Determinantes da demanda do setor automobilístico brasileiro: uma análise empírica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1980-53575235pvm

Palavras-chave:

Setor automotivo brasileiro, Determinantes da demanda, Modelo ARDL

Resumo

Este trabalho usou modelos ARDL para analisar a demanda por veículos no Brasil entre janeiro/2012 e dezembro/2019. Os resultados indicam que desvalorizações cambiais, reduções no IPI e aumentos no PIB, na oferta de crédito (para aquisição veicular), no risco-Brasil e na confiança do consumidor estimulariam a demanda. Alternativamente, aumentos nos juros, nos preços de veículos novos e usados e no custo dos combustíveis tenderiam a diminuí-la. Acredita-se que: a) a demanda por veículos populares seja mais sensível aos preços; b) os clientes da Ford possuam preferências distintas; c) combustíveis mais caros estimulem a procura por maior autonomia veicular; d) as marcas com linhas próprias de crédito dependam menos dos juros; e) a Toyota atraia clientes em momentos de incerteza. Ademais, notou-se similaridade entre os consumidores da GM, Fiat, Toyota e Peugeot-Citroën e discrepância entre os da Volkswagen e Nissan, Honda e CAOA e Ford e Hyundai.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Augusto Silva Pagani, Universidade Federal de Juiz de Fora

Graduado em Economia

Vinícius de Azevedo Couto Firme, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professor Adjunto 

Matheus de Assis Duarte Santos, Universidade Federal de Sergipe

Mestre em Economia

Referências

Alvarenga, G.V. et al. 2010. “Políticas anticíclicas na indústria automobilística: uma análise de cointegração dos impactos da redução de IPI sobre as vendas de veículos.” Texto para discussão do IPEA 1512, Ipea, Brasília.

Anfavea - Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores. s.d. “Anuários e dados estatísticos da indústria automobilística”. Acesso em julho de 2020. http://www.anfavea.com.br.

ANP - Agência Nacional do Petróleo. s.d. “Preço médio mensal dos combustíveis no Brasil.” Acesso em julho de 2020. http://preco.anp.gov.br/.

Apolinário, R. S. 2018. “Impacto da redução de tributos na venda de automóveis no Brasil entre os anos de 2007 e 2015.” Revista Gestão da Produção, Operações e Sistemas 13(1): 19-35.

Auto-Esporte. s.d. “Conheça os 10 carros mais econômicos do Brasil em 2020” e “Conheça os 20 carros mais beberrões do Brasil”. Acesso em janeiro de 2021. https://autoesporte.globo.com/carros/.

Barber, B. M., R. W. Click, e M.N Darrough. 1999. “The impact of shocks to exchange rates and oil prices on U.S sales of American and Japanese automakers.” Japan and the World Economy, 11(1): 57-93.

Baumgarten Jr., A. L. 1972. “Demanda de automóveis no Brasil.” Revista Brasileira de Economia 26(2): 203-297.

Banco Central do Brasil - BCB. s.d. “Estatísticas: Taxas de Juros > Relatório de Taxa de Juros > Pessoa Física – Aquisição de veículos.” Acesso em janeiro de 2021. https://www.bcb.gov.br/.

Blanchard, O. J. 1983. “The Production and Inventory Behavior of the American Automobile Industry.” Journal of Political Economy 91(3): 365-400.

Banco Central do Brasil – BCB. s. d. “Dados Abertos. - Concessões de crédito com recursos livres - Pessoas físicas - Aquisição de veículos.” Acesso em julho de 2020. https://dadosabertos.bcb.gov.br/dataset/20673-concessoes-de-credito-com-recursos-livres---pessoas-fisicas---aquisicao-de-veiculos

Blomqvist, A.G., e W. Haessel. 1978. “Small Cars, Large Cars, and the Price of Gasoline.” The Canadian Journal of Economics 11(3): 470-489.

Borghi, R.A.Z. 2013. “Crise Econômica Internacional e Política Brasileira de Incentivos Tributários: uma Avaliação a partir dos Setores-Chave.” Revista Econômica 15(2): 111-138.

Camargo, O. S. 2006. “As mudanças na organização e localização da indústria automobilística brasileira (1996-2001).” Tese de doutorado, Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, UFMG.

Chifurira, R., Mudhombo, I., Chikobvu, M., Dubihlela, D. 2014. “The impact of inflation on the automobile sales in South Africa.” Mediterranean Journal of Social Sciences 5(7), 200–207.

Chuang, C-H., e Y. Zhao. 2019. “Demand stimulation in finished-goods inventory management: Empirical evidence from General Motors dealerships.” International Journal of Production Economics 208, 208-220.

Consoni, F.L., e R.D.Q. Carvalho. 2002. “Desenvolvimento de produtos na indústria automobilística brasileira: perspectivas e obstáculos para a capacitação local.” Revista de Administração Contemporânea 6(1): 39-61.

