Receitas e gastos governamentais: uma análise de causalidade para o caso brasileiro

Autores

  • Cleomar Gomes da Silva Universidade Federal de Uberlândia; Instituto de Economia
  • Sérgio Jurandyr Machado Insper Instituto de Ensino e Pesquisa
  • Denílson Torcate Lopes FIESP; Departament of Economics
  • André Marques Rebelo FIESP; Departament of Economics

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1413-80502010000400001

Palavras-chave:

Política Fiscal, Gasto Público, Análise de Séries Temporais

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar o debate entre arrecadação e gastos públicos governamentais para o caso brasileiro, isto é, se a despesa pública é a responsável por gerar constantes aumentos da arrecadação governamental brasileira, ou se a causalidade é reversa. A metodologia econométrica utilizada envolve técnicas de cointegração e de modelo de correção de erros para o período compreendido entre o 1o trimestre de 1999 e o 3o trimestre de 2008. Os resultados econométricos mostram que, no período analisado, o Estado brasileiro pode ser caracterizado pela utilização de um modelo fiscal do tipo "gastar e arrecadar". Isso significa que elevações nos dispêndios governamentais provocam mudanças permanentes na arrecadação pública.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-12-01

Como Citar

Silva, C. G. da, Machado, S. J., Lopes, D. T., & Rebelo, A. M. (2010). Receitas e gastos governamentais: uma análise de causalidade para o caso brasileiro. Economia Aplicada, 14(4), 265-275. https://doi.org/10.1590/S1413-80502010000400001

Edição

Seção

Artigos