[1]
A. Barros, Schenberg: nada que é humano lhe era estranho , Estud. av., vol. 5, nº 11, p. 195-198, abr. 1991.