Os conflitos das políticas da água e do esgotamento sanitário: que universalização buscamos?

Autores

  • Mariana Gutierres Arteiro da Paz Universidade de São Paulo, Instituto de Energia e Ambiente https://orcid.org/0000-0003-3055-6184
  • Ana Paula Fracalanza Universidade de São Paulo, Escola de Artes, Ciências e Humanidades
  • Estela Macedo Alves Universidade de São Paulo, Instituto de Energia e Ambiente
  • Flávio José Rocha da Silva Universidade de São Paulo, Escola de Artes, Ciências e Humanidades

DOI:

https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2021.35102.012

Palavras-chave:

Água e saneamento, Universalização, Direito humano, Common

Resumo

Dentre os múltiplos usos da água, destaca-se o consumo humano pelo seu papel na manutenção da vida. O objetivo do artigo é discutir a universalização do acesso à água e ao esgotamento sanitário como common. Para discutir essa questão central da universalização dos serviços, o artigo desenvolve-se por meio de quatro pontos fundamentais: i) panorama global do acesso à água potável e ao esgotamento sanitário; ii) contextualização socioambiental do saneamento básico no Brasil; iii) o acesso à água e ao saneamento básico como direito humano; e iv) o desdobramento da definição de universalização dos serviços de saneamento básico em três esferas de gestão da água e como a compreensão da universalização proposta contribui para o desenvolvimento do setor no Brasil. Considera-se o contraditório histórico sobre o conceito de universalização e os mecanismos existentes para medir a evolução e para alcançá-la.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALEIXO, B. et al. Human Right in Perspective: Inequalities in Access to Water in a Rural Community of the Brazilian Northeast. Ambiente e Sociedade, São Paulo, v.19, n.1, p.63-84, jan./mar. 2016.

ALVES, E. M. Trajetória das decisões sobre políticas públicas de esgotamento sanitário e as influências das coalizões de defesa: Estudo de Caso de Ubatuba - SP. São Paulo, 2018. 241f. Tese (Doutorado em Ciência Ambiental) – Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental, Instituto de Energia e Ambiente, Universidade de São Paulo.

ANDREAZZI, M.; BARCELOS, C.; HACON S. Velhos indicadores para novos problemas: a relação entre saneamento e saúde. Rev Panamericana de Salud Publica, v.22, n.3, p.211-7, 2007.

BAKKER, K. The “Commons” Versus the “Commodity”: Alter-globalization, Anti-privatization and the Human Right to Water in the Global South. Antipode (Online), v.39, p.430-55, 2007. doi: 10.1111/j.1467-8330.2007.00534.x

BARRAQUÉ, B. O desenvolvimento dos serviços na Europa: da diversidade para a

convergência? In: HELLER, L.; CASTRO, J. E. (Org.) Política pública e gestão de serviços de saneamento. Ed. ampl. Belo Horizonte: Editora UFMG; Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013. p.313-36.

BORJA, P. C. Política pública de saneamento básico: uma análise da recente experiência brasileira. Saúde Soc. (Online), v.23, n.2, p.432-47, jun. 2014. doi: 10.1590/S0104-12902014000200007.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Nacional de Saúde. Programa Nacional de Saneamento Rural. Brasília: Funasa, 2019.

BRITTO, A. L. Tarifas sociais, justiça social e justiça ambiental no acesso aos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário no Brasil. In: CONFERÊNCIA

INTERNACIONAL WATERLAT: Tensão entre justiça ambiental e justiça social na América Latina: o caso da gestão da água, 2010, São Paulo. Anais... São Paulo: 2010. 15p.

CASTRO, J. E. Políticas públicas de saneamento e condicionantes sistêmicos. In: HELLER, L.; CASTRO, J. E. (Org.) Política pública e gestão de serviços de saneamento. Ed. ampl. Belo Horizonte: Editora UFMG; José Esteban Castro 2013; Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013. p.53-75.

CEPAL – COMISIÓN ECONÓMICA PARA AMÉRICA LATINA Y EL CARIBE. Anuario Estadístico de América Latina y el Caribe 2013. LC/G.2582-P, Santiago, Chile: CEPAL/Naciones Unidas, 2014.

COSTA, S. S. da; RIBEIRO, W. A. Dos porões à luz do dia: um itinerário dos aspectos

jurídico-institucionais do saneamento básico no Brasil. In: HELLER, L.; CASTRO, J. E. (Org.) Política pública e gestão de serviços de saneamento. Ed. ampl. Belo Horizonte: Editora UFMG; José Esteban Castro 2013; Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013. p.467-82.

