Proposta metodológica de cobrança pelo uso dos recursos hídricos usando o valor de Shapley: uma aplicação à bacia do rio Paraíba do Sul

Autores

  • Gil Bracarense Leite Universidade Federal Fluminense. Departamento de Administração
  • Wilson da Cruz Vieira Universidade Federal de Viçosa. Departamento de Economia Rural

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-41612010000300006

Palavras-chave:

recursos hídricos, alocação de custos, valor de Shapley, bacia hidrográfica

Resumo

Este trabalho teve como objetivo propor uma metodologia de cobrança pelo uso de recursos hídricos baseada na alocação de custos - entre os setores demandantes de água - de projetos relacionados com melhorias em uma bacia hidrográfica. Essa metodologia consiste em regra de alocação conhecida como valor de Shapley, pertencente à teoria de jogos cooperativos, e, para mostrar sua aplicabilidade, realizou-se um estudo de caso no trecho paulista da bacia do rio Paraíba do Sul, tendo-se utilizado, como critérios de alocação de custos, os volumes de água captada e consumida, além da quantidade lançada de efluentes. Na aplicação da metodologia, consideraram-se três cenários distintos: bacia "limpa", bacia poluída e uma situação intermediária, mais próxima da realidade atualmente encontrada na sub-bacia analisada. Os resultados obtidos mostraram-se altamente dependentes dos critérios de alocação de custos adotados (pesos atribuídos aos volumes de água captada e consumida e quantidade lançada de efluentes), sendo que, no caso do cenário intermediário considerado, os valores encontrados indicaram que os usuários urbanos deveriam arcar com a maior parte dos custos quando comparados às taxas que vêm sendo atualmente cobradas, já que estes são os usuários que mais lançam efluentes, sendo a deterioração da qualidade da água o problema de maior relevância nesta área da bacia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALIPRANTIS, C.D.; CHAKRABARTI, S.K. Games and decision making. New York:

Oxford University Press, 2000. 272 p.

ALVIM, A. M. A Disposição a Pagar pelo Uso da Água na Bacia Hidrográfica do

Rio Pardinho. Estudos do CEPE, Santa Cruz do Sul, n. 21, p. 31-50, jan./jun. 2005.

BRASIL. Lei n. 9433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política de Recursos Hídricos,

cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos. Diário

Oficial da União, Brasília, DF, 9 jan. 1997.

CAMPOS, J. D. Cobrança pelo uso da água nas transposições da bacia do rio Paraíba

do Sul envolvendo o setor elétrico. 192 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia

Civil) – COPPE/UFRJ, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.

CAMPOS, V. N. O. Comitê de bacia hidrográfica: um canal aberto à participação e

à política? Revista de Gestão de Água da América Latina, v. 2, n. 2, p. 49-60, 2005.

CARRERA-FERNANDEZ, J.; FERREIRA, P. M. Otimização dos recursos hídricos em

sistemas de bacia hidrográfica: o caso da bacia do Rio Formoso, na Bahia. Revista

Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 33, n. 3, p. 536-553, jul-set. 2002.

CARRERA-FERNANDEZ, J.; GARRIDO, R. S. O instrumento de cobrança pelo

uso da água em bacias hidrográficas: uma análise dos estudos no Brasil. Revista

Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 31, n. especial, p. 604-628, 2000.

COPPETEC, Fundação – Laboratório de Hidrologia e Estudos de Meio Ambiente.

Plano de recursos hídricos da bacia do rio Paraíba do Sul. Resende: AGEVAP, 2007a. 201 p.

CARRERA-FERNANDEZ, J.; GARRIDO, R. S. Plano de recursos hídricos da Bacia do Rio Paraíba do Sul – Caderno de ações área de atuação do CBH-PS. Resende: AGEVAP, 2007b. 140 p.

FERNANDEZ, R. N.; KUWAHARA, M. Y. O valor econômico dos recursos hídricos

no uso turístico: o exemplo de brotas. In: ENCONTRO DA SOCIEDADE

BRASILEIRA DE ECONOM IA ECOLÓGICA: O Meio Ambiente nas Políticas

Públicas, 6, 2005, Brasília. Anais.... Brasília: ECOECO, 2005.

FERRAZ, C. A. L. A cobrança pelo uso e poluição da água: o caso da sub-bacia do

Rio de Ondas no oeste da Bahia. 115 p. Dissertação (Mestrado em Gestão

Econômica do Meio Ambiente) – Departamento de Economia, Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

FORMIGA-JOHNSSO N, R. M.; KUMLER, L.; LEMOS, M. C. The politics of bulk water pricing in Brazil: lessons from the Paraíba do Sul basin. Water Policy, v. 9, p. 87-104, 2007.

GOU LART JÚNIOR, R.; VIEIRA, S. J.; MÁXIMO , A. A. valoração ambiental do uso de água em trecho da bacia hidrográfica do rio Tubarão-SC. In: ENCONTRO DA SOCIEDADE BRASILEIRA DE ECONOMIA ECOLÓGICA: O Meio Ambiente nas Políticas Públicas, 6, 2005, Brasília. Anais.... Brasília: ECOECO, 2005.

LOEHMAN, E.; ORLANDO, J.; TSCHIRHART, J.; WHINSTON, A. Cost allocation for a regional wastewater treatment system. Water Resources Research, v. 15, n. 2, p. 193-202, 1979.

MAS-COLELL, A.; WHINSTON, M.; GREEN, J. Microeconomic theory. New York: Oxford University Press, 1995. 981 p.

MONTET, C.; SERRA, D. Game theory and economics. New York: Palgrave Macmillan, 2003. 487 p.

REBOUÇAS, A. C. Água doce no mundo e no Brasil. In: REBOUÇ AS, A. C.; BRAGA, B.; TUNDISI, J. G. Águas doces no Brasil: capital ecológico, uso e conservação. São Paulo: Escrituras Editora, 2002. p. 1-37.

SERRANO, R. Cooperative games: core and shapley value. Providence: Department of Economics, Brown University and IMDEA-Social Sciences, 2007. 20 p.

SHAPLEY, L. S. A Value for n-person games. Princeton: Princeton University Press, p. 307-317, 1953.

VIEIRA, W. C.; VIEIRA, G. C. S. Uso de planilha eletrônica na gestão de recursos hídricos em bacia hidrográfica. In: COELHO, A. B.; TEIXEIRA, E. C.; BRAGA, M. J. Recursos naturais e crescimento econômico. 1 ed. Viçosa: DER-UFV, 2008, v. 1, p. 515-537.

YOUNG, H. P.; OKADA, N.; HASHIMOTO, T. Cost allocation in water resources development. Water resources research, v. 18, n. 3, 463-475, 1982.

Downloads

Publicado

2010-09-30

Edição

Seção

Não definida