De Negri, J.A. 1998. “Elasticidade-Renda e Elasticidade-Preço da demanda de Automóveis no Brasil.” Texto para Discussão do Ipea 558, Ipea, Brasília.

De Negri, J.A. 1999. “O custo de bem-estar do regime automotivo brasileiro.” Pesquisa e Planejamento Econômico 29(2): 215-242.

De Negri, et al. 2008. “Determinantes da Acumulação de Conhecimento para Inovação Tecnológica nos Setores Industriais no Brasil: Setor Automotivo.” Estudos Setoriais de Inovação ABDI, ABDI, Brasília.

Dyckman, T. 1965. “An Aggregate Demand Model for Automobiles.” Journal of Business 38(3): 252-266.

Elliott, G., T. J. Rothenberg, e J.H. Stock. 1996. “Efficient tests for an autoregressive unit root.” Econometrica 64(4): 813–836.

Engle, R.F., Granger, C.J. 1987. “Co-integration and error correction: representation, estimation, and testing.” Econometrica 55(2): 251-276.

Fantazzini, D., Toktamysova, Z. 2015. “Forecasting German car sales using Google data and multivariate models.” International Journal of Production Economics 170(A): 97-135.

Fauth, K.M., I. A. C. Morais,e R. V. Clezar. 2009. “O mercado de automóveis, ônibus e caminhões no Brasil, 1996-2008.” 37º Encontro Nacional de Economia, Foz do Iguaçu, dezembro de 2009.

Fernandes, T.R., e F. C. Dantas. 2020. “Effects of monetary policy transmission mechanism on car sales in Brazil after the real plan.” Gestão & Produção 27(2):1-20.

Fernandes, R., E. Haddad, e L. Dias. 2021. “Impactos Econômicos da Saída da Ford do Estado de São Paulo – Nota Técnica 2” Núcleo de Economia Regional e Urbana da Universidade de São Paulo – NEREUS, São Paulo..

Firme, V.A.C., e J. Simão Filho. 2014. “Análise do crescimento econômico dos municípios de Minas Gerais via modelo MRW (1992) com capital humano, condições de saúde e fatores espaciais, 1991-2000.” Economia Aplicada 18(4): 679-716.

Giambiagi, F., e A. Villela. 2005. Economia Brasileira Contemporânea (1945-2004). Rio de Janeiro: Elsevier.

Goldenstein, M., e B. Casotti. 2008. “Panorama do setor automotivo: as mudanças estruturais da indústria e as perspectivas para o brasil.” Informe Setorial 28, BNDES, Brasília, 147-188.

Greene, W.H. 2008. Econometric Analysis, 6th Edition, New Jersey: Prentice-Hall.

Hymans, S.H., G. Ackley, e F. T. Juster. 1970. “Durable Spending: Explanation and Prediction.” Brookings Papers on Economic Activity 1970(2): 173-206.

Ipea. 2009. “Impactos da redução do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) de automóveis.” Nota Técnica 15, Diretoria de Estudos Macroeconômicos, Ipea, Brasília.

Ipeadata. s.d. “Base de dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.” Acesso em julho de 2020. http://www.ipeadata.gov.br/.

Islam, R., A. B. Ghani, B. Kusuma, e E. Hong. 2016. “An Analysis of Factors that Affecting the Number of Car Sales in Malaysia.” International Review of Management and Marketing 6(4): 872-882.

Johansen, S. 1988. “Statistical analysis on cointegration vectors.” Journal of Economic Dynamics and Control 12: 231-254.

Johnson, T.R. 1978. “Aggregation and the Demand for New and Used Automobiles.” The Review of Economic Studies 45(2): 311-327.

Kaya, A., G. Kaya, e F. Çebi. 2019. “Forecasting automobile sales in Turkey with artificial neural networks.” International

Journal of Business Analytics 6(4): 50-60.

Levinsohn, J. 1988. “Empirics of taxes on differentiated products: the case of tariffs in the U.S. automobile industry.” Em Trade policy issues and empirical analysis, 11-40. Chicago: University of Chicago Press.

Lima, R.J.C., e J. A. Dulci. 2021. “Trabalhando sem a FORD: política industrial e ação corporativa em São Bernardo do Campo.” Revista Brasileira de Ciências Sociais 36(107): 1-19.

Mankiw, N.G. 2015. Macroeconomia. 8ª Ed. Rio de Janeiro: LTC. 468p.

Mccarthy, P.S. 1996. “Market price and income elasticities of new vehicle demands.” The Review of Economics and Statistics 78(3): 543-547.

Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC. s.d. “Setor automotivo.” Acesso em julho de 2020. http://www.mdic.gov.br/index.php/competitividade-industrial/setor-automotivo.

