O efeito das UPAs na taxa de internações por condições sensíveis à atenção primária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1980-53575142rjl

Palavras-chave:

Unidade de pronto atendimento, Internações hospitalares, Diferenças em diferenças

Resumo

Este artigo tem como objetivo avaliar o efeito das Unidades de Pronto Atendimento (UPA) sobre as internações por condições sensíveis à atenção primária (ICSAP) nos municípios do estado do Rio de Janeiro. Para alcançar o objetivo proposto, a estratégia empírica utilizada consistiu em elaborar um modelo de diferenças em diferenças (DD) organizado ao nível municipal entre os anos 2000 a 2017, identificando as ICSAP a partir do município de residência do indivíduo. Foi constatado que as UPAs têm um efeito negativo e significativo na taxa de ICSAP, caracterizando essa estrutura de saúde como um instrumento relevante capaz de reduzir a superlotação em emergências hospitalares. Em média, os municípios com UPA instalada reduziram as ICSAP em cerca de 21 unidades por 100 mil habitantes ao longo do período em que houve as inaugurações das UPAs. Tais resultados fornecem evidências da importância das UPAs no atual sistema brasileiro de atenção às urgências e emergências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo de Vasconcellos Viana Medeiros, Universidade Federal de Viçosa.Departamento de Economia Rural

Doutorando em Economia Aplicada

João Gabriel Alves da Costa, Universidade Federal de Viçosa.Departamento de Economia Rural

Mestre em Economia Aplicada

Leonardo Chaves Borges Cardoso, Universidade Federal de Viçosa.Departamento de Economia Rural

Professor Adjunto

Referências

Boing, A. F.; Vicenzi, R. B.; Magajewski, F.; Boing, A. C.; Pires, R. O.; Peres, K. G.; Linder, S. R.; Peres, M. A. “Redução das internações por condições sensíveis à atenção primária no Brasil entre 1998-2009”. Rev Saúde Pública, v. 46, n. 2, p. 359-366, 2012.

Brito, R. J. A.; Andrade, M. V.; Perpétuo, I. H. O. Demanda por serviços de saúde. In: Gasto e consumo das famílias brasileiras contemporâneas. IPEA, 2005.

Castro, M. S. M.; Travassos, C.; Carvalho, M. S. Efeito da oferta de serviços de saúde no uso de internações hospitalares no Brasil. Rev Saúde Pública, v. 39, n. 2, p. 277-284, 2005

Figueiredo, N. D.; Maximo, L. M.; Queiroz, M. E.; Oliveira, K. M.; Kornalewski, F. Z.; Ribeiro, L. S.; Araujo, R. “Perfil de atendimento de uma UPA e seu impacto na saúde pública”. In: 10º Congresso Internacional da Rede Unida, Anais..., 2012.

Fiocruz. Que sistema de saúde nós queremos ter? Disponível em: <http://www6.ensp.fiocruz.br/visa/?q=node/6562>. Acesso em 17 abr. 2020.

Galama, T.; Kapteyn, A. “Grossman’s missing health thersold”. Journal of Health Economics, v. 30, p. 1044-1056, 2011.

Grossman, M. “The Demand for Health: A theorical and empirical investigation”. National Bureau of Economic Research, New York. 1972.

Iunes, R. F. “Demanda e demanda por saúde. Economia da Saúde: Conceito e contribuição para a gestão da saúde”. IPEA, Brasília, 1995.

Konder, M. “Atenção às urgências: a integração das Unidades de Pronto Atendimento 24h (UPA 24h) com a rede assistencial do município do Rio de Janeiro”. 2013. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública), Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, ENSP, 2013.

Konder, M. T.; O’dwyer, G. “A integração das unidades de pronto atendimento (UPA) com a rede assistencial no município do Rio de Janeiro”. Interface: Communication, Health, Education, v. 20, n. 59, p. 879–892, 2016.

