O mercado de trabalho brasileiro é segmentado? Alterações no perfil da informalidade e nos diferenciais de salários nas décadas de 1980 e 1990

Autores

  • Andréa Zaitune Curi Universidade de São Paulo
  • Naércio Aquino Menezes-Filho Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-41612006000400008

Palavras-chave:

mercado de trabalho, segmentação, transição, carteira de trabalho, mercado formal e informal

Resumo

Neste artigo examinamos o comportamento do mercado de trabalho formal e informal no Brasil nas últimas duas décadas, utilizando dados longitudinais da Pesquisa Mensal de Emprego para 6 regiões metropolitanas no Brasil. Os resultados mostram que a redução da formalidade no Brasil decorreu, principalmente, do aumento das transições do setor formal para o informal e devido à redução da taxa de saída do desemprego para o setor formal, que ocorreu principalmente entre os mais escolarizados vivendo na região metropolitana de São Paulo e que estavam desempregados há mais de três meses. Além disto, os resultados mostram que a rotatividade entre o setor informal e formal é bastante elevada e que a probabilidade de saída do desemprego ou do setor informal diminui com o tempo de permanência na situação inicial. O diferencial de salários entre o setor formal e o informal, após o controle pelas características não-observáveis dos trabalhadores, era de apenas 10% na década de 1980 e declinou para cerca de 5% na década de 1990. Isto indica que a segmentação no mercado de trabalho brasileiro é muito baixa, o que o aproxima de um mercado competitivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barros, R. P. de; Sedlacek, G. L.; Varanda, S. Segmentação e mobilidade no mercado de trabalho: a carteira de trabalho em São Paulo. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 20, n. 1, p. 87-104, 1990.

Camargo, J.; Gonzaga, G.; Menezes-Filho, N. Os efeitos da redução da jornada de

trabalho de 48 para 44 horas semanais em 1988. Revista Brasileira de Economia, v. 57, n. 3, 2003.

Carneiro, F.; Henley, A. Modeling formal vs informal employment and earnings: microeconomic evidence from Brazil. Anais do XXIX Encontro Nacional de Economia, 2001.

Gonzaga, G.; Menezes-Filho, N.; Terra, C. Trade liberalization and the evolution of

skill earnings differentials in Brasil. Journal of International Economics, forthcoming.

Greene, W. H. Econometrics analysis. Upper Saddle River, N. J: Prentice Hall, 2000.

Menezes-Filho, N.; Mendes, M.; Almeida, E. O diferencial de salários formal-informal

no Brasil: segmentação ou viés de seleção? Revista Brasileira de Economia,

v. 58, n. 2, 2004.

Neri, M.; Coelho, D.; Ancora, M.; Pinto, A. Aspectos dinâmicos do desemprego e da

posição na ocupação. Estudos Econômicos, v. 27, n. especial, p. 137-159, 1997.

Scorzafave, L.; Menezes-Filho, N. A participação feminina no mercado de trabalho

brasileiro: evolução e determinantes. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 31,

n. 3, p. 441-78, 2001.

Soares, F. Do informal workers queue for formal jobs in Brazil? Texto para Discussão n. 1021, IPEA, 2004.

Tannuri-Pianto, M.; Pianto, D. Informal employment in Brazil: a choice at the top and segmentation at the bottom – a quantile regression approach. UNB, 2002. Mimeografado.

Ulyssea, G. Informalidade no mercado de trabalho brasileiro: uma resenha da literatura.

Texto para Discussão n. 1070, IPEA, 2005.

Downloads

Publicado

2006-12-01

Edição

Seção

Não definida