Ministério da Economia - ME. s.d. “Novas alíquotas de IPI de automóveis estão em vigor desde 1º de janeiro.” Acesso em julho de 2020. https://receita.economia.gov.br/noticias/ascom/2015/janeiro/aliquotas-de-ipi-de-automoveis-a-partir-de-1o-de-janeiro.

Ministério da Saúde - MS. s.d. “COVID-19 - Painel Corona vírus/Brasil.” Acesso em janeiro de 2022. https://covid.saude.gov.br/.

Nawi, A., B. S. Ahmad, W. Mahmood, S. Nurathirah, e B. A. Hamid. 2013. “Determinants of passenger car sales in Malaysia.” World Applied Sciences Journal 23: 67-73.

Newey, W., e K. West. 1987. “A Simple Positive Semi-Definite, Heteroskedasticity and Autocorrelation Consistent Covariance Matrix.” Econometrica 55: 703–708.

Nicolay, R., e D. Jesus. 2019. “As elasticidades da demanda por veículos novos no Brasil: Uma análise considerando o preço dos veículos usados.” Revista Econômica 21(2): 33-49.

Nkoro, E., e A. K. Uko. 2016. “Autoregressive Distributed Lag (ARDL) cointegration technique: application and interpretation.” Journal of Statistical and Econometric Methods 5(4): 63-91.

Oxford Analytica. 2021. “Ford factory closures raise recovery fears in Brazil.” Emerald Expert Briefings. https://doi.org/10.1108/OXAN-ES258715

Pesaran, M.H., e Y. Shin. 1998. “An autoregressive distributed-lag modeling approach to cointegration analysis.” Symposium at the Centennial of Ragnar Frisch. 33p.

Pesaran, M.H., Y. Shin e R. J. Smith. 2001. “Bounds testing approaches to the analysis of level relationships.” Journal of applied Econometrics 16(1): 289-326.

Quatro-Rodas. s.d. “Revista Brasileira Especializada em Automóveis” Acesso em janeiro de 2021. https://quatrorodas.abril.com.br.

Santos, C.S. 2011. “Análise Setorial da Indústria Automobilística Brasileira sob a Ótica do Modelo Estrutura-Conduta-Desempenho (ECD).” 31º Encontro Nacional de Engenharia de Produção - ABEPRO, Belo Horizonte, 2011.

SIDRA/IBGE - Sistema IBGE de Recuperação Automática.2020a “Tabela 1419, Item 5102001 (veículo novo).” Acesso em julho de 2020a. https://sidra.ibge.gov.br/tabela/1419.

SIDRA/IBGE - Sistema IBGE de Recuperação Automática. 2020b. “Tabela 1100, Item 5102020 (veículo usado).” Acesso em julho de 2020b. https://sidra.ibge.gov.br/tabela/1100.

Silva, C.L. 2001. “Competitividade e estratégia empresarial: um estudo de caso da indústria automobilística brasileira na década de 1990.” Revista da FAE 4(1): 35-48.

Silva, L.B. 2018. “Estratégias operacionais da Nissan em Resende, RJ: tendências no contexto das cadeias globais de valor.” Dissertação de mestrado, PPGAD, UFF.

Silva, W.V. et al. 2008. “Análise do grau de concentração da indústria automobilística brasileira e sua relação com a participação no mercado.” Revista de Negócios 13(1): 93–107.

Sonaglio, C.M., e J. S. Flor. 2015. “Impactos da redução do imposto sobre bens industrializados nas vendas de veículos automotores.” Revista do CEPE 42: 63-79.

Souza, T. O. G., e R. B. Rego. 2016. “Produção de veículos no brasil em tempos de recessão econômica: uma análise da demanda.” Relatórios de Pesquisa em Engenharia de Produção 16(1): 135-150.

Torres, R. B. 2011. “A indústria automobilística brasileira: uma análise da cadeia de valor.” Dissertação de mestrado, PPGECO, UFSC.

Veríssimo, M.P., e V. M. Araújo. 2015. “Desempenho da indústria automobilística brasileira no período 2000-2012: uma análise sobre a hipótese de desindustrialização setorial.” Economia e Sociedade 24(1): 151-176.

White, H. A. 1980. “Heteroskedasticity-Consistent Covariance Matrix and a Direct Test for Heteroskedasticity.” Econometrica 48: 817–838.

Wilbert, M., A. Serrano R. Gonçalves, e L. Alves. 2014. “Redução do imposto sobre produtos industrializados e seu efeito sobre a venda de automóveis no Brasil: uma análise do período de 2006 a 2013.” Revista Contemporânea de Contabilidade11(24): 107-124.

Wooldridge, J.M. 2010. Introdução à Econometria: Uma Abordagem Moderna. 4ªEd. São Paulo: Cengage Learning.

Zivot, E., e J. Wang. 2006. Modeling financial time series with S-PLUS. 2nd Ed. NY: Springer. 998p.

Downloads

Publicado

2022-10-21

Edição

Seção

Artigo