Restringindo o tempo da Cesárea Eletiva: evidências do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-41615122lbm

Palavras-chave:

Cesárea agendada, Dif-in-Dif, Política

Resumo

O Brasil possui uma das maiores taxas de cesáreas do mundo: uma parcela de 58,3% segundo o Sistema de Informação de Nascidos Vivos (SINASC) 2015-2017. A parcela está acima da taxa máxima de 15% recomendada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Neste artigo, estimamos os impactos e consequências não intencionais da Resolução 2.144 do Conselho Federal de Medicina (CFM) sobre os outcomes de Primogênitos de Baixo Risco (LRFB). A Resolução introduz um mínimo de 39 semanas de gestação para a cesárea eletiva. A taxa da cesárea eletiva antes da 39ª semana caiu 2,78 pontos percentuais, o que é estatisticamente significativo e equivalente a uma redução de 24% na média desse resultado. Também encontramos aumentos na duração do tempo de nascimento: a porcentagem de partos ocorridos antes da 39ª semana diminuiu 2,34 pontos percentuais, o que é uma diminuição de 6% em sua média. Nossos resultados sugerem que as cesáreas eletivas foram adiadas da 37-38ª semana para após o início da 39ª semana. Mostramos também que a política teve uma consequência não intencional, uma vez que ela parece ter mudado a maneira como potenciais partos naturais são antecipados de fins de semana para dias de semana por meio da cesárea agendada.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Angrist, J. D., & Pischke, J. S. 2008. “Mostly harmless econometrics: An empiricist’s companion”. Princeton university press.

Brazil. 1998. “Define máximos de cesarianas em relação ao total de partos por hospital”. Ministério da saúde, Diário Oficial da União. Portaria n o 2816, de 29 de maio de 1998. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/ bvs/saudelegis/gm/1998/prt2816_29_05_1998.html. Acessado em 02/02/2021.

Card, D., Fenizia, A., and Silver, D. 2019. “The Health Impacts of Hospital Delivery Practices” (No. w25986). National Bureau of Economic Research.

Costa-Ramón, A., Kortelainen, M., Rodŕıguez-González, A., & Sääksvuori, L. 2020. “The Long-Run Effects of Cesarean Sections”. Journal of Human Resources, 0719-10334R1.

Gans, J. S. and Leigh, A. 2008. “What Explains the Fall in Weekend Births?”. mimeo.

Glavind, J., Kindberg, S. F., Uldbjerg, N., Khalil, M., Møller, A. M., Mortensen, B. B., and Henriksen, T. B. 2013. “Elective caesarean section at 38 weeks versus 39 weeks: neonatal and maternal outcomes in a randomised controlled trial”. BJOG: An International Journal of Obstetrics & Gynaecology, 120(9), 1123-1132.

Gurol-Urganci, Ipek, et al. 2011. “The timing of elective caesarean delivery between 2000 and 2009 in England.” BMC pregnancy and childbirth 11.1:1-7.

Kahn, A., and Lang, K. 2020. “The promise and pitfalls of differences-in-differences: Reflections on 16 and pregnant and other applications”. Journal of Business & Economic Statistics, 38(3), 613-620.

Nobrega, Juliana K. 2015. “What is Pushing Brazil Not to Push?”. Diss. University of Illinois at Chicago.

Spinola, Paula de Sousa Leão. 2016. “Convenience Effect on Birth Timing Manipulation: Evidence from Brazil.” Programa de Pós-Graduação em Economia, PPGE/IE-UFRJ.

SP. 1989. “Resolução 143. Define percentuais máximos de cesarianas em relação ao total de partos por hospital”. Secretaria de Estado da Saúde: No 143. Diário Oficial do Estado de São Paulo.

Oshiro, Bryan T., et al. 2009.”Decreasing elective deliveries before 39 weeks of gestation in an integrated health care system.” Obstetrics & Gynecology 113.4: 804-811.

Downloads

Publicado

2021-06-24

Edição

Seção

Artigo

Dados de financiamento