Trade-off Custo-Qualidade na provisão de saneamento básico no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1980-53575243wocs

Palavras-chave:

Custo, Qualidade, Trade-off, Saneamento básico, Saúde, Dados em painel, Privatização, Governança, Municipios

Resumo

Este estudo investigou a hipótese de existência de um trade-off custo-qualidade na provisão de serviços de saneamento básico (abastecimento de água) nos municípios brasileiros, que poderia ser acentuado por provedores privados e atenuado por provedores híbridos. Para isso, foram realizadas estimações em painel com dados municipais de 2008 a 2019. Como proxies para a qualidade não contratável, foram considerados indicadores de morbidade hospitalar devido a doenças associadas ao saneamento. Já como provisão híbrida, foram consideradas as sociedades de economia mista e as empresas públicas. Os resultados sinalizaram a existência do trade-off custo-qualidade, com os provedores híbridos o atenuando, mas não sendo acentuados pelos provedores privados; ou seja, a privatização não potencializa o problema. Além disso, os resultados sugeriram que o trade-off está associado a provedores regionais. Portanto, as evidências encontradas indicam a importância de mecanismos, como a supervisão regulatória efetiva, que lidem com a resposta negativa da qualidade (saúde) a choques de custos independentemente da governança, dado que o trade-off custo-qualidade é observado em provedores públicos e híbridos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Welber Tomás de Oliveira, Universidade Federal de Uberlândia

Doutorando

Carlos César Santejo Saiani, Universidade Federal de Uberlândia.Instituto de Economia e Relações Internacionais

Professor

Referências

Ana. 2010. Atlas Brasil: abastecimento urbano de água. Brasília: Agência Nacional de Águas.

Ana. 2019. Conjuntura recursos hídricos Brasil 2019. Brasília: Agência Nacional de Águas.

Assaf Neto, A. 2012. Estruturas e Análise de Balanços - Um Enfoque Econômico-Financeiro. 10ª ed. São Paulo: Atlas.

Angrist, J. D. e J. S. Pischke. 2009. Mostly Harmless Econometrics: An Empiricist’s Companion. Princeton: Princeton University Press.

Baltagi, B. H. 2001. Econometric Analysis of Panel Data. Chichester: John Wiley & Sons.

Barat, J. 1998. “O financiamento da infraestrutura urbana: os impasses, as perspectivas institucionais, as perspectivas financeiras”. Infra-Estrutura: Perspectivas de Reorganização. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Bardhan, P. 2016. “State and development: The need for a reappraisal of the current literature”. Journal of Economic Literature, 54 (3): 862-892.

Barroso, L. R. 2002. “Saneamento básico: competências constitucionais da União, Estados e Municípios. Interesse Público, 4 (14).

Bittencourt, S. A., L. A. B. Camacho e M. C. Leal. 2006. “O sistema de Informação Hospitalar e sua aplicação na saúde coletiva”. Cadernos de Saúde Pública, 22 (1).

Brasil. 1995. “Lei Federal nº 8.987. Lei De Concessões”.

Brasil. 2005. “Lei Federal nº 11.107. Lei De Consórcios Públicos e Gestão Associada”.

Brasil. 2007. “Lei Federal n° 11.445. Lei Do Saneamento Básico”.

Brasil. 2013. “Decreto nº 8.141. Dispõe sobre o Plano Nacional de Saneamento Básico”.

Brasil. 2020. “Lei Federal Nº 14.026. Novo Marco Legal do Saneamento Básico”.

Briscoe, J. 1985. “Evaluating water supply and other health programs: short-run versus long-run mortality effects”. Public Health, 99 (3).

Briscoe, J. 1987. “Abastecimiento de agua y servicios de saneamiento: su función en la revolución de la supervivencia infanti”. Boletín de la Oficina Sanitaria Panamericana, 103.

Briscoe, J., R. G. Feachem e M. M. Rahaman. 1986. Evaluating Health Impact: Water Supply, Sanitation and Hygiene Education. Ottawa: International Development Research Centre.

Cabral, S., S. G. Lazzarini e P. F. Azevedo. 2010. “Private operation with public supervision: evidence of hybrid modes of governance in prisons”. Public Choice, 145 (1-2).

Cairncross, S. e R. G. Feachem. 1990. Environmental Health Engineering in the Tropics: An Introductory Text. Chichester: John Wiley & Sons.

Caldwell, J. C. 1990. “Cultural and social factors influencing mortality levels in developing countries”. Artigo dos anais da American Academy of Political and Social Science.

