Reforma da previdência: sustentabilidade e justiça atuarial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-41614931rnabg

Palavras-chave:

previdência social, reforma previdenciária, idosos, justiça atuarial

Resumo

O artigo analisa a proposta de reforma da previdência social feita pelo governo Temer. Investigamos a sustentabilidade financeira do sistema proposto e a sua justiça atuarial. Consideramos as regras contidas na proposta original do governo. Procuramos dar respostas a duas questões relacionadas: (i) qual deveria ser a alíquota de contribuição para a previdência para que a proposta fosse equilibrada financeiramente?; e (ii) qual a taxa interna de retorno implícita da proposta Temer? Para tanto, desenvolvemos um modelo atuarial que é simulado para a geração que tem 25 anos de idade em 2015 com base na PNAD.  A sustentabilidade financeira do novo sistema é muito sensível ao crescimento da produtividade e da taxa de formalização da economia. Admitindo as taxas atuais de formalização e um crescimento da produtividade de 2% a.a., a alíquota de equilíbrio para o agente representativo do sexo masculino seria de 32%, maior que as alíquotas vigentes (entre 28 e 31). No entanto, a taxa de retorno implícita para o agente representativo é ao redor de 3%, que é significativamente inferior à média das taxas básicas de juros que vigorou na economia brasileira nas últimas décadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Aaron, H. 1966. The Social Insurance paradox. Canadian Journal of Economics and Political Science 32(3): 371-374.

Afonso, L. E. 2018. Reforma Temer: os impactos da PEC nº 287/2016 sobre o RGPS. In Desafios da Nação: artigos de apoio, organizado por João Alberto De Negri, Bruno César Araújo e Ricardo Bacelette, 253-284. Brasília: IPEA 2.

Afonso, L. E. e Fernandes, R. 2005. Uma estimativa dos aspectos distributivos da previdência social no Brasil. Revista Brasileira de Economia 59 (3): 295-334.

Afonso, L.E., Zylberstajn, H. e Souza, A.P. 2006. Mudanças na Previdência Social: Uma Avaliação dos Efeitos de Reformas Paramétricas no RGPS. Economia, Selecta 7(4): 37-69.

Alegretti, L.; Dias, M.; Carvalho, D.; Prado, M.; Cruz, V. 2016. Reforma da Previdência chega ao Congresso nesta Terça, anuncia Temer. Folha de S. Paulo, 05 dez. Mercado.

Andrade, E. I. G. 2001. Envelhecimento e Previdência Social no Brasil. In O Envelhecimento da População Brasileira e o Aumento da Longevidade: subsídios para políticas orientadas ao bem estar do idoso, organizado por Laura L. Rodríguez Wong, 165-188. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, ABEP.

Beltrão, K. I.; Camanarano, A. A. e Kanso, S. 2004. Dinâmica Populacional Brasileira na Virada do Século XX. IPEA, Texto para Discussão 1034, Rio de Janeiro.

Bastos, E. K. X. 2017. Taxa Neutra de Juros e Expectativas para Inflação e Juros. Carta de Conjuntura 37 (4º Trimestre).

Benites, A. e Mendonça, H. 2017. Por Resistência no Congresso, Temer Recua de Novo na Reforma da Previdência. El País, 06 abr. Brasil.

Blanchard, O. J. e Fischer, S. 1989. Lectures on macroeconomics. Cambridge, Massachusetts: The MIT Press.

Brasil. 2017a. Meirelles: reforma da Previdência terá efeito imediato nas contas públicas. Planalto, 11 mai., Equilíbrio Fiscal. Disponível online: < http://www.brasil.gov.br/noticias/emprego-e-previdencia/2017/05/meirelles-reforma-da-previdencia-tera-efeito-imediato-nas-contas-publicas>

Brasil. 2017b. Presidência da República. Para líder do Governo, Reformas Vão Garantir Retomada do Crescimento. Planalto, 21 mar., Crescimento Econômico. Disponível online: < http://www2.planalto.gov.br/acompanhe-planalto/releases/2017/03/para-lider-do-governo-reformas-vao-garantir-retomada-do-crescimento>

Camarano, A. A. 2002. Envelhecimento da População Brasileira: uma contribuição demográfica. IPEA, Texto para Discussão no. 858, Rio de Janeiro.

Cavalcante, L. R. e De Negri, F. 2014. Evolução Recente dos Indicadores de Produtividade no Brasil. In: Produtividade no Brasil: desempenho e determinantes, organizado por Fernanda De Negri e Luiz Ricardo Cavalcante, 143-172. Brasília: ABDI, IPEA 1.

Constanzi, R. N. 2017. O Caráter Regressivo das Aposentadorias Precoces e os Impactos do Envelhecimento na Previdência Social no Brasil. Informações FIPE, Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas 444: 14-20.

Constanzi, R. N. e Ansiliero, G. 2017. Impacto Fiscal da Demografia na Previdência Social. IPEA, Texto para Discussão 2291, Rio de Janeiro.

