Da necessidade de se ler "O Problema do Café no Brasil"

Resumo

Estudos sobre a sociedade e a economia brasileira, até o terceiro quartel do século passado, tinham, na maioria, um caráter de certa forma ensaístico: visões amplas, painéis interpretativos, os mais influentes deles abrindo novos caminhos, como as obras clássicas de Gilberto Freyre, Sérgio Buarque de Holanda ou Celso Furtado. Mas a partir dos anos setenta, com a reforma universitária e a institucionalização dos cursos de pós-graduação na década anterior, as exigências de titulação para ingresso e ascensão na carreira universitária fizeram com que a produção acadêmica passasse a ser crescentemente monográfica, voltada ao estudo detalhado de questões mais específicas, frequentemente derivada de teses e dissertações defendidas nos cursos de mestrado e doutorado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávio Rabelo Versiani, Universidade de Brasília

Professor − Universidade de Brasília − Campus Universitário Darcy Ribeiro − Brasília/DF− Brasil.

Referências

Bacha, E. “A Valorização do Café e seu Amargo Legado”. Texto para Discussão nº 54. Rio de Janeiro: Instituto de Estudos de Política Econômica, 2019.

Bielschowsky, R.(org.). ECLAC Thinking: Selected Texts (1948-1998). New York: United Nations, 2016.

Cardoso, F.H. Pensadores que Inventaram o Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

Delfim Netto, A. O Problema do Café no Brasil. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1979[1959].

Delfim Netto, A. “Em Defesa do Regime de Livre Iniciativa”. Em: Só o Político Pode Salvar o Economista. Rio de Janeiro: Edição do Autor, 1986.

Furtado, C. Formação Econômica do Brasil. 14ed. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1976[1959].

Pastore, A.C. A Resposta da Produção Agrícola aos Preços no Brasil. Rio de Janeiro: APEC, 1973.

Prebisch, R. Theoretical and Practical Problems of Economic Growth. Santiago: ECLA, 1952.

Publicado
2020-06-30
Seção
Comunicação Breve