Notícias de uma assembleia tempestuosa: a ecologia política segundo os kaiowa e guarani

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2021.35102.008

Palavras-chave:

Kaiowa e guarani, Ecologia política, Natureza, Democracia, Cosmopolítica

Resumo

A partir do relato etnográfico sobre uma assembleia Aty Guasu, dos kaiowa e guarani de Mato Grosso do Sul, o artigo propõe uma aproximação entre as formulações indígenas e as reflexões da ecologia política, a fim de encontrar parâmetros para melhor descrever a proposta política desse povo indígena e seus embates com o setor ruralista e o governo federal. O objetivo é discutir, a partir de um caso emblemático, limites e alcances da aproximação de nosso debate democrático com os movimentos indígenas latino-americanos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ACOSTA, A. Extrativismo e neoextrativismo – duas faces da mesma maldição. In: DIGER, G.; LANG, M.; PEREIRA FILHO, J. Descolonizar o imaginário. São Paulo; F. Rosa Luxemburgo; Autonomia Literária; Elefante, 2016.

ACSERALD, H. (Org.) Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará; Fundação Heinrich Böll, 2004.

ALBUQUERQUE, A. A. U. L. Princípio constitucional da ecodignidade pluralista: introdução aos caracteres do processo de etnodemocratização. Direitos Fundamentais & Democracia, v.24, n.1, p.91-125, jan./abr. 2019.

ALIMONDA, H. Una introducción a la Ecología Política latinoamericana (pasando por la historia ambiental). Buenos Aires: Clacso, 2015.

ALMEIDA, R. T. O fortalecimento dos Aty Guasu. In: Aconteceu Especial 18 – Povos Indígenas no Brasil 1987-1990. São Paulo: Cedi, 1991. p.544-6.

ALMEIDA, R. T. Do Desenvolvimento Comunitário à Mobilização Política – O Projeto Kaiowa-Ñandeva como experiência antropológica. Rio de Janeiro: Contracapa, 2001.

BENITES, T. Rojeroky hina ha roike jevy tekohape (Rezando e lutando): o movimento histórico dos Aty Guasu dos Ava Kaiowa e dos Ava Guarani pela recuperação de seus tekoha. Rio de Janeiro, 2014, Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Museu Nacional do Rio de Janeiro.

BOITO, A. Reforma e crise política no Brasil – os conflitos de classe nos governos do PT. Campinas: Ed. da Unicamp; Ed. Unesp, 2018.

CAVALCANTE, T. L. V. Colonialismo, território e territorialidade: a luta pela terra dos Guarani e Kaiowa em Mato Grosso do Sul. Jundiaí: Paco Editorial, 2016.

CIMI-MS/CPI/MPF-PRP-3ªReg (Org.) Conflitos de Direitos sobre as Terras Guarani Kaiowa no Estado de Mato Grosso do Sul. São Paulo: Palas Athena, 2001.

FLEURY, L. C.; ALMEIDA, J. A construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte: conflito ambiental e o dilema do desenvolvimento. Ambiente & Sociedade, v.16 n.4, 2013.

FURTADO, C. O mito do desenvolvimento econômico. São Paulo: Paz e Terra, 1974.

KEHL, M. R. et al. Violações de direitos humanos dos povos indígenas. In: Comissão Nacional da Verdade – Relatório – Volume II – Textos Temáticos (5). Brasília, 2014.

LATOUR, B. A Esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos estudos científicos. Bauru: Edusc, 2001.

LATOUR. Políticas da Natureza: como fazer ciência na democracia. Bauru: Edusc, 2004.

LEVITSKY, S.; ZIBLATT, D. Como as democracias morrem. Rio de Janeiro: Zahar, 2018.

LIPIETZ, A. A ecologia política e o futuro do marxismo. Ambiente & Sociedade, v.5 n. 2, 2003.

MELIÁ, B. El Guaraní Conquistado y Reducido – Ensayos de Etnohistoria. 3.ed. Asunción: Ceaduc, 1993.

MONTOYA, A. R. (Pe.) A conquista espiritual. Porto Alegre: Martins Livreiro, 1985.

PEREIRA, L. M. O movimento étnico-social pela demarcação das terras guarani em MS. Tellus, v.3 n.4, 2003.

PIMENTEL, S. K. Elementos para uma teoria política kaiowá e guarani. São Paulo, 2012a. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo.

PIMENTEL. Cosmopolítica kaiowa e guarani: uma crítica ameríndia ao agronegócio. R@u, v.4 n.2, 2012b.

PIMENTEL. Aty Guasu, as grandes assembleias kaiowá e guarani: os indígenas de MS e a luta pela redemocratização do país. In: CHAMORRO, G.; COMBÉS, I. (Org.) Povos Indígenas no Mato Grosso do Sul. Dourados: Ed. UFGD, 2015.

PIMENTEL, S. K.; MONCAU, J. A. Guarani Kaiowá – Genocídio Surreal. In: RICARDO, B.; RICARDO, F. (Org.) Povos Indígenas no Brasil 2006-2010. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2011. p.692-6.

PORTO-GONÇALVES, C. W. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (Org) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: Clacso, 2005.

SCHAVELZON, S. Plurinacionalidad y vivir bien/buen vivir – dos conceptos leídos desde Bolívia y Ecuador post-constituyentes. Quito: Abya-Yala, 2015.

SILVA, M. A. Missões católicas contemporâneas em Mato Grosso do Sul: dilemas e tensões entre a Pastoral Indigenista e o Conselho Indigenista Missionário. In: CHAMORRO, G.; COMBÉS, I. (Org.) Povos Indígenas no Mato Grosso do Sul. Dourados: Ed. UFGD, 2015.

SOUZA, M. L. de. Territórios e ambientes – uma introdução à ecologia política. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2019.

SOUZA FILHO, C. F. M. O renascer dos povos indígenas para o Direito. Curitiba: Juruá, 1998.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Etnologia Brasileira. In: MICELLI, S. (Org.) O que ler na Ciência Social Brasileira (1970-1995). Brasília: Sumaré; Anpocs, 1999. v.1 Antropologia.

Downloads

Publicado

2021-09-01

Como Citar

Pimentel, S. K. (2021). Notícias de uma assembleia tempestuosa: a ecologia política segundo os kaiowa e guarani. Estudos Avançados, 35(102), 125-140. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2021.35102.008

Dados de financiamento