Gestão pública: fluxo e refluxo

Autores

  • Pedro Scuro Neto secretarias de Relações do Trabalho e da Administração e Modernização do Serviço Público (SP)

Resumo

Tentativa de dissipar a bruma que envolve o discurso sobre a crise do Estado, concentrando o raciocínio em dados, argumentos e questões que a opinião pública não quis discutir ou deixou para depois. A crise da gestão pública é encarada como sujeita a vagas de fluxo e refluxo, ou, de modo menos fugaz, obedecendo a um ciclo autogerador cujas fases derivam de condições e contradições passadas, dando oportunidade a novas recorrências e reações corretivas de ordem automática (homeostase) provocadas por transformações que se efetuam a rajadas, como as descritas. O ensaio descarta abordagem convencional que segrega o setor público e apresenta o processo político como uma configuração de interesses, irrelevante hoje em dia diante da necessidade de uma reavaliação afirmativa dos atuais mecanismos institucionais e procedimentos formativos de políticas públicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

1995-04-01

Como Citar

Scuro Neto, P. (1995). Gestão pública: fluxo e refluxo . Estudos Avançados, 9(23), 129-148. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/eav/article/view/8851

Edição

Seção

Ética e Política