DARDOT, P.; LAVAL, C. Commun: Essai sur la Révolution au XXIe Siècle. Paris: La Découverte, 2014. 593p;

FRACALANZA, A. P.; JACOB, A. M.; EÇA, R. F. Justiça ambiental e práticas de governança da água: (re) introduzindo questões de igualdade na agenda. Ambiente e Sociedade, São Paulo, v.16, n.1, mar. 2013.

GALVÃO JUNIOR, A. C. Desafios para a universalização dos serviços de água e esgoto no Brasil. Rev. Panamericana de Salud Publica, v. 25, n.6, p.548-56, 2009.

GRUPO DE TRABALHO DA SOCIEDADE CIVIL PARA AGENDA 2030 (GT Agenda 2030). III Relatório Luz da Sociedade Civil da Agenda 2030 de Desenvolvimento Sustentável – Brasil. 2019. Online. Disponível em: <https://brasilnaagenda2030.files.wordpress.com/2019/09/relatorio_luz_portugues_19_final_v2_download.pdf>.

HELLER, L. The crisis in water supply: how different it can look through the lens of the human right to water? Perspectives. Cad. Saúde Pública, v.31, n.3, mar. 2015. doi: 10.1590/0102-311XPE010315

HESS, C.; OSTROM, E. Understanding Knowledge as a Commons: From theory to practice. Cambridge, Mass: MIT Press, 2007.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística: Rio de Janeiro, 2011.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades e Estados. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística: Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: <https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados.html?view=municipio>.

IORIS, A. A. R. O que é justiça ambiental. Ambiente e Sociedade, Campinas, v.12, n.2, p.389-92, jul./dez. 2009.

IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Objetivos de desenvolvimento do Milênio: relatório nacional de acompanhamento. Coord. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada e Secretaria de Planejamento e Investimentos Estratégicos; supervisão: Grupo Técnico para o acompanhamento dos ODM. Brasília: Ipea, MP, SPI, 2014.

JACOBI, P. R. et al. Governança da água no Brasil: dinâmica da política nacional e desafios para o futuro. In: JACOBI, P. R.; SINISGALI, P. A. de A. (Org.) Governança da água e políticas públicas na América Latina e Europa. São Paulo: Annablume, 2009. p.49-82.

MAGALHAES, K. A. et al. A habitação como determinante social da saúde: percepções e condições de vida de famílias cadastradas no programa Bolsa Família. Saúde Soc., São Paulo, v.22, n.1, p.57-72, mar. 2013.

MARICATO, E. Metrópole, legislação e desigualdade. Estud. Av., São Paulo, v.17, n.48, p.151-66, maio-ago., 2003.

MURTHA, N. A.; CASTRO, J. E.; HELLER, L. Uma perspectiva histórica das primeiras políticas públicas de saneamento e recursos hídricos no Brasil. Ambient. Soc., São Paulo, v.18, n.3, p.193-210, sept. 2015.

NAÇÕES UNIDAS BRASIL. PNUD explica transição dos Objetivos do Milênio aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Online. Brasil, 08.12.2015. Disponível em: <https://nacoesunidas.org/pnud-explica-transicao-dos-objetivos-do-milenio-aos-objetivos-de-desenvolvimento-sustentavel/>. Acesso em: 26 abr. 2020.

OPAS BRASIL – ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE. Uma em cada três pessoas no mundo não tem acesso à água potável, revela novo relatório do UNICEF e da OMS. Disponível em: <https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5970:uma-em-cada-tres-pessoas-no-mundo-nao-tem-acesso-a-agua-potavel-revela-novo-relatorio-do-unicef-e-da-oms&Itemid=839>. Acesso em: 18 jun. 2019.

PAZ, M. G. A. Integração das políticas públicas de recursos hídricos e saneamento: a bacia hidrográfica dos rios Sorocaba e Médio Tietê. São Paulo, 2015. Tese (Doutorado em Ciências Ambientais) – Universidade de São Paulo. doi: 10.11606/T.106.2015.tde-17072015-213348

PAZ, M. G. A. da; ALMEIDA, M. F. de; GUNTHER, W. M. R. Prevalência de diarreia em crianças e condições de saneamento e moradia em áreas periurbanas de Guarulhos, SP. Rev. Bras. Epidemiol. [online], v.15, n.1, p.188-97, 2012. doi: 10.1590/S1415-790X2012000100017.