Lima, A. C.; Nichiata, L. Y.; Bonfim, D. “Perfil dos atendimentos por condições sensíveis à atenção primária à saúde em uma Unidade de Pronto Atendimento”. Rev Esc Enfermagem USP, v. 53, n. 1, p. 1-7, 2019.

Ministério da Saúde. 2011. Portaria nº 1.601, de 7 de julho de 2011. “Estabelece diretrizes para a implantação do componente Unidades de Pronto Atendimento (UPA24h) e o conjunto de serviços de urgência 24 horas da Rede de Atenção às Urgências, em conformidade com a Política Nacional de Atenção às Urgências”. Diário Oficial da União: 70-70.

Ministério da Saúde. 2014. Esclarecimento sobre leitos no SUS (2014).

Disponível em: <http://www.blog.saude. gov.br/e42el5>. Acesso em: 15 abr. 2020.

Moura, B. L; Cunha, R. C.; Aquinho, R.; Medina, M. G.; Mota, E. L.; Macinko, J.; Dourado, I. “Principais causas de internação por condições sensíveis à atenção primária no Brasil: Uma análise por faixa etária e região”. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., v. 10, n. 1, p. S83-S91, 2010.

O’dwyer, G. O, S. P. Oliveira, e M. H. Seta. 2009. “Avaliação dos serviços hospitalares de emergência do programa QualiSUS”. Ciência e Saúde Coletiva 14, no. 5: 1881-1889.

O’dwyer, G, M. T. Konder, L. P. Reciputti, e M. G. Lopes. 2017. “O processo de implantação das unidades de pronto atendimento no Brasil”. Revista de Saúde Pública 51: 1-12.

Pinto, R. S.; Stocker, T.; Lima, T. M. “O papel das unidades de pronto atendimento: análise do desempenho da primeira UPA do município de Pelotas-RS”. Revista de Gestão em Sistemas de Saúde, v. 8, n. 2, p. 127-136, 2019.

Politi, R. Desigualdade na utilização de serviços de saúde entre adultos: uma análise dos fatores de concentração da demanda. Economia Aplicada, v. 18, n. 1, p. 117-137, 2014.

Santos, L. P.; Castro, A. L.; Dutra, V. G.; Guimarães, R. M. “Internações por condições sensíveis à atenção primária à saúde, 2008-2015: uma análise do impacto da expansão da ESF na cidade do Rio de Janeiro”. Cad. Saúde Colet, v. 26, n. 2, 2018.

Secretaria Estadual de Saúde do Estado do Rio de Janeiro. “Projeto básico de gestão e administração de Unidades de Pronto Atendimento, 2010”. Disponível em: <https://www.saude.rj.gov.br/comum/code/MostrarArquivo.php?C=NTA1NA%2C%2C>. Acesso em 12 abr. 2020.

Silva, G. S.; Samico, I.; Dubeux, L. S.; Felisberto, E. “Redes de atenção às urgências e emergências: Pré-avaliação das unidades de pronto atendimento (UPAs) em uma região metropolitana do Brasil”. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil, v. 12, n. 4, p. 445–458, 2012.

Silva, K.; Gonçalves, S. J. C. “Avaliação ecológica de internações por condições sensíveis à atenção primária no município de Miguel Pereira-RJ”. Revista Pró-univerSUS, v. 10, n. 1, p. 119-124, 2019.

Wagstaff, A. The demand for health: an empirical reformulation Grossman model. Health Economics, v. 5, p. 193-233, 1993.

Zarlotti, C.; Scudese, E.; Senna, G. W.; Tonini, T.; Lopes, T. S.; Pestana C. L. Internações por condições sensíveis à atenção primária após a implantação da estratégia de saúde da familia no município de Petrópolis/RJ. Rev Fund Care online, v. 9, n. 3, p. 811-817, 2017.

Downloads

Publicado

2021-12-23

Edição

Seção

Artigo

Dados de financiamento