Diferencial de rendimentos e desigualdades intragrupo para os músicos atuantes em Belo Horizonte

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1980-53575344jam

Palavras-chave:

Diferencial de rendimento, Desigualdades intragrupo, Survey

Resumo

Uma das características marcantes no campo de trabalho artístico é o diferencial de rendimentos e suas desigualdades. Como o campo é muito heterogêneo, este artigo pretende verificar se os diferenciais e desigualdades retratados pela literatura ocorrem para os músicos atuantes em Belo Horizonte. Para tanto, nos meses de fevereiro, março e abril de 2020, foi realizada uma pesquisa para a coleta de dados primários a fim de responder estas questões, a partir da aplicação econométrica e estatística. As aplicações sugerem que a hipótese de não linearidade entre o nível de instrução e rendimentos não pode ser rejeitada, e as características pessoais não se mostraram significativas nesta análise. Em relação às desigualdades intragrupo, constata-se que os maiores índices ocorrem em alguns grupos específicos, como os de músicos com dedicação exclusiva, na faixa etária de 30 a 36 anos e graduados no ensino superior em música.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jonas da Silva Henrique, Universidade Federal de Minas Gerais

Prrofessor Substituto

Ana Flávia Machado, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora Titular

Mariangela Furlan Antigo, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora Associada

Referências

Alacovska, A., e Gill, R. 2019. “De-westernizing creative labour studies: The informality of creative work from an ex-centric perspective.” International Journal of Cultural Studies 22(2), 195-212.

Alper, N. O., e Wassall, G. H. 2006. “Artists’ careers and their labor markets.” Handbook of the Economics of Art and Culture 1, 813-864.

Alves, V. A. 2018. A relação do musico com o trabalho: quando o trabalho do musico passa de trabalho improdutível para trabalho produtível em Belo Horizonte. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação: Conhecimento e Inclusão Social em Educação, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, p. 166.

Baumol, W. J.; Bowen, W. G. 1966 Performing Arts, the Economic Dilemma: A Study of Problems Common to Theatre, Opera, Music and Dance. [S.l.]: MIT Press

Benhamou, F. 2007 A Economia da Cultura, Editora Ateliê

Bille, T., e Jensen, S. 2018. “Artistic education matters: survival in the arts occupations.” Journal of Cultural Economics 42(1), 23-43.

Bourdieu P. 1994 Distinction: a social critique of the judgement of taste [1979]. 6. ed. London: Routledge, 613 p

Campbell, M. 2020. “‘Shit is hard, yo’: Young people making a living in the creative industries.” International Journal of Cultural Policy 26(4), 524-543.

Chung, K. H., e Cox, R. A. 1994. “A stochastic model of superstardom: An application of the Yule distribution.” The Review of Economics and Statistics, 771-775.

Coulangeon, P., Ravet, H., e Roharik, I. 2005. “Gender differentiated effect of time in performing arts professions: Musicians, actors and dancers in contemporary France.” Poetics 33(5-6), 369-387.

Cox, D. R., e Snell, E. J. 1968. “A general definition of residuals.” Journal of the Royal Statistical Society: Series B (Methodological) 30(2), 248-265.

De Medeiros, J. M.; De Souza Machado, L. R. 2015. O Potencial musical de Belo Horizonte como motor de uma estratégia de desenvolvimento local. PER MUSI: Revista Acadêmica de Música, n. 31.

Eikhof, D. R., e Warhurst, C. 2013. “The promised land? Why social inequalities are systemic in the creative industries.” Employee Relations 35(4).

Florida, R. 2002. The Rise of the Creative Class. And how it’s transforming work, leisure and everyday life, Basic Books.

Fundação João Pinheiro. 2010. Diagnóstico da cadeia produtiva da música em Belo Horizonte / Fundação João Pinheiro. Centro de Estudos de Políticas Públicas – Belo Horizonte, 185p.

Haak, C. 2005. “Künstler zwischen selbständiger und abhängiger Erwerbsarbeit.” Wissenschaftszentrum Berlin für Sozialforschung (WZB). Discussion Paper 2005-107

Heilbrun, J. Baumol’s cost disease.2011 In: TOWSE, R. (Ed.). A Handbook of Cultural Economics. 2. ed. UK: Edward Elgar Publishing, p. 67–75.

Hennekam, S., Bennett, D. 2017. “Creative industries work across multiple contexts: common themes and challenges.” Personnel Review 46 (1), 68-85.

Herscovici, A. 1995. Economia da Cultura e da Comunicação, EDUFES.

Hoffmann, R. 2004. “Decomposition of Mehran and Piesch inequality measures by factor components and their

application to the distribution of per capita household income in Brazil.” Brazilian Review of Econometrics 24(1), 149-171.

