Os determinantes do impacto da crise financeira internacional sobre a taxa de crescimento do PIB

Autores

  • Thaís Guimarães Alves Universidade Federal de Uberlândia. Instituto de Economia
  • Flavio Vilela Vieira Universidade Federal de Uberlândia. Instituto de Economia

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-416145472tgf

Palavras-chave:

Taxa de Crescimento do PIB, Crise Financeira Internacional, Países avançados e economias emergentes (e em desenvolvimento)

Resumo

Este artigo tem como objetivo avaliar os impactos da crise financeira internacional sobre a mudança na taxa de crescimento do PIB (2009-2008) para 118 países utilizando dados de corte transversal e estimações por MQO. Os resultados econométricos para os modelos estimados tendo como variável dependente a diferença entre a taxa de crescimento do PIB real em 2009 e o projetado em 2008 para 2009 indicam que a mudança na taxa de câmbio real efetiva, o nível de reservas internacionais, a situação orçamentária do governo e a mudança na percepção dos investidores são estatisticamente significativas. Apreciações cambiais e uma piora na percepção dos investidores estão associadas a uma maior diferença entre a taxa de crescimento do PIB real de 2009 em relação à taxa de crescimento projetada em 2008 para 2009. Além disso, um aumento no nível de reservas internacionais e uma melhora na situação orçamentária do governo estão associados a uma diminuição na diferença entre a taxa de crescimento do PIB real de 2009 em relação à taxa de crescimento projetada em 2008 para 2009.  Os resultados das estimações para os modelos com a variável dependente dada pela diferença entre a taxa de crescimento de 2009 e 2008 revelam que o nível de reservas internacionais, a medida do grau de flexibilidade do regime cambial (classificação de regime cambial) e o PIB per capita são estatisticamente significativos e países com maior montante de reservas internacionais, PIB per capita e grau de flexibilidade cambial estão associados a uma menor variação na taxa de crescimento entre 2009