PEZON, C. A experiência francesa: Descentralização e delegação. In: HELLER, L.; CASTRO, J. E. (Org.) Política pública e gestão de serviços de saneamento. Ed. ampl. Belo Horizonte: Editora UFMG; José Esteban Castro 2013; Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013. p.261-79.

RASELLA, D. et al. Child morbidity and mortality associated with alternative policy responses to the economic crisis in Brazil: A nationwide microsimulation study. PLOS Medicine, v.15, n.5, e1002570, 2018. doi: 10.1371/journal.pmed.1002570

SCHMIDT, L.; GOMES, C.; JACOBI, P. R. Saberes interdisciplinares para adaptação: comunidades, academia e meio ambiente. In: TORRES, P. et al. (Org.) Governança e Planejamento Ambiental: adaptação e políticas públicas na Macrometrópole Paulista. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2019. p.15-22.

SNIS – SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO. MCidades - Ministério das Cidades. Glossário de Indicadores - Água e Esgotos. S.d. SNIS, MCidades. Disponível em: <http://snis.gov.br/glossarios> Acesso em: 25 jun. 2018.

SNIS – SISTEMA NACIONAL DE INFORMAÇÕES SOBRE SANEAMENTO. – Série Histórica. s. d. Disponível em: <http://www.cidades.gov.br/serieHistorica/#>. Acesso em: 15 out. 2014.

SNSA – SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL. Plano Nacional de Saneamento Básico – Plansab. Brasília: Ministério das Cidades, Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental, 2013.

SSRH/CSAN – SECRETARIA DE SANEAMENTO E RECURSOS HÍDRICOS DO ESTADO DE SÃO PAULO. ENGECORPS. Plano regional integrado de saneamento básico. São Paulo: SSRH/CSAN, 2011

SWYNGEDOUW, E. Água e revoltas – A economia política dos serviços públicos essenciais. In: HELLER L.; CASTRO, J. E. (Org.) Política pública e gestão de serviços de saneamento. Ed. Ampl. Belo Horizonte: Editora UFMG; José Esteban Castro 2013; Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2013. p.76-97.

UN – UNITED NATIONS. General Assembly Adopts Resolution Recognizing Access to Clean Water, Sanitation as Human Right, by Recorded Vote of 122 in Favour, None against, 41 Abstentions. Disponível em: <http://www.un.org/press/en/2010/ga10967.doc.htm>. Acesso em: 14 dez. 2017.

UNITED NATIONS CHILDREN´S FUND (UNICEF). Pobreza na infância e na adolescência. S. l.: Unicef, 2018. Disponível em: <https://www.unicef.org/brazil/pt/pobreza_infancia_adolescencia.pdf>. Acesso em: 22 ago. 2018.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO); UNITED NATIONS CHILDREN´S FUND (UNICEF). Country files. Brazil. Join Monnitoring Programme (JMP) for Water Supply and Sanitation. World Health Organizazion, UNICEF. Genebra, 2014. Disponível em: <http://www.wssinfo.org/documents/?tx_displaycontroller[type]=country_files>. Acesso em: 30 jul. 2014.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO); UNITED NATIONS CHILDREN´S FUND (UNICEF). Progress on drinking water, sanitation and hygiene: 2017 Updates and SDG Baselines. Genebra, 2017. Disponível em: <https://www.who.int/mediacentre/news/releases/2017/launch-version-report-jmp-water-sanitation-hygiene.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2020.

WORLD HEALTH ORGANIZATION (WHO); UNITED NATIONS CHILDREN´S FUND (UNICEF). Joint Monitoring Programme – JMP. Progress on Drinking Water, Sanitation and Hygiene – 2000-2017: Special focus on inequalities. Genebra, 2019. Disponível em: <https://www.who.int/water_sanitation_health/publications/jmp-report-2019/en/>. Acesso em: 20 fev. 2020.

Downloads

Publicado

2021-09-01

Como Citar

Paz, M. G. A. da, Fracalanza, A. P., Alves, E. M., & Silva, F. J. R. da. (2021). Os conflitos das políticas da água e do esgotamento sanitário: que universalização buscamos?. Estudos Avançados, 35(102), 193-208. https://doi.org/10.1590/s0103-4014.2021.35102.012