Livros, editoras e oposição à ditadura

Autores

  • Flamarion Maués Universidade de São Paulo

Resumo

O período da abertura política no Brasil (1974-1985) foi marcado, no campo da edição de livros, pelo surgimento ou revitalização de "editoras de oposição", ou seja, editoras com perfil nitidamente político e ideológico de oposição ao governo ditatorial. Compunham um universo que englobava desde editoras já estabelecidas, como Civilização Brasileira, Brasiliense, Vozes e Paz e Terra, até as surgidas naquele período, como Alfa-Ômega, Global, Codecri, Brasil Debates, Ciências Humanas, Kairós, Livramento, Vega, entre outras. Algumas dessas editoras mantinham vínculos estreitos com partidos ou grupos políticos oposicionistas, caracterizando-se como editoras de oposição engajadas; outras não estabeleciam vinculações políticas orgânicas ou explícitas mas, por seu perfil e linha editorial, representaram iniciativas políticas de oposição. Minha hipótese é de que o surgimento ou a revitalização das editoras de oposição no período em foco, em particular as que classifico como engajadas, teve como motor principal os objetivos políticos a que elas visavam.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2014-01-01

Como Citar

Maués, F. (2014). Livros, editoras e oposição à ditadura . Estudos Avançados, 28(80), 91-104. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/79685

Edição

Seção

50 Anos do Golpe de 64