Costa, E. C. 2009. “Convênio de cooperação e contrato de programa – posicionamento acerca da necessidade de autorização legislativa para sua pactuação”. Revista do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais, 70 (1).

Costa, S. S., L. Heller, C. C. S. Brandão e E. A. Colosimo. 2005. “Indicadores epidemiológicos aplicáveis a estudos sobre a associação entre saneamento e saúde de base municipal”. Engenharia Sanitária Ambiental, 10 (2).

Cretella Júnior, J. 1987. “Esquemas privatísticos no direito administrativo”. Informação Legal, 24 (96).

Cvjetanovic, B. 1986. “Health effects and impact of water supply and sanitation”. World Health Statistics Quarterly, 39 (1).

Demuth, J., H. W. Friederiszick e S. Reinhold. 2018. “Reverse privatization as a reaction to the competitive environment: Evidence from solid waste collection in Germany”. ESMT Working Paper, 18 (2).

Di Pietro, M. S. Z. 2018. Direito Administrativo. 31ª ed. Rio de Janeiro: Forense.

Estache, A., V. Foster e Q. Wodon. 2002. “Accounting for poverty in infrastructure reform: learning from Latin

America’s experience”. World Bank Institute Development Studies.

Esrey, S. A., R. G. Feachem e J. M. Hughes. 1985. “Interventions for the control of diarrheal diseases among young children: improving water supplies and excreta disposal facilities”. Bulletin of the World Health Organization, 63 (4).

Esrey, S. A., J. B. Potash, L. Roberts e C. Shiff. 1990. “Health benefits from improvements in water supply and sanitation: survey and analysis of the literature on selected diseases”. Wash Technical Report, 66.

Freitas, R. M. S., J. J. Smiderle, S. A. Dias, R. M. Souza e C. Zidde. 2018. “Medindo o saneamento: potencialidades e limitações de dados brasileiros”. CERI, FGV.

Funasa. 2002. Textos de Epidemiologia para Vigilância Ambiental em Saúde. Brasília: Fundação Nacional de Saúde, Ministério da Saúde.

Galiani, S., P. Gertler e E. Schargrodsky. 2005. “Water for life: the impact of the privatization of water services on child mortality”. Journal of Political Economy, 113 (1).

Giuberti, A. C. 2005. “Efeitos da lei de responsabilidade fiscal sobre os gastos dos municípios brasileiros”. Tese de Doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo.

Greene, W. H. 1997. Econometric Analysis. 3ª ed. New Jersey: Prentice Hall.

Grossman, S. J. e O. D. Hart. 1986. “The costs and benefits of ownership: a theory of vertical and lateral integration”. Journal of Political Economy, 94 (4).

Hailu D., R. G. Osorio e R. Tsukada. 2012. “Privatization and renationalization: What went wrong in Bolivia’s water sector?”. World Development, 40 (12): 2564-2577.

Hart, O. D. 1988. “Incomplete contracts and the theory of the firm”. Journal of Law, Economics and Organization, 4 (1).

Hart, O., A. Shleifer e R. W. Vishny. 1997. “The proper scope of government: theory and an application to prisons”. Quarterly Journal of Economics, 112 (4).

Hausman, J. “Mismeasured variables in econometric analysis: problems from the right and problems from the left”. Journal of Economic Perspectives, 15 (4).

Hefetz, A. e M. Warner. 2004. “Privatization and its reverse: Explaining the dynamics of the government contracting process”. Journal of Public Administration Research and Theory, 14 (2): 171-190.

Heller, L. 1997. Saneamento e saúde. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde.

Heller, P. G. B. 2012. “Modelos de prestação dos serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário: uma avaliação comparativa do desempenho do conjunto de municípios brasileiros”. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos, Universidade Federal de Minas Gerais.

Hirschman, A. O. 1973. Saída, Voz e Lealdade – Reações ao Declínio de Firmas, Organizações e Estados”. São Paulo: Perspectiva.

Iudícibus, S. e J. C. Marion. 2010. Contabilidade Comercial: Atualizado Conforme a Lei nº 11.638/07 e Lei nº 11.941/09”. 11ª ed. São Paulo: Atlas.

Jouravlev, A. S. 2000. “Water utility regulation: issues and options for Latin America and the Caribbean”. Economic Commission for Latin America and the Caribbean.

Kishimoto, S., O. Petitjean e L. Steinfort. 2017. Reclaiming Public Services. How cities and citizens are turning back privatization. Amsterdam and Paris: Transnational Institute.

