Condicionantes da saída da pobreza com microcrédito: o caso dos clientes do Crediamigo

Autores

  • Ricardo Brito Soares Universidade Federal do Ceará. Curso de Pós-Graduação em Economia
  • Flávio Ataliba Barreto Universidade Federal do Ceará. Curso de Pós-Graduação em Economia
  • Marcelo Teixeira Azevedo Universidade Federal do Ceará. Curso de Pós-Graduação em Economia

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-41612011000100005

Palavras-chave:

microcrédito, condições, saída da pobreza

Resumo

Esse artigo investiga a importância de alguns condicionantes facilitadores da saída da condição de po-breza dos clientes do Crediamigo/BNB, bem como a sua velocidade de ascensão neste programa de microcrédito produtivo, que é responsável por mais de 65% do mercado no Brasil. Para isto, utilizamos um modelo logístico de probabilidade de saída da pobreza, aplicado a clientes que ingressaram no programa com renda per capita familiar abaixo de linhas tradicionais delimitadoras deste estado de pobreza. Os resultados demonstram que os fatores facilitadores de ascensão dos mais pobres não se diferenciam dos fatores tradicionais para investidores do topo da pirâmide produtiva. Ou seja, uma probabilidade de sucesso maior ocorre para aqueles mais dotados de capital humano e de colaterais produtivos. Quanto às características dos empréstimos, verificamos que prazos menores de pagamentos, com valores medianos para empréstimos iniciais, facilitam o sucesso do nanoempresário. Estimamos também uma velocidade média de saída da pobreza entre 6% e 8% ao ano durante os primeiros cinco anos de programa. Este resultado sinaliza uma eficácia bastante alentadora do programa, que pode ser uma referência importante para políticas de desenvolvimento com estímulo mercadológico e com inclusão social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALESINA, A.; RODRICK, D. Distributive policies and economic growth. Quarterly
Journal of Economics, v.109 p. 465-90, 1994.
ARMENDARIZ, B. A.; MORDUCH, J. The economics of microfinance. Cambridge, MA: The MIT Press, 2005.
CHOWDHURY, M. J. A.; GHOSH, D.; WHIGHT, R. E. The impact of microcredit on poverty: Evidence from Bangladesh. Progress in Development Studies, v. 5, n. 4, 2005.
COPESTAKE, J.; DAWSON, P. ; FANNING, A.; MCKAY, A.; WRIGHT-REVOLLEDO, K. Monitoring diversity of poverty outreach and impact of microfinance: a comparison of methods using data from Peru. Development Policy Review, v. 23, n. 5, 2005.
DE SOTO, H. O mistério do capital. Rio de Janeiro: Record, 2000.
GOLDBERG, N. Measuring the impact of microfinance: taking stock of what we know. Washington, DC: Grameen Foundation USA, 2005. (Publication Series).
Disponível em: <http://www.grameenfoundation.org>.
HULME, D.; MOSLEY, P. Finance against poverty. London: Routledge, 1996. v. 1 e 2.
KARLAN, D. Microfinance impact assessments: the perils of using new members as a control group. Journal of Microfinance, v. 3, n. 2, 2001. Disponível em: <https://
marriottschool.byu.edu/esrreview/current/JMF_fall01.pdf#page=78>.
KHANDKER, S. R. Micro-finance and poverty – Evidence using panel data from
Bangladesh. Policy Research Working Paper 2945. Washington, DC: The World
Bank, 2003.
LONG, J. S. Regression models for categorical and limited dependent variables. Thousand Oaks, Califórnia: SAGE Publications, 1997.
MANSO, C. A.; GORDIN, F. O.; SILVA, R. A. Uma análise comparativa sobre a evolução dos principais indicadores de bem-estar para o Brasil, Regiões e Estados pós-plano real. Fortaleza: Laboratório de Estudos da Pobreza – CAEN-UFC, 2008.
MORDUCH, J. Does microfinance really help the poor? New Evidence from Flagship Programs in Bangladesh, 1998. Mimeo.
NERI, M. C. Mapa de ativos: combate sustentável à pobreza. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, IBRE, CPS, 2001.
PEROTTI, R. Income distribution, politics and growth. American Economic Review, v. 82, p. 311-16, 1992.
PERSSON, T.; TABELLINI, G. Is inequality harmful for growth? Theory and evidence.
American Economic Review, v. 84 p. 600-21, 1994.
SCHRIEDER, G.; SHARMA, M. Impact of finance on poverty reduction and social capital formation: a review and synthesis of empirical evidence. Savings and Development, 23 p. 67-93, 1999.
SEBSTAD, J.; CHEN, G. Overview of studies of the impact of microenterprise credit.
Washington D.C: Management Systems International, 1996.
SHARMA, M.; BUCHENRIEDER, G. Impact of microfinance on food security and poverty alleviation: a review and synthesis of empirical evidence. In: ZELLER, M.; MEYER, R. L. (Ed.). The triangle of microfinance: financial sustainability, outreach and impact. Baltimore MD: John Hopkins University Press, 2002.
World Bank. Brazil Measuring Poverty Using Household Consumption, 2007. (Report No. 36358-BR). Disponível em <http://web.worldbank.org>. Acesso em 23/01/2008.

Downloads

Publicado

2011-03-30

Edição

Seção

Não definida