Causalidade entre crédito bancário e nível de atividade econômica na região metropolitana de São Paulo: algumas evidências empíricas

Autores

  • Daniel Reichstul USP; FEA; IPE
  • Gilberto Tadeu Lima Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-41612006000400005

Palavras-chave:

desenvolvimento financeiro local, crédito bancário, atividade econômica

Resumo

Este artigo contribui para o entendimento da causalidade entre crédito bancário e atividade econômica na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). Questões têm sido levantadas quanto à direção da causalidade, à Granger, prevalecente em economias nacionais, e uma ênfase local ainda não contemplada na literatura é dada aqui. Analisa-se a relação entre diferentes modalidades de crédito bancário e um indicador de atividade econômica na RMSP entre janeiro de 1992 e dezembro de 2003, com um modelo de Vetores Auto-regressivos bivariado tendo detectado uma causalidade bidirecional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alexandre, M.; Biderman, C.; Lima, G. T. Distribuição regional do crédito bancário

e convergência no crescimento estadual brasileiro. Anais do XXXII Encontro

Nacional de Economia, João Pessoa: ANPEC, dez. 2004.

Alexandre, M.; Lima, G. T.; Canuto, O. Distribuição espacial da atividade bancária no Brasil: dimensões e indicadores. Revista Nova Economia, Belo Horizonte, v. 15, n. 1, p. 11-33, jan.-abr. 2005.

Azzoni, C. R. Indústria e reversão da polarização no Brasil. IPE/USP, 1986. (Mimeografado).

Castro, C. B. Moeda e espaço: os casos das áreas metropolitanas de São Paulo, Rio de

Janeiro, Belo Horizonte, Curitiba, Salvador e suas áreas de polarização. 2002. Dissertação (Mestrado), CEDEPLAR, UFMG. Belo Horizonte.

Chick, V.; Dow, S. C. A post-keynesian perspective on the relation between banking

and regional development. In: Arestis, P. (ed.), Post-keynesian monetary economics:

new approaches to financial modelling. Aldershot: Edward Elgar, 1988, p.219-250.

Diniz, C. C. Desenvolvimento poligonal no Brasil: nem desconcentração nem

contínua polarização. Revista Nova Economia, Belo Horizonte, v. 3, n. 1, p. 35-64, 1993.

Dow, S. C. European monetary integration and the distribution of credit availability.

In: Corbridge, Stuart; Thrift, Nigel; Martin, Ron (eds.), Money, power and space. Oxford: Blackwell, 1994, p. 149-164.

Guiso, L.; Sapienza, P.; Zingales, L. Does local financial development matter? CEPR

Discussion Papers 3307, 2002.

Granger, C. W. J. Investigating causal relations by econometric models and crossspectral

methods. Econometrica, 37, p. 424-438, 1969.

Hirschman, A. O. The strategy of economic development. New Haven: Yale University, 1958.

Jayaratne, J.; Strahan, P. E. The finance-growth nexus: evidence form bank branch

deregulation. Quarterly Journal of Economics, 111, p. 639-70, ago. 1996.

Kaldor, N. The case for regional policies. Scottish Journal of Political Economy, v. 17,

n. 3, p. 337-348, 1970.

Levine, R. Financial development and economic growth: views and agenda. Journal of Economic Literature, XXXV, p. 688-726, 1997.

Lima, G. T. Evolução recente da regulação bancária no Brasil. In: Sobreira, R. (org.),

Regulação financeira e supervisão bancária. São Paulo: Editora Atlas, 2005.

Marques Jr., T. E.; Porto Jr., S. Desenvolvimento financeiro e crescimento econômico

no Brasil – Uma avaliação econométrica. PPGE-UFRGS, 2003. (Mimeografado).

Martin, R.; Minns, R. Undermining the financial basis of regions: the spatial structure

and implications of the UK pension funds system. Regional Studies, 29, p.125-44, 1995.

Matos, O. C. de. Desenvolvimento do sistema financeiro e crescimento econômico

no Brasil: evidências de causalidade. Brasília, Trabalhos para Discussão do Bacen, 49. Set/2002.

Mishkin, F. S. Financial consolidation: dangers and opportunities. NBER Working Paper, n. 6655, 1998.

Myrdal, G. Economic theory and under-developed regions. London: Gerald Duckworth, 1957.

Pacheco, C. A. A questão regional brasileira pós 1980: desconcentração econômica e

fragmentação da economia nacional. 1996. Tese (Doutorado), UNICAMP, Campinas.

Perroux, F. A economia do século XX. Lisboa: Herder, 1967.

Sicsú, J.; Crocco, M. Em busca de uma teoria da localização das agências bancárias:

algumas evidências do caso brasileiro. Economia, v. 4, n. 1, jan./jun. 2003.

Silva, T. L.; Neto, P. M. J. Economia de escala nos bancos brasileiros após o Plano

Real. Texto para Discussão 227. Fortaleza: CAEN–UFC, julho de 2001.

Singer, P. Desenvolvimento econômico e evolução urbana. São Paulo: Editora Nacional, 1968.

Sobrinho, N. F. S. Uma avaliação do canal de crédito no Brasil. 2002. Dissertação (Mestrado), FEA-IPE/USP, São Paulo.

Tinoco, A. C. Competitividade, inovação e localização: repensando o conceito de centralidade

da região metropolitana de São Paulo. 2001. Dissertação (Mestrado), CEDEPLAR-UFMG, Belo Horizonte.

Townroe, P. M.; Keen, D. Polarization reversal in the state of São Paulo. Regional Studies, v. 18, n. 1, 1984.

Vasconcelos, M. et alii. O todo e as partes: uma análise da desigualdade de crédito entre os estados brasileiros e os determinantes do crédito bancário com a aplicação de dados em painel. Anais do XXXI Encontro Nacional de Economia, ANPEC, 2003.

Zimmerman, G. C. Implementing the single banking market in Europe. Federal Reserve Bank of San Francisco Economic Review, p. 35-51, 1995.

Downloads

Publicado

2006-12-01

Edição

Seção

Não definida