No exílio, contra o isolamento: intelectuais comunistas, frentismo e questão democrática nos anos 1970

  • Marcos Napolitano Universidade de São Paulo; Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

Resumo

Este artigo discute o novo protagonismo intelectual surgido na experiência do exílio de alguns militantes do Partido Comunista Brasileiro nos anos 1970, em diálogo com as diretrizes do eurocomunismo, com a questão nacional-popular e com o imperativo de resistir ao regime militar implantado em 1964. As "elaborações do exílio" do PCB, como ficaram conhecidas, foram importantes para fortalecer a estratégia frentista de resistência à ditadura, com implicações nas esferas política e cultural. Paradoxalmente, o frentismo entra em crise na medida em que a "abertura" se aprofunda e faz que os exilados retornem à cena política brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
2014-01-01
Como Citar
Napolitano, M. (2014). No exílio, contra o isolamento: intelectuais comunistas, frentismo e questão democrática nos anos 1970 . Estudos Avançados, 28(80), 41-58. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/79682
Seção
50 Anos do Golpe de 64