Laurenti, R., M. H. P. Mello-Jorge e S. L. D. Gotlieb. 2004. “A confiabilidade dos dados de mortalidade e morbidade por doenças crônicas não-transmissíveis”. Ciência & Saúde Coletiva, 9 (4).

Libânio, P. A. C., C. A. L. Chernicharo e N. O. Nascimento. 2005. “A dimensão da qualidade de água: avaliação da relação entre indicadores sociais, de disponibilidade hídrica, de saneamento e de saúde pública”. Engenharia Sanitária Ambiental, 10 (3).

Macedo, J. J. e E. C. Corbari. 2009. “Efeitos da Lei de Responsabilidade Fiscal no endividamento dos municípios brasileiros: uma análise de dados em painéis”. Revista Contabilidade & Finanças, 20 (51).

Makadok, R. e R. Coff. 2009. “Both market and hierarchy: an incentive-systems theory of hybrid governance forms”. Academy of Management Review, 34 (2).

Manni, S. R., N. Menezes Filho e B. K. Komatsu. 2017. “Crise e mercado de trabalho: uma comparação entre recessões”. Policy Paper nº 23, Insper.

Mara, D. D. e R. G. A. Feachem. 1999. “Water and excreta related diseases: unitary environmental classification”. Journal of Environmental Engineering, 125 (4).

Mathias, T. A. F. e M. L. M. S. Soboll. 1998. “Confiabilidade de diagnósticos nos formulários de autorização de internação hospitalar”. Revista de Saúde Pública, 32 (6).

McDonald, D. A. 2018. “Remunicipalization: The future of water services?”. Geoforum, 91.

Megginson, W. L. e J. M. Netter. 2001. “From state to market: a survey of empirical studies on privatization”. Journal of Economic Literature, 39 (2).

Mello-Jorge, M. H. P. 1983. “Sub-Registro dos eventos vitais”. Revista de Saúde Pública, 17 (2).

Ménard, C. 2004. “The economics of hybrid organizations”. Journal of Institutional and Theoretical Economics, 3 (160).

Ménard, C. e S. Saussier, S. 2000. “Contractual choice and performance: the case of water supply in France”. Revue d’Économie Industrielle, 92.

MPO e IPEA. 1995. Diagnóstico do setor de saneamento: estudo econômico e financeiro. Série Modernização do Setor Saneamento nº 7. Brasília: Ministério do Planejamento e Orçamento e Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Oates, W. E. 1972. Fiscal Federalism. New York: Harcourt Brace Jovanovich.

Oates, W. E. 1999. “An essay on fiscal federalism”. Journal of Economic Literature, 37 (3).

Okun, D. A. 1997. Regionalization of water management: a revolution in England and Wales. London: Applied Science Publishers.

Oreiro, J. L. 2017. “A grande recessão brasileira: diagnóstico e uma agenda política”. Estudos Avançados, 31 (89).

Oxley, H. e J. P. Martin. 1991. “Controlling government spending and deficit: trends in the 1980s and prospects for the 1990s”. OECD Economic Studies, 17.

Pethechust, E. e L. A. Blanchet. 2015. “O regime de execução das empresas estatais: entre serviço público e exploração de atividade econômica”. Revista de Direito Administrativo & Constitucional, 15 (59).

Picazo-Tadeo, A. J., F. González-Gómez, J. G. Wanden-Berghe e A. Ruiz-Villaverde. 2010. “Do ideological and political motives really matter in the public choice of local services management? Evidence from urban water services in Spain”. Public Choice, 151 (1).

Pires, J. M., M. Martins e I. C. Leite. 2016. “O arranjo público privado e a mortalidade hospitalar por fontes de pagamento”. Revista de Saúde Pública, 50.

Rezende, S., S. Wajnman, J. A. M. Carvalho e L. Heller. 2007. “Integrando oferta e demanda de serviços de saneamento: análise hierárquica do panorama urbano brasileiro no ano 2000”. Engenharia Sanitária e Ambiental, 12 (1).

Rocha, M. S. B., E. H. C. Mattos e C. C. S. Saiani. 2017. “Descentralização e provisão de serviços públicos: evidências a partir da criação dos municípios brasileiros no setor de saneamento básico”. Pesquisa e Planejamento Econômico, 47 (1).

Saiani, C. C. S. 2012. “Competição política faz bem à saúde? Evidências dos determinantes e dos efeitos da privatização dos serviços de saneamento básico no Brasil”. Tese de Doutorado, Escola de Economia de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas.

