Federalismo fiscal market-preserving

Uma análise de equilíbrio geral computável para o Brasil

Palavras-chave: Descentralização Fiscal, Restrição Orçamentária Rígida, Modelos EGC

Resumo

O propósito central do federalismo é prover uma estrutura estável de descentralização política. No Brasil, ao contrário disso, tem havido recorrentemente períodos de descentralização e centralização fiscal com impactos na performance da economia. A literatura mais recente prevê problemas de incentivos para os governos em ambos os arranjos fiscais. Assim, o objetivo desse artigo foi testar empiricamente a validade da principal proposição do federalismo market-preserving (FMP), qual seja: maior autonomia tributária aos governos regionais, disciplinada por imposição de restrição orçamentária rígida e mobilidade de fatores inter-regional, eleva o desempenho econômico. Para isso, foram conduzidos diversos experimentos num modelo de equilíbrio geral computável, que buscaram simular as diferentes intensidades dessas características do FMP. De maneira geral, os resultados confirmam que a economia nacional melhora sua performance (aumentos de PIB e bem-estar), embora em nível regional, em algumas situações, haja aumento das desigualdades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abreu, Marcelo P. 1990. “A ordem do progresso”. Rio de Janeiro: Campus.
Aguiar, Angel, Badri Narayanan, and Robert McDougall. 2016. "An Overview of the GTAP 9 Data Base." Journal of Global Economic Analysis 1(1): 181-208.
Callado, Marcelo C. 2005. “Sobre a História e estrutura atual do Federalismo Fiscal no Brasil.” Tese de Doutorado, Universidade de Colônia.
Cossio, Fernando, A. B. 2002. “Ensaios sobre federalismo fiscal no Brasil.” Tese de Doutorado, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.
Cossio, Fernando, A. B. 1998. “Disparidades econômicas inter-regionais, capacidade de obtenção de recursos tributários, esforço fiscal e gasto público no federalismo brasileiro.” Rio de Janeiro: Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.
de Figueiredo Jr, Rui J. P., and Barry R. Weingast. 2005. “Self-enforcing federalism.” The Journal of Law, Economics and Organization 21(1): 103-135.
Dixon, Peter B., M. Picton, and Maureen T. Rimmer. 2002. “Australian Federalism: a CGE analysis of inter-government transfers.” The 5th Conference on Global Economic Analysis, Conference Papers.
Feijó, Carmem A., and Roberto L. O. Ramos. 2013. “Contabilidade social: a nova referência das contas nacionais do Brasil”. Rio de Janeiro: Campus.
Fochezatto, Adelar. 2003. “Construção de um modelo de equilíbrio geral computável regional: aplicação ao Rio Grande do Sul.” Texto para Discussão n. 944, IPEA.
Gadelha, Sérgio R. B. 2012. “Analisando o Impacto da Descentralização Fiscal na Saúde Pública: Evidência Empírica para os Municípios Brasileiros (2000-2009).” Texto para Discussão n. 12, Tesouro Nacional.
Giuberti, Ana Carolina. 2005. “Efeito da lei de responsabilidade fiscal sobre os gastos dos municípios brasileiros.” Dissertação de Mestrado, Universidade de São Paulo.
Guedes, Kelly P., and Carlos E. Gasparini. 2007. “Descentralização fiscal e tamanho do governo no Brasil.” Economia Aplicada 11(2): 303-323.
Gurgel, Angelo C. 2002. “Impactos econômicos e distributivos de mudanças nas relações comerciais da economia brasileira na presença de economias de escala.” Tese de Doutorado, Universidade Federal de Viçosa.
Hertel, Thomas W. 1997. “Global trade analysis: modeling and Applications”. New York: Cambridge University Press.
Hillbrecht, Ronald O. 1997. “Federalismo e a união monetária brasileira.” Estudos Econômicos 27(1): 53-67.
Nechyba, Thomas. 1996. “A computable general equilibrium model of intergovernmental aid.” Journal of Public Economics 62(3): 363-397.
