Impactos dos subsídios agrícolas dos Estados Unidos na expansão do agronegócio brasileiro

Autores

  • Adelson Martins Figueiredo Universidade Federal de São Carlos. Campus Sorocaba
  • Maurinho Luiz dos Santos Universidade Federal de Viçosa. Departamento de Economia Rural
  • Maria Aparecida Silva Oliveira Universidade Federal de São Carlos. Campus Sorocaba
  • Antônio Carvalho Campos Universidade Federal de Viçosa. Departamento de Economia Rural

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-41612010000200007

Palavras-chave:

subsídios agrícolas, EUA, agronegócio, Brasil

Resumo

Nos fóruns de negociações multilaterais da Organização Mundial de Comércio subsiste veemente debate com intuito de eliminar as subvenções agrícolas nos países desenvolvidos. Contudo, os Estados Unidos têm aumentado o volume desses subsídios, causando distorções no comércio agrícola mundial. Assim, o objetivo desta pesquisa foi avaliar os impactos desses subsídios norte-americanos (Loan Deficiency Payments), concedidos no período de 2002 a 2007, sobre o crescimento do agronegócio brasileiro. Os resultados permitem inferir que a redução dos subsídios nos EUA propiciaria o crescimento da produção agroindustrial brasileira e ampliaria o superávit na balança comercial desse setor, com crescimento conjunto das exportações e importações. Portanto, cortes nesses subsídios contribuiriam para maior competitividade das exportações brasileiras e gerariam oportunidades para o crescimento do agronegócio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BANCO DA AMAZÔNIA S/A – BASA. Matrizes insumo-produto Amazônia, região

Norte e seus Estados. Belém, PA: BASA, 2004. 1 CD-ROM.

BEA – BUREAU ECONOMIC ANALYSIS. Annual industry accounts. BEA, 2005.

Disponível em: <http://www.bea.gov/>. Acesso em: 10 jan. 2006.

BERALDO, A. D. U.S. Farm Security aumenta subsídios à produção. Revista Gleba, Brasília, v. 47, n. 184, p. 8-9, maio./jun. 2002.

BLS – BUREAU OF LABOR STATISTICS. Unemployment rates. BLS, 2007. Disponível em: <http://www.bls.gov/>. Acesso em: 10 jan. 2007.

BRAGA, M. J. Reforma fiscal e desenvolvimento das cadeias agroindustriais. 1999.

f. Tese (Doutorado em Economia Rural) – Universidade Federal de Viçosa, 1999.

BRANDÃO, A. S. P.; LIMA, E. C. R. Impacts of the U.S. subsidy to soybeans on world prices, production and exports. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 44, n. 4, p. 631-676, out./dez. 2006.

BURNQUIST, H. L.; MIRANDA, S. H. G. Desempenho recente das exportações brasileiras de açúcar: uma abordagem de “market share” constante. Revista de Economia e Sociologia Rural, Brasília, v. 37, n. 3, p. 69-90, jul./set. 1999.

CARVALHO, F. M. A. O comportamento das exportações brasileiras e a dinâmica do complexo agroindustrial. 1995. 126 f. Tese (Doutorado em Economia Agrária)

– Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, 1995.

CASTILHO, M. R. Algumas considerações sobre o uso de modelos computáveis de equilíbrio geral como instrumento de análise do setor externo brasileiro. Rio de Janeiro: Fundação Centro de Estudos de Comércio Exterior/IPEA, 1994. 26 p. (Textos para Discussão, n. 97).

DERVIS, K.; MELO, J.; ROBINSON, S. General equilibrium models for development policy. Cambridge: Cambridge University, 1984. 526 p. (World Bank Research Publication).

FED – FEDERAL RESERVE BANK. Flow of founds accounts of the United States.

Washington, DC: Board of Governors of the Federal Reserve System, dez. 2005. 104 p.

FEIJÓ, C. A.; RAMOS, R. L. O.; YOUNG, C. E. F.; LIMA, F. C. F. C.; GALVÃO, O. J. A. Contabilidade social: o novo sistema de contas nacionais do Brasil. 2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003. 413 p.

FERREIRA FILHO, J. B. S. Introdução aos modelos aplicados de equilíbrio geral: conceitos, teorias e aplicações. Piracicaba; SP: ESALQ, 1998. 41 p. (Série Didática, n. 120).

