Persistência e volatilidade do gap da inflação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1980-53575245sng

Palavras-chave:

Política monetária, Tendência inflacionária, Gap da inflação

Resumo

Neste artigo, estimamos uma tendência para a inflação brasileira com a finalidade de apresentar uma medida alternativa de inflação de longo prazo e trazer um novo complemento aos tradicionais núcleos de inflação. Além da análise econômica do comportamento dessa estimativa, aplica-se uma avaliação de capacidade preditiva em pseudo tempo real. A obtenção da tendência também permitiu verificarmos a dinâmica da persistência e da volatilidade do gap da inflação durante o atual regime monetário. No período em análise, os resultados revelam-se correlacionados com a conjuntura brasileira, com contribuições positivas da tendência no processo preditivo da inflação. Ainda, eles mostram uma resistência de convergência da taxa de inflação aos níveis preestabelecidos pelo CMN, diante de um considerável nível de persistência do gap da inflação. Já a volatilidade do gap corrobora e identifica ao mesmo tempo as grandes oscilações presentes no cenário econômico doméstico e externo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sidney Caetano, Universidade Federal de Juiz de Fora

Professor

Nelson da Silva, Banco Central do Brasil

Analista

Guilherme Valle Moura, Universidade Federal de Santa Catarina

Professor

Referências

Ascari, Guido e Argia M. Sbordone. 2014. “The macroeconomics of trend inflation”. Journal of Economic Literature 52 (3): 679-739.

Banco Central do Brasil. 2002. “Carta Aberta ao Ministro de Estado da Fazenda”. 21 de janeiro de 2003. Acesso em março de 2021. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/content/controleinflacao/controleinflacao_docs/carta_aberta/carta2002.pdf

Banco Central do Brasil. 2003. “Carta Aberta ao Ministro de Estado da Fazenda”. 19 de fevereiro de 2004. Acesso em março de 2021. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/content/controleinflacao/controleinflacao_docs/carta_aberta/carta2003.pdf

Banco Central do Brasil. 2015. “Carta Aberta ao Ministro de Estado da Fazenda”. 08 de janeiro de 2016. Acesso em março de 2021. Disponível em: https://www.bcb.gov.br/content/controleinflacao/controleinflacao_docs/carta_aberta/carta2015.pdf

Bermingham, Colin. 2010. “A critical assessment of existing estimates of us core inflation”. Journal of Macroeconomics

(4): 993-1007.

Beveridge, Stephen e Charles R. Nelson. 1981. “A new approach to decomposition of economic time series into permanent and transitory components with particular attention to measurement of the ‘business cycle’”. Journal of Monetary Economics 7 (2): 151-174.

Chan, Joshua e Rodney Strachan. 2012. “Estimation in Non-Linear Non-Gaussian State Space Models with Precision-Based Methods”. CAMA Working Paper Series. Centre for Applied Macroeconomic Analysis, Australian National University. Março. https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=2025754.

Chan, Joshua, Gary Koop e Simon M. Potter. 2013. “A new model of trend inflation”. Journal of Business and Economic Statistics 31 (1): 94-106.

Cogley, Timothy, Giorgio E. Primiceri e Thomas J. Sargent. 2010. “Inflation-gap persistence in the US”. American Economic Journal: Macroeconomics 2 (1): 43-69.

Cogley, Timothy e Thomas J. Sargent. 2005. “Drift and volatilities: Monetary policies and outcomes in the post WWII US”. Review of Economic Dynamics 8 (2): 262-302.

Faust, Jon e Jonathan Wright. 2013. “Forecasting inflation” In Handbook of Economic Forecasting, Volume 2A, editado por Graham Elliott e Allan Timmermann, 2-56. Amsterdam: North Holland..

Federal Reserve Bank of Cleveland. s.d. “Why Does the Fed Care about Inflation?”. Acesso em março de 2021.

https://www.clevelandfed.org/en/our-research/center-for-inflation-research/inflation-101/why-does-the-fed-care-get-technical.aspx.

Ferreira, Pedro Costa, Daiane M. de Mattos e Vagner L. Ardeo. 2017. “Triple-filter core inflation: a measure of the inflation trajectory”. Revista Brasileira de Economia 71 (4): 397-411.

Ferreira, Pedro Costa, Ingrid C. L. de Oliveira, Lucas F. Lima e Anna C. S. Barros. 2017. “Medindo a incerteza econômica no Brasil”. Textos Para Discussão. IBRE. Junho.

Harvey, David, Stephen Leybourne e Paul Newbold. 1997. “Testing the equality of prediction mean squared errors” International Journal of Forecasting 13 (2): 281-291.

Ireland, Peter. N. 2007. “Changes in the federal reserve’s inflation target: Causes and consequences”. Journal of Money, Credit and Banking 39 (8): 1851-1882.

Khan, Mikael, Louis Morel e Patrick Sabourin. 2015. “A comprehensive evaluation of measures of core inflation for Canada.”. Discussion Paper. Bank of Canada. Dezembro.

Koop, Gary e Simon M. Potter. 2007. “Estimation and forecasting in models with multiple breaks”. Review of Economic Studies 74 (3): 763-789.

Laurini, Márcio P. 2013. “A dynamic econometric model for inflationary inertia in Brazil.” Journal of Statistical and Econometric Methods 2 (2): 51-83.

Machado, Vicente da Gama e Marcelo S. Portugal. 2014. “Measuring inflation persistence in Brazil using a multivariate model”. Revista Brasileira de Economia 68 (2): 225-241.

Nolazco, Jose Luís, Pablo Pincheira e Jorge Selaive. 2016. “The evasive predictive ability of core inflation”. Working Paper. BBVA Bank, Economic Research Department. Janeiro.

Oliveira, Fernando N. de e Myrian Petrassi. 2014. “Is inflation persistence over?”. Revista Brasileira de Economia 68 (3): 393 422.

Pastore, Affonso Celso, Marcelo Gazzano e Maria Cristina Pinotti. 2015. “A crise internacional e a mudança na política econômica”. In Inflação e crises: o papel da moeda, editado por Affonso Celso Pastore. Rio de Janeiro: Elsevier.

Resende, André Lara. 1985. “A moeda indexada: uma proposta para eliminar a inflação inercial”. Brazilian Journal of Political Economy 5 (2): 130-134.

Santos, Cristiano e Ivan Castelar. 2016. “Avaliando as medidas de núcleo da inflação no Brasil”. Economia Aplicada 20 (1): 35-56.

Silva Filho, Tito N. T. e Francisco M. R. Figueiredo. 2011. “Has core inflation been doing a good job in Brazil?”. Revista Brasileira de Economia 65 (2): 207-233.

Silva Filho, Tito N. T. e Francisco M. R. Figueiredo. 2014. “Revisitando as Medidas de Núcleo de Inflação do Banco Central do Brasil”. Texto Para Discussão. Banco Central do Brasil. Maio.

Simonsen, Mario Henrique. 1995. “30 Anos de Indexação”. Rio de Janeiro: Editora FGV

Stock, James H. e Mark W. Watson. 2007. “Why has U.S. inflation become harder to forecast?”. Journal of Money, Credit and Banking 39 (1): 3-33.

Stock, James H. e Mark W. Watson. 2010. “Modeling inflation after the crisis” Artigo apresentado no simpósio Economic Policy Symposium, do Federal Reserve Bank of Kansas City, “Macroeconomic Policy: Post-Crisis and Risks Ahead”, Jackson Hole, Wyoming, August 26-28.

Downloads

Publicado

2022-12-23

Edição

Seção

Artigo

Dados de financiamento