Martell, Christine R. 2008. “Fiscal institutions of Brazilian municipal borrowing.” Public Administration and Development 28(1): 30-41.
Musgrave, Richard A. 1959. “The theory of public finance”. New York: McGraw-Hill.
Nakaguma, Marcos Y., Siegfried Bender. 2006. “A emenda da reeleição e a Lei da Responsabilidade Fiscal: impactos sobre ciclos políticos e performance fiscal dos Estados.” Economia Aplicada 10(3): 377-397.
Oates, Wallace E. 1972. “Fiscal federalismo”. New York: Harcourut Brace Jovanovich.
Palermo, Patrícia U., Alexandre A. Porsse, and Marcelo S. Portugal. 2013. “Impactos regionais da reforma tributária: lições de uma análise EGC para o Rio Grande do Sul.” Pesquisa e Planejamento Econômico 43(3): 585-624.
Pereira, Matheus W. G. 2011. “Efeitos de políticas tributárias e de liberalização comercial sobre a competitividade setorial das macrorregiões brasileiras.” Tese de Doutorado, Universidade Federal de Viçosa.
Pires, Henrique A. A., and Maurício S. Bugarin. 2003. “Metas de déficit: Transferências intergovernamentais e o controle do endividamento dos Estados.” Revista Brasileira de Economia 57(4): 775-794.
Porsse, Alexandre. A. 2005. “Competição tributária regional, externalidades fiscais e federalismo no Brasil: uma abordagem de equilíbrio geral computável.” Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Rangel, Marcos A. 2003. “Resgates financeiros, restrição orçamentária fraca e postura fiscal nos estados brasileiros.” Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro.
Rezende, Fernando, and José R. Afonso. 2004. “A federação brasileira: fatos, desafios e perspectivas.” Federalismo e integração econômica regional – desafios para o Mercosul. Rio de Janeiro: Konrad Adenauer.
Rutherford, Thomas F. 1999. “Applied general equilibrium modeling with MPSGE as a GAMS subsystem: an overview of the modeling framework and syntax.” Computational Economics 14(1): 1-46.
Rodden, Jonathan, and Suan Rose-Ackerman. 1997. “Does Federalism Preserve Markets?” Virginia Law Review 83(7): 1521-72.
Salami, Carlos R., and Adelar Fochezatto. 2009. "Avaliando os Impactos de Políticas Tributárias Sobre a Economia Brasileira com Base em um Modelo de Equilíbrio Geral de Gerações Sobrepostas." Revista Brasileira de Economia 63(3): 299-314.
Serra, Jose, and Jose R. Afonso. 1999. “Federalismo fiscal à brasileira: algumas reflexões.” Revista do BNDES 6(12): 3-30.
Simonassi, Andrei G., and José O. Cândido Júnior. 2008. “Desempenho Fiscal e os impactos sobre as responsabilidades fiscal e social nos Estados e Regiões brasileiras.” Texto para Discussão, n. 1323, IPEA.
Teixeira, Erly C., Matheus W. G. Pereira, and Angelo C. Gurgel. 2013. “A Estrutura do PAEG”. Campo Grande: Life Editora.
Tiebout, Charles M. 1956. “A pure theory of local expenditures.” Journal of Political Economy 64(5): 416-424.
Varsano, Ricardo. 1996. “A evolução do sistema tributário brasileiro ao longo do século: anotações e reflexões para futuras reformas.” Texto para Discussão n. 405, IPEA.
Weingast, Barry R. 2014. “Second generation fiscal federalism: political aspects of decentralization and economic development.” World Development 53: 14-25.
Weingast Barry R. 2009 “Second generation fiscal federalism: The implications of fiscal incentives.” Journal of Urban Economics 65(3): 279-293.
Weingast, Barry R. 2005. “The performance and stability of federalism: an institutional perspective.” Handbook of New Institutional Economics, 149-172.
Weingast, Barry R. 1995. “The economic role of political institutions: market-preserving federalism and economic development.” Journal of Law, Economics and Organization 11(1): 1-31.
Publicado
2019-03-20
Seção
Artigo