Hoffmann, R., e Duarte, J. C. 1972. “A distribuição da renda no Brasil.” Revista de administração de empresas 12(2), 46-66.

Machado, A. F. (Org.); Leitão, C (Org.). 2016. Por um Brasil Criativo: significados, desafios e perspectivas da Economia Criativa brasileira. 1. ed. Belo Horizonte: Código Editora, v. 1. 384p.

Marqueze, E. C., e Moreno, C. R. D. C. 2009. “Satisfação no trabalho e capacidade para o trabalho entre docentes universitários”. Psicologia em estudo 14(1), 75-82.

Martinez, M. C. 2002. “As relações entre a satisfação com aspectos psicossociais no trabalho e a saúde do trabalhador.”, Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Saúde Pública, Departamento de Saúde Ambiental, Faculdade de Saúde Pública, Universidade de São Paulo. Disponível: https://www.researchgate.net/profile/MariaMartinez7/publication/34734425_As_relacoes_entre_a_satisfacao_com_aspectos_psicossociais_

no_trabalho_e_a_saude_do_trabalhador/links/5593e9da08ae5af2b0ecd152/As-relacoes-entre-a-satisfacao-

-com-aspectos-psicossociais-no-trabalho-e-a-saude-do-trabalhador.pdf Acesso em 11 de fevereiro de 2022.

Martins, B. V. 2009. Som imaginário – A reinvenção da cidade nas canções do Clube da Esquina. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, 156p.

McLain, J. J. 1978. “The income of visual artists in New Orleans.” Journal of Cultural Economics, 63-76.

Menger, P. M. 1999. “Artistic labor markets and careers.” Annual review of sociology 25(1), 541-574.

Menger, P. M. 2006. “Artistic labor markets: Contingent work, excess supply and occupational risk management.”

Handbook of the Economics of Art and Culture 1, 765-811.

Michel, R. C. 2018. Música, Redes e Tecnologia na Periferia: Um Estudo Acerca dos Impactos Tecnológicos na Produção De Rap Na Zona Sul De São Paulo. 196 f. 2018. Tese (Doutorado em Economia) - Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional – CEDEPLAR, Belo Horizonte. Disponível em: < https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/32037/1/tese_final_rcm.pdf> Acesso em: 16 de maio de 2023.

Mincer, J. 1974. Schooling, experience and earnings. New York: National Bureau of Economic Research, Columbia University, 152p.

O’Brien, D.; LAURISON, D.; MILES, A.; FRIEDMAN, S. 2016. Are the creative industries meritocratic? An analysis of the 2014 British Labour Force Survey. Cultural Trends, v. 25, n. 2, p. 116-131.

Porta, P. 2008. Economia da cultura: um setor estratégico para o país. Prodec/MinC. Disponível em:http://thacker.diraol.eng.br/mirrors/www.cultura.gov.br/site/wpcontent/uploads/2008/04/texto-sobre-o-prodec-paula-porta.pdf> Acesso em: 16 de maio de 2023.

Robertson, I. T.; Cooper, C. L.; Willians, J. 1990. The validity of the occupational stress indicator. Work & Stress, v. 4, n. 1, p. 29-39.

Robinson, M. D.; Montgomery, S. S. 2000. The time allocation and earnings of artists. Industrial Relations: A Journal of Economy and Society, v. 39, n. 3, p. 525-534.

Rosen, S. 1981. “The economics of superstars.” The American economic review 71(5), 845-858.

Snooks, G. D. 1983. “Determinants of earnings inequality amongst Australian artists.” Australian Economic Papers 22(41), 322-332.

Steiner, L., e Schneider, L. 2013. “The happy artist: an empirical application of the work-preference model.” Journal of Cultural Economics 37(2), 225-246.

Swan, J. A., De Moraes, L. F. R., e Cooper, C. L. 1993. “Developing the occupational stress indicator OSI) for use in Brazil: a report on the reliability and validity of the translated OSI.” Stress Medicine 9(4), 247-253.

Throsby, D. 1994. “A work-preference model of artist behaviour.” In Cultural economics and cultural policies. Kluwer Academic, Dordrecht, 69-80.

Throsby, D. 2001. Economics and Culture. Cambridge University Press.

Towse, R. 2006. “Human capital and artists’ labour markets.” Handbook of the Economics of Art and Culture 1, 865-894.

Wassall, G. H., e Alper, N. O. 1992. “Toward a Unified Theory of the Determinants of the Earnings of Artists.” In Cultural economics. Springer, Berlin, Heidelberg, 187-200.

Downloads

Publicado

2023-12-19

Edição

Seção

Artigo