Parâmetros tributários da economia brasileira

Autores

  • Nelson Leitão Paes Secretaria da Receita Federal
  • Noemi Sataka Bugarin Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-41612006000400002

Palavras-chave:

impostos, incidência, tributação das famílias

Resumo

O presente estudo calcula as alíquotas tributárias efetivas, pagas pelas famílias, que incidem sobre a renda do capital, a renda do trabalho e o consumo. As famílias foram divididas em 10 grupos de acordo com a renda e com a cesta de consumo dada pela Pesquisa de Orçamentos Familiares - POF, 2002/2003, do IBGE. Os resultados indicam uma certa progressividade na tributação sobre a renda do trabalho, mas em relação aos tributos indiretos as alíquotas efetivas são quase idênticas entre as famílias. Portanto, a análise evidencia a possibilidade de grandes simplificações na estrutura da tributação indireta com neutralidade em relação à carga suportada pelas diversas famílias.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Altig, D.; Auerbach, A. J.; Kotlikoff, L.; Smetters, K.; Walliser, J. Simulating U.S.

tax reform. NBER Working Paper No. 6248 , out. 1997.

Araújo, C. H. V.; Ferreira, P. C. Reforma tributária, efeitos alocativos e impactos de bem-estar. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 53, n. 2, 1999.

Auerbach, A. J.; Kotlikoff, L. J. Dynamic fiscal policy. Cambridge University Press, 1987.

Banco Central do Brasil. Boletim do Banco Central do Brasil - Relatório Anual 2002.

Brasília, 2003. Disponível em: (http://www.bcb.gov.br/?BOLETIM2002).

Ellery Jr., R.; Gomes, V.; Sachsida, A. Business cycle fluctuations in Brazil. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 56, n. 2, 2002.

Gonzaga, G.; Machado, A. F.; Machado, D. Horas de trabalho: efeitos idade, período

e corte. PUC-RJ, Rio de Janeiro, maio 2003 (Texto para Discussão 473).

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2000. Rio de Janeiro, 2003.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Contas Nacionais 2000-2002. Rio de Janeiro, 2003.

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa de Orçamentos Familiares 2002/2003. Rio de Janeiro, 2004.

Kanckzuk, F. Juros reais e ciclos reais brasileiros. Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 56, n. 2, 2002.

Morandi, L.; Reis, E. J. Estoque de capital fixo no Brasil 1950-2001. Seminário de Pesquisa EPGE, jan. 2005.

Paes, N. L. Reforma tributária: aspectos distributivos e de bem-estar. 2004. Tese

(Doutorado em Economia) – Universidade de Brasília – UnB, Brasília.

SRF – Secretaria da Receita Federal. Progressividade no consumo – tributação cumulativa

e sobre o valor agregado. Brasília: SRF, 2002 (Estudo Tributário, 4).

SRF – Secretaria da Receita Federal. Carga tributária no Brasil 2002. Brasília: SRF, 2003 (Estudo Tributário, 11).

Siqueira, R.; Nogueira, J.; Souza, E. Os impostos sobre o consumo no Brasil são

regressivos? Economia Aplicada, São Paulo, FEA-USP, v. 4, n. 4, p. 705-722, out./dez. 2000.

Siqueira, R.; Nogueira, J.; Souza, E. A incidência final dos impostos indiretos no Brasil: efeitos da tributação

de insumos. Revista Brasileira de Economia. Rio de Janeiro, FGV, v. 55, n. 4, jan/mar. 2001.

Siqueira, R.; Barbosa, A. L. N. H. Imposto ótimo sobre o consumo: resenha da teoria

e uma aplicação ao caso brasileiro. Rio de Janeiro: IPEA, 2001 (Texto para Discussão, 811).

Sousa, M. C. Sampaio de. Tributação indireta no Brasil: eficiência versus equidade.

Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, FGV, v. 50, n. 1, jan/mar. 1996.

Downloads

Publicado

2006-12-01

Edição

Seção

Não definida