FIGUEIREDO, A.M. Diferenciação por origem na competitividade das exportações mundiais da agroindústria de soja, no período de 1990 a 2002. 2004. 133 f. Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada) – Universidade Federal de Viçosa, 2004.

FOSSATI, A. Economic modeling under the applied general equilibrium approach. Brookfiel: Avebury, 1996. 293 p.

GUILHOTO, J. J. M.; SESSO FILHO, U. A. Estrutura produtiva da Amazônia: uma análise de insumo-produto. Belém: Banco da Amazônia, 2005. 320 p.

GUILHOTO, J. J. M.; SILVEIRA, F. G.; ICHIARA, S. M.; AZZONI, C. R. A importância

do agronegócio familiar no Brasil. Revista de Economia e Sociologia

Rural, Brasília, v. 44, n. 3, p. 355-383, jul./set. 2006.

IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Séries históricas.

IPEA, 2006. Disponível em: <http://www.ipeadata.gov.br>. Acesso em: 20 abr. 2006.

JANK, M. S.; JALES, M. Q. M. A agricultura nas negociações da OMC, ALCA e EUMERCOSUL:

impasses e perspectivas. São Paulo: ICONE, nov. 2003. 16 p.

LEAMER, E. E.; STERN, R.M. Quantitative international economics. Chicago: Aldine Publ., 1970. p. 171-183.

LIRIO, V. S. Do MERCOSUL à ALCA: impactos sobre o complexo agroindustrial

brasileiro. 2001. 208 f. Tese (Doutorado em Economia Rural) – Universidade

Federal de Viçosa, 2001.

NAJBERG, S.; RIGOLON, F. J. Z.; VIEIRA, S. P. Modelo de equilíbrio geral computável

como instrumento de política econômica: uma análise de câmbio x tarifas.

Rio de Janeiro: BNDES, 1995. (Texto para Discussão n. 30).

OLIVEIRA, M. A. S. Aumento da oferta e redução de impostos nos serviços de infraestrutura

na economia brasileira: uma abordagem de equilíbrio geral. 2006.

f. Tese (Doutorado em Economia Aplicada) – Universidade Federal de

Viçosa, 2006.

OMC – ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO. Doha work programme:

preparations for the sixth session of the ministerial conference draft ministerial

text. OMC, 2005. Disponível em: <http://www.wto.org/english/thewto_e/

minist_e/min05_e/ draft_min05_text_e.pdf>. Acesso em: 13 nov. 2006.

ORDEN, D. Reform’s stunted crop: congress re-embraces agriculture subsidies.

Regulation: The Cato Review of Business and Government, v. 25, n. 1, p. 26-32, 2002.

PONCIANO, N. J. Ajustamento na política comercial brasileira e seus efeitos nas cadeias agroindustriais. 2000. 161 f. Tese (Doutorado em Economia Rural) – Universidade Federal de Viçosa, 2000.

RAMOS, R. L. O. Mudanças estruturais reais nas matrizes de insumo-produto:

Brasil – 1980/1985. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 26, n. 1, p. 93-117, abr. 1996.

SCHUH, G. E. Comércio internacional de produtos agrícolas ALCA e OMC. Revista de Política Agrícola, ano 13, n. 2, p. 17-25, abr./jun. 2004.

STALDER, S. H. G. M. Análise da participação do Brasil no mercado internacional

de açúcar. 1997. 121 f. Dissertação (Mestrado em Economia Aplicada) – Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, 1997.

SHOVEN, J. B.; WHALLEY, J. Applying general equilibrium. 3. ed. Cambridge: Cambridge University Press, 1998. 299 p.

USDA/ERS – UNITED STATES DEPARTMENT OF AGRICULTURE/ ECONOMIC RESEARCH SERVICE. WTO agricultural trade policy commitments

database. USDA, 2006. Disponível em: <http://www.ers.usda. gov/db/Wto/>. Acesso em: 20 fev. 2006.

VIEIRA, W. C. Modelos aplicados de equilíbrio geral: formulação e análise utilizandose

o MPSGE. Economia Rural, Viçosa, v. 8, n. 4, p. 22-27, 1997.

Downloads

Publicado

2010-06-30

Edição

Seção

Não definida