A armadilha da sobreeducação no primeiro emprego: evidências para o Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-41615131mfrc

Palavras-chave:

Sobreeducação, Trabalhadores brasileiros, Primeiro emprego

Resumo

Este estudo centra-se na análise das condições sobre as quais trabalhadores brasileiros têm sido identificados como sobreeducados em seus primeiros empregos, bem como na probabilidade de permanecerem com esse status nos anos de 2006 e 2015. Busca-se também investigar os diferenciais de efeitos entre trabalhadores inicialmente sobreeducados, mas que foram primeiramente engajados em empresas com capacidade produtivas diferenciadas. São considerados sobreeducados os trabalhadores que desempenham funções que exigem abaixo de seu nível de escolaridade. Informações proveneientes da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS) e da Classificação Brasileira das Ocupações (CBO) de 2002 alimentaram um modelo probit bivariado recursivo que permitiu a realização empírica do estudo. Os resultados mostram que o status de sobreeducação no primeiro emprego em 2006 aumenta em 43,6% a probabilidade de o trabalhador repetir a mesma incompatibilidade no emprego em 2015. Além disso, trabalhadores sobreeducados aceleram suas transições para empregos condizentes ao engajarem o primeiro emprego em empresas de grande porte.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mateus Mota dos Santos, Universidade Federal do Ceará

Doutorando em Economia

Francisca Zilania Mariano, Universidade Federal do Ceará

Professora

Ronaldo de Albuquerque e Arraes, Universidade Federal do Ceará

Professor

Celina Santos de Oliveira, Universidade Federal do Ceará

Professor

Referências

Acosta-Ballesteros J., Osorno-del Rosal, M.P., and Rodríguez-Rodríguez, O.M. “Overeducation of Young Workers in Spain: How Much Does the First Job Matter?” Social Indicators Research 138: 109-139, 2018. https://doi.org/10.1007/s11205-017-1643-z.

Allen, J. and Van der Velden, R. “Educational mismatches versus skill mismatches: Effects on wages, job satisfaction, and on-the-job search”. Oxford Economic Papers 3: 434–452.

Annegues, A. C. et al. “Overeducation e Área de formação: evidências para os egressos da ufpb”. In: 46° ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA - ANPEC. Anais do 46º Encontro Nacional de Economia. Rio de Janeiro, 2018.

Annegues, A. C. e W.P.S.F. Souza. 2020. “Retorno Salarial do Overeducation: Viés de Seleção ou Penalização ao Excesso de Escolaridade?” Revista Brasileira de Economia 74, no. 2: 119-138.

Baert, S., Cockx, B., and Verhaest, D. “Overeducation at the start of the career: stepping stone or trap?”. Labour Economics 25:123–140.

Barbosa, A. L. N. H., F. H. B. Filho e J. R. F. Lima. 2013. “Diferencial de salários e determinantes na escolha de trabalho entre os setores público e privado no Brasil”. Pesquisa e Planejamento Econômico 43, no.1: 89-118.

Blázquez, M. e T. Mora. 2010. “Overeducation and job mobility: Evidence from young recent graduates in Catalonia”. Revista de Economía Laboral 7, no. 1: 64-84.

Capsada-Munsech, Q. 2020. “Overeducation, skills and social background: the influence of parental education on overeducation in Spain”. Compare: A Journal of Comparative and International Education 50, no. 2: 216-236.

Cavalcanti, M. F. A., Campos, F. M., and Neto, R. M. S. “Mismatch nos Mercados de Trabalho Regionais Brasileiros: O que Explica as Diferenças Regionais?” Revista Econômica do Nordeste 41, no. 3: 493-518.

Congregado, E., J. Iglesias, J. M. Millán e C. Román. 2016. “Incidence, effects, dynamics and routes out of overqualification in Europe: A comprehensive analysis distinguishing by employment status”. Applied Economics 48, no. 5: 411-445.

Costa, J. S., F. G. Silveira, B. S. Azevedo, S. S. Carvalho e A. L. N. H. Barbosa. 2020. “Heterogeneidade do diferencial salarial público-privado”. Boletim Mercado de Trabalho, n. 68, Brasília: Ipea.

Diaz, M. D. M., Machado, L. “Overeducation e Undereducation no Brasil: Incidência e Retornos”. Estudos Econômicos (São Paulo) 38, no.3: 431-460, 2008.

Dolton, P. e A. Vignoles. 2000. “The incidence and effects of overeducation in the UK graduate labour market”. Economics of education review 19, no. 2: 179-198

Duncan, G., Hoffman, S. D. “The Incidence and Wage Effects of Overeducation”. Economics of Education Review 1, no. 1: 75-86, 1981.

Freeman, R. 1976. The overeducated American. Cambridge: Academic Press.

