Custos de bem-estar da inflação no Brasil pós-real

Autores

  • Sidney Martins Caetano Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF
  • Geraldo Edmundo Silva Júnior Universidade Federal de São Carlos - UFSCar
  • José Ronaldo de Castro Souza Júnior Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA

DOI:

https://doi.org/10.1590/1413-8050/ea440

Resumo

Este trabalho investiga o comportamento da demanda por moeda no Brasil de forma a derivar os custos de bem-estar da inflação pós-Plano Real. Os resultados, para um período de dezessete anos, corroboram a forma funcional log-log que mostra significativos ganhos de bem-estar relativos aos custos sociais anteriores ao Plano Real. Para uma inflação de aproximadamente 4,5% a.a., tem-se custo de bem-estar entre 0,15 e 0,20% da renda. Conclui-se, como esperado, que o país deve direcionar suas políticas para alcançar tanto um patamar de inflação menor quanto para obter um nível de taxa de juros real de estado estacionário de países desenvolvidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2014-06-01

Como Citar

Caetano, S. M., Silva Júnior, G. E., & Souza Júnior, J. R. de C. (2014). Custos de bem-estar da inflação no Brasil pós-real . Economia Aplicada, 18(2), 271-293. https://doi.org/10.1590/1413-8050/ea440

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)