para o sistema de avaliação da educação superior e, mais amplamente, para a melhoria da qualidade e desempenho da educação superior do país como um todo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRÉS, A. Expansão da educação superior sob os Planos Nacionais da Educação:

expectativas, fatos e perspectivas. In: Consultoria Legislativa, Estudo Técnico. Brasilia:

Camara de Deputados. 2017.

BRENEMAN, D. W. Liberal arts colleges: thriving, surviving, or endangered? Washington, D.C.: Brookings Institution, 1994.

BUCKNER, E. The worldwide growth of private higher education: cross-national patterns of higher education institution foundings by sector. Sociology of Education, v.90,

n.4, p.296-314, 2017.

CALDERON, A. Massification of higher education revisited. Melbourne: RMIT University, 2018.

CARNEGIE FOUNDATION FOR THE ADVANCEMENT OF TEACHING. The

Carnegie Classification of Institutions of Higher Education, 2010 edition. Menlo Park:

Carnegie Foundation for the Advancement of Teaching, 2011.

CASTRO, C. de M; LEVY, D. C. La educación superior en América Latina y el Caribe:

documento de estrategia. Washington, DC: Banco Interamericano de Desarrollo, Departamento de Desarrollo Sostenible, Unidad de Educación, 1997.

CLARK, B. R. Academic Differentiation in National Systems of Higher Education.

Comparative Education Review, v.22, n.2, p.242-58, 1978.

JAQUETTE, O. Why Do Colleges Become Universities? Mission Drift and the Enrollment Economy. Research in Higher Education, v.54, n.5, p.514-43, 2013.

KARVOUNARAKI, A. et al. U-Multirank – A methodological review. The European

Comission Joint Research Center, 2020.

LAJOLO, M. EAD: 1.6 milhão estuda à distância no Brasil. Revista Veja, (28 de julho),

LEVY, D. C. The unanticipated explosion: Private higher education’s global surge.

Comparative Education Review, v.50, n.2, p.217-40, 2006.

LYNTON, E. A. New Priorities for the University: Meeting Society’s Needs for Applied

Knowledge and Competent Individuals. Jossey Bass, 1987.

MCCORMICK, A. C. Classifying Higher Education Institutions: Lessons from the

Carnegie Classification. Pensamiento Educativo. Revista de Investigación: Educacional

Latinoamericana, n.50, p.65-75, 2013.

MINISTÉRIO DA FAZENDA. Secretaria Do Tesouro Nacional. Diagnóstico FIES.

Brasilia: Ministério da Fazenda, 2017.

NEAVE, G. Academic drift: Some views from Europe. Studies in Higher Education, v.4,

n.2, p.143-59, 1979.

OECD. Rethinking Quality Assurance for Higher Education in Brazil. Paris: OECD, 2018.

OECD, Education at a Glance, Paris, OECD, 2019.

SAMPAIO, H. Ensino superior no Brasil - o setor privado. São Paulo: Fapesp; Hucitec,

SCIMAGO. SJR — SCImago Journal & Country Rank Consejo Superior de Investigaciones Científicas (CSIC), University of Granada, Extremadura, Carlos III (Madrid)

and Alcalá de Henares. Disponível em: <http://www.scimagojr.com>. Acesso em: 25

jun. 2017.

STEINER, J. E. Qualidade e diversidade institucional na pós-graduação brasileira. Estudos Avançados, v.19, n.54, p.341-65, 2005.

_______. Diferenciação e classificação das instituições de ensino superior no Brasil. In:

STEINER, J. E.; MALNIC, G. Ensino Superior. Conceito e dinâmica, São Paulo: Edusp.

TIGHT, M. Theory development and application in higher education research: the

case of academic drift. Journal of Educational Administration and History, v.47, n.1,

p.84-99, 2015.

TROW, M. Problems in the transition from elite to mass higher education. Berkeley, CA:

Carnegie Commission on Higher Education, 1973.

_______. Reflections on the transition from elite to mass to universal access: Forms and

phases of higher education in modern societies since WWII. In: International handbook

of higher education, Dordrecht: Springer. 2007. p.243-80.

VAN VUGHT, F. A. et al. U-MAP - The European Classification of Higher Education

Institutions. Enschede: Cheps, 2010a.

VAN VUGHT, F. A. et al. The European classification of higher education institutions.

Enschede: Cheps, 2010b.

VAN VUGHT, F. A.; ZIEGELE, F. Multidimensional ranking: The design and develpment of U-Multirank. Springer Science & Business Media, 2012.

Downloads

Publicado

2021-04-30

Como Citar

Schwartzman, S., Silva Filho, R. L., & Coelho, R. R. A. (2021). Por uma tipologia do ensino superior brasileiro: teste de conceito. Estudos Avançados, 35(101), 153-188. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2021.35101.011

Edição

Seção

Ensino Superior