Saiani, C. C. S. e P. F. Azevedo. 2018. “Is privatization of sanitation services good for health?”. Utilities Policy, 52.

Santos, P. L., E. B. Vieira, C. C. S. Saiani e C. R. L. Piorski. 2021. “Conscientização e serviços ambientalmente adequados: evidências para acesso a saneamento no Brasil”. Revista Iberoamericana de Economía Ecológica, 34 (1).

Savedoff, W. e P. Spiller. 1999. Spilled water, institutional commitment in the provision of water services. Inter-American Development Bank.

Scriptore, J. S., C. R. Azzoni e N. Menezes Filho. 2015. “Saneamento básico e indicadores educacionais no Brasil”. Working Paper Series, nº 2015-28, FEA-USP.

Shafik, N. e S. Bandyopadhyay. 1992. “Economic growth and environmental quality: time series and cross-country evidence”. Working Papers Series, nº 904, World Bank.

Shleifer, A. 1998. “State versus private ownership”. Journal of Economic Perspectives, 12 (4).

Shleifer, A., e R. W. Vishny. 1994. “Politicians and firms”. Quarterly Journal of Economics, 109 (4).

Silva, F. R., A. C. Cançado, W. Rodrigues e W. L. Batista. 2017. “Controle social: a dinâmica da Teoria da Saída, Voz e Lealdade no contexto da administração pública”. Emancipação, 17 (1): 108-125.

SNIS. 2020. Diagnóstico dos Serviços de Água e Esgoto. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Regional.

Sousa, M. C. S., P. L. C. P. Araújo e M. E. Tannuri-Pianto. 2012. “Residual and technical tax efficiency scores for Brazilian municipalities: a two-stage approach”. Estudos Econômicos, 42 (1).

Souza, I. V., M. Nishijima e F. Rocha. 2010. “Eficiência do setor hospitalar nos municípios paulistas”. Economia Aplicada, 14 (1).

Souto, M. J. V. e R. V. Freitas. 2010. “Prestação de serviços de saneamento básico: contratos de programa”. Em Gestão do Saneamento Básico – Abastecimento de água e esgotamento sanitário, editado por A. Philippi Júnior e A. C. G. Galvão Júnior. Barueri: Manole.

Szwarcwald, C. L., M. C. Leal, C. L. T. Andrade e P. R. B. Souza Júnior. 2002. “Estimação da mortalidade infantil no Brasil: o que dizem as informações sobre óbitos e nascimentos do Ministério da Saúde?”. Cadernos de Saúde Pública, 18 (6).

Tácito, C. 1995. “O retorno do pêndulo: serviço público e empresa privada. O exemplo brasileiro”. Revista de Direito Administrativo, 202.

Tan, J. 2012. “The pitfalls of water privatization: failure and reform in Malaysia”. World Development, 40 (12): 2552-2563.

Teixeira, L. I. 2011. “Evidências empíricas das políticas de saneamento básico sobre indicadores de saúde para municípios brasileiros”. Dissertação de Mestrado, Escola de Economia de São Paulo, Fundação Getúlio Vargas.

Tiebout, C. 1956. “A pure theory of local expenditures”. Journal of Political Economy, 64 (5)..

Tupper, H. C. e M. Resende. 2004. “Efficiency and regulatory issues in the Brazilian water and sewage sector: an empirical study”. Utilities Policy, 12.

Turolla, F. A. 2002. “Política de saneamento básico: avanços recentes e opções futuras de políticas públicas”. Textos para Discussão, nº 992, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada.

Veras, C. M. T. e M. S. Martins. 1994. “A confiabilidade dos dados nos formulários de autorização de internação hospitalar (AIH)”. Cadernos de Saúde Pública, 10.

Victora, C. G., P. R. Grassi, P. R. e A. M. Schmidt. 1994. “Situação de saúde da criança em área da região sul do Brasil, 1980-1992: tendências temporais e distribuição espacial”. Revista de Saúde Pública, 6 (28).

Wang, L. 2003. “Determinants of child mortality in LDCs: empirical findings from demographic and health surveys”. Health Policy, 65 (3)..

Wennemo, I. 1993. “Infant mortality, public policy and inequality – a comparison of 18 industrialized countries”. Sociology of Health & Illness, 15 (4).

Williamson, O. E. 1999. “Public and private bureaucracies: a transaction cost economics perspective”. Journal of Law, Economics, and Organization, 15 (1).

Downloads

Publicado

2022-12-23

Edição

Seção

Artigo