Uma análise do papel das escolas e das redes de ensino sobre as desigualdades de oportunidades educacionais

Autores

  • Priscilla Tavares Fundação Getulio Vargas
  • Rafael Camelo Plano CDE
  • Luan Paciência Fundação Itaú Social

DOI:

https://doi.org/10.11606/1980-5330/ea154846

Palavras-chave:

Desigualdade educacional, Igualdade de oportunidades, Efeito-escola

Resumo

Este artigo contribui para a literatura de desigualdades de oportunidades educacionais ao separar os determinantes do aprendizado entre circunstâncias e esforços, com foco na capacidade de atuação dos gestores das redes e das escolas. Os resultados mostram que entre 10% e 15% da desigualdade de notas está sob controle dos órgãos centrais, mas fogem ao controle dos diretores escolares. A metodologia também permite estimar em que medida as circunstâncias afetam a desigualdade de notas via interação com os esforços dos gestores. Os resultados mostram que entre 10% e 23% da desigualdade atribuída ao perfil dos alunos pode ser influenciada por políticas educacionais. Estes resultados sugerem que os esforços dos gestores podem amenizar os efeitos das circunstâncias sobre a desigualdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-06-01

Como Citar

Tavares, P., Camelo, R., & Paciência, L. (2018). Uma análise do papel das escolas e das redes de ensino sobre as desigualdades de oportunidades educacionais. Economia Aplicada, 22(2), 239-272. https://doi.org/10.11606/1980-5330/ea154846

Edição

Seção

Artigos