Frenette, M. 2004. “The overqualified Canadian graduate: the role of the academic program in the incidence, persistence, and economic returns to overqualification”. Economics of Education Review 23, no. 1: 29-45.

Greene, W. Econometric analysis. 7.ed. New Jersey: Pearson Prentice Hall.

Groeneveld, S., Hartog, J. “Overeducation, wages and promotions within the firm”. Labour Economics 11: 701-714.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP. Resumo técnico: Censo da Educação Superior 2015. 2018. 2. Ed. Brasília: INEP.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP. Resumo técnico: Censo da Educação Superior 2007. 2009. Brasília: INEP.

Liu, K., K. G. Salvanes,G e E. Ø. Sørensen. 2016. “Good skills in bad times: Cyclical skill mismatch and the long-term effects of graduating in a recession”. European Economic Review 84: 3-17.

Machado, L., Oliveira, A.M.H.C. “Mobilidade Ocupacional e Incompatibilidade Educacional no Brasil Metropolitano”. Pesquisa e Planejamento Econômico 43, no. 2: 279-307.

Marioni, L. S. “Overeducation in the Labour Market: Evidence from Brazil”, In: ROYAL

ECONOMIC SOCIETY. Conference 2018 Royal Economic Society Annual Conference. Brighton, 2018.

Meroni, E. C., Vera-Toscano, E. “The persistence of overeducation among recente graduates”. Labour Economics 48: 120-143.

Monte, P. A., Araújo, T. P., Lima, R. A. “Primeiro Emprego e Reemprego: Análise de Inserção Ocupacional e Duração do Desemprego no Brasil Metropolitano”. Economia e Desenvolvimento 7, no. 1: 139-177.

Morano, C. P. “The determinants of overeducation: Evidence from the Italian labour Market”. Investigaciones de Economía de la Educación 9: 681–698.

Oliveira, C., F. Z. Mariano e J.A. Araújo. 2019. “A qualidade e expansão do ensino superior contribui para o overeducation? Evidências para o Ceará”. In XXIV Encontro Regional de Economia, Fortaleza, CE.

Pauli, R. C., Nakabashi, L., Sampaio, A. V. “Mudança estrutural e mercado de trabalho no Brasil”. Revista de Economia Política 32, no.3: 459-478.

Pérez, A.B. “The Importance of a First Job Mismatch on the Current Job: Evidence from Spain”. Dissertation of Master's in Economics, Universidad del Pais Vasco/Euskal Herriko Unibertsitatea.

Reis, M. C. Os Ensinos público e privado no Brasil e a incidência de sobre-educação no mercado de trabalho. Brasília: Ipea, 2020 (Texto para Discussão, n. 2558).

Reis, M. 2018. “Measuring the mismatch between field of study and occupation using a task‑based approach”.

Journal for Labour Market Research 52, no. 1: 1-15. https://doi.org/10.1186/s12651-018-0243-y.

Reis, M. 2015. “Overeducation, undereducation and labor earnings in Brazil: a panel data analysis”, Rede de Economia Aplicada, Working Paper 87.

Robst, J. “College quality and overeducation”. Economics of Education Review 14, no.3: 221-228.

Robst, J. “Education and job match: The relatedness of college major and work”. Economics of Education Review 26, no.4: 397–407.

Rocha, R. H., Menezes Filho, N., Oliveira, A. P., Komatsu, B. K. “A relação entre o ensino superior público e privado e a renda e emprego nos municípios brasileiros”. Pesquisa e Planejamento Econômico 47, no. 3: 39–69.

Rubb, S. 2006. “Educational mismatches and earnings: Extensions of occupational mobility theory and evidence of human capital depreciation”. Education Economics 14, no. 2: 135-154.

Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE. “Anuário do Trabalho na Micro e Pequena Empresa”, 2013. Disponível em: http://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/Anexos/Anuario%20do%20Trabalho%20Na%20Micro%20e%20Pequena%20Empresa_2013.pdf. Acesso em Agosto de 2019.

Sicherman, N. “Overeducation” in the Labour Market. Journal of Labour Economics 9, no.2: 101-122.

Smith, J. P. e F. Welch. “The Overeducated American? A Review Article”. 1978.

Tsang, M. C. “The Impact of Underutilization of Education on Productivity: A Case Study of the U.S. Bell Companies”. Economics of Education Review 6, no.3: 239-254.

Vianna, C. H. e A. M. H. C. Oliveira. 2010. “Sobre-escolarização nas ocupações brasileiras: uma análise dos efeitos de idade, período e coorte”. In: Anais do Encontro Nacional de Economia. Salvador, 2010.

Wilde, J. “Identification of multiple equation probit models with endogenous dummy regressors”. Economic Letters 69, no.3: 309–312.

Downloads

Publicado

2021-09-30

Edição

Seção

Artigo