Constanzi, R. N.; Amaral, A. D.; Dias, C. R.; Ansiliero, G.; Afonso, L. E. e Sidone, O. J. G. 2018. Reforma da Previdência Social. In: Desafios da Nação: artigos de apoio, organizado por João Alberto De Negri, Bruno César Araújo e Ricardo Bacelette, 129-192. Brasília: IPEA 2.

El País. 2017. Reforma da Previdência e Lei Terceirização Levam Milhares às Ruas para Protestar. El País, 01 abr., Brasil.

Fernandes, R. e Gremaud, A.G. 2003. Regime de previdência dos servidores públicos: equilíbrio financeiro e justiça atuarial. Ministério da Fazenda, ESAF, Texto para discussão 1.

Fernandes, R. e Narita, R. D. T. 2003. Contribuição ao INSS: equilíbrio financeiro e imposto sobre o trabalho. Ministério da Fazenda, ESAF, Texto para discussão 3.

Giambiagi, F.; Pinto, F. e Rothmuller, L. 2018. Reforma Previdenciária em 2019: Elementos para uma tomada de decisão. Mimeo. Disponível online: < http://web.bndes.gov.br/bib/jspui/handle/1408/15304 >.

Giambiagi, F. e Sidone, O. J.G. 2018. A Reforma da Previdência e o Teto Geral de Previdência Social (RGPS). BNDES, Texto para Discussão 121.

Giambiagi, F. e Tafner, P. 2010. Demografia: a ameaça invisível - O dilema previdenciário que o Brasil se recusa a encarar. Rio de Janeiro: Campus-Elsevier.

Giambiagi, F., Zylberstajn, H., Afonso, L.E., Souza, A. P. e Zylberstajn, E. 2007. Impactos de Reformas Paramétricas na Previdência Social Brasileira: Simulações Alternativas. Pesquisa e Planejamento Econômico 37(2): 175-220.

Goudswaard, K. e Caminada, K. 2015. Social security contributions: economic and public finance considerations. International Social Security Review 68(4): 25-45.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2016. Tábuas Completas de Mortalidade – 2015. Rio de Janeiro. Disponível em: < https://www.ibge.gov.br/estatisticas-novoportal/sociais/populacao/9126-tabuas-completas-de-mortalidade.html?edicao=9176&t=sobre >.

Lima, D. V. de; Matias-Pereira, J. 2014. A Dinâmica Demográfica e a Sustentabilidade do Regime Geral de Previdência Social Brasileiro. Revista de Administração Pública 48(4): 847-868.

Lyra, P. de T. e Azevedo, A. 2017. Temer Abandona Texto da PEC da Previdência e Aposta em Reforma mais Enxuta. Correio Braziliense, 08 nov. Política.

Moreira, M. de M. 2001. Envelhecimento da População Brasileira: aspectos gerais. In: O Envelhecimento da População Brasileira e o Aumento da Longevidade: subsídios para políticas orientadas ao bem estar do idoso, organizado por Laura L. Rodríguez Wong, 25-56. Belo Horizonte: UFMG/Cedeplar, ABEP.

Nery, P. F. 2016. Economia Política da Reforma da Previdência. Núcleo de Estudos e Pesquisas/CONLEG/Senado, Texto para Discussão 207, Brasília.

Omar, J. H. D. 2008. Taxa de Juros: comportamento, determinação e implicações para a economia brasileira. Revista de Economia Contemporânea 12(3): 463-490.

Queiroz, B. L. e Fígoli, M. G. B. 2011. Population Aging and the Cost of Public Pension in Brazil. UFMG, Cedeplar, Texto para Discussão 438, Belo Horizonte.

Queisser, M. e Whitehouse, E. 2006. Neutral or Fair?: Actuarial Concepts and Pension-System Design. OECD Publishing, OECD Social, Employment and Migration Working Papers 40, Paris. http://dx.doi.org/10.1787/351382456457

Sinn, H. 2000. Why a Funded Pension System is Useful and Why It is Not Useful. International Tax and Public Finance (7): 389-410.

Tafner, P. 2011. Previdência no Brasil: um (modesto) passo adiante nas reformas. Mimeo.

Tafner, P. 2012. Desafios e Reformas da Previdência Social Brasileira. Revista USP (93): 137-156.

Turra, Cassio M.; Afonso, L.E. 2017. A consolidação da previdência social desde 1988 e seu futuro em um país em envelhecimento. In: Políticas Públicas no Brasil: Uma Abordagem Institucional, organizado por Gilmar Mendes e Paulo Paiva, 317-350. São Paulo: Saraiva, 1 ed.

Zylberstajn, H., Afonso, L.E. e Souza, A.P. 2006. Social Security reform and Transition Cost: Simulating a Universal System for Brazil. Revista de Contabilidade e Finanças - Especial Atuária 17(2): 56-74.

Zylberstajn, H., Zylberstajn, E. Afonso, L.E. e Souza, A.P. 2010. Uma proposta para a criação de um sistema único de Previdência Social para o Brasil. Revista de Economia e Relações Internacionais 8(16): 126-144.

Downloads

Publicado

2019-09-30

Edição

Seção

Artigo