Diferencial salarial público-privado e desigualdade de renda per capita no Brasil

Autores

  • Pedro Herculano Guimarães Ferreira de Souza Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada
  • Marcelo Medeiros Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada e Universidade de Brasília

Palavras-chave:

desigualdade de renda, desigualdade salarial, Funcionários públicos, Diferenciais salariais, segmentação do mercado de trabalho

Resumo

O estudo estima a contribuição específica do diferencial salarial entre trabalhadores com características semelhantes dos setores público e privado para a desigualdade na renda domiciliar per capita no Brasil. A estimação se baseia em simulações contrafactuais e o cálculo das contribuições para a desigualdade em uma decomposição de fatores do coeficiente de Gini. Os dados são provenientes da PNAD 2009. O diferencial equivale a cerca de 17% da massa salarial dos servidores públicos, é regressivo e altamente concentrado, mas tem volume pequeno na renda total e, por isso, contribui para cerca de 3% da desigualdade total. Os efeitos sobre a desigualdade da composição da força de trabalho nos setores são muito maiores que efeitos da segmentação do mercado de trabalho entre os dois setores. Essas conclusões são pouco sensíveis a modificações de definições de setor e diferentes técnicas de estimação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BELLUZZO, W., ANUATTI-NETO, F., & PAZELLO, E. T. (2005). Distribuição de salários e o diferencial público-privado no Brasil. Revista Brasileira de Economia, 59(4), 511–533.

BENDER, S., & FERNANDES, R. (2009). Gastos Públicos com Pessoal: Uma Análise de Emprego e

Salário no Setor Público Brasileiro nos Anos 90. Revista EconomiA, 10(1), 19–47.

BRAGA, B. G. (2007). Capital Humano e o Diferencial de Salários Público-Privado no Brasil. Anais do XXXV Encontro Nacional de Economia [Proceedings of the 35th Brazilian Economics Meeting] (pp. 1–15). ANPEC-Associação Nacional dos Centros de Pós-graduação em Economia [Brazilian Association of Graduate Programs in Economics].

CHEN, C.-N., TSAUR, T.-W., & RHAI, T.-S. (1982). The Gini Coefficient and Negative Income. Oxford Economic Papers, New Series, 34(3), 473–478.

FOGUEL, M. N., GILL, I., MENDONÇA, R., & BARROS, R. P. de. (2000). The public-private wage

gap in Brazil. Revista Brasileira de Economia, 54. doi:10.1590/S0034-71402000000400003

GREGORY, R. G., & BORLAND, J. (1999). Recent developments in public sector labor markets.

Handbook of labor economics, 3, 3573–3630.

HOFFMANN, R. (2009). Desigualdade da distribuição da renda no Brasil: a contribuição de aposentadorias e pensões e de outras parcelas do rendimento domiciliar per capita. Economia e Sociedade, 18(1), 213–231.

HOLANDA, A. L. N. (2009). Diferencial de salários entre os setores público e privado : uma resenha da literatura. Brasília: IPEA.

HOLANDA-BARBOSA, A. L. N., BARBOSA-FILHO, FERNANDO H. (2012). Diferencial de salários

entre os setores público e privado no Brasil : um modelo de escolha endógena. Brasília: IPEA.

JUHN, C., MURPHY, K. M., & PIERCE, B. (1993). Wage inequality and the rise in returns to skill.

Journal of political Economy, 410–442.

MARCONI, N. (2003). A evolução do perfil da força de trabalho e das remunerações nos setores público e privado ao longo da década de 1990. Revista do Serviço Público, 54(1), 9–45.

PANIZZA, U., & QIANG, C. Z. (2005). Public-private wage differential and gender gap in Latin

America: Spoiled bureaucrats and exploited women? Journal of Socio-Economics, 34(6), 810–833.

PYATT, G., CHEN, C., & FEI, J. (1980). The Distribution of Income by Factor Components. The

Quarterly Journal of Economics, 95(3), 451–473. doi:10.2307/1885088.

RAO, V. M. (1969). Two Decompositions of Concentration Ratio. Journal of the Royal Statistical

Society. Series A (General), 132(3), 418–425. doi:10.2307/2344120.

SHORROCKS, A. F. (1982). Inequality Decomposition by Factor Components. Econometrica, 50(1), 193–211. doi:10.2307/1912537

VAZ, D. V., & HOFFMANN, R. (2007). Remuneração nos serviços no Brasil: o contraste entre funcionários públicos e privados. Economia e Sociedade, 16, 199–232.

VERGARA, D. H. (1991). Diferenciais de salários entre os setores publico e privado da economia brasileira. Ensaios FEE, 12(1), 73–8S.

VERGARA, D. H., & DA SILVA WILTGEN, R. (1995). Os diferenciais de salários entre o setor público e o setor privado na RMPA. Indicadores Econômicos FEE, 23(3).

Downloads

Publicado

2013-03-30

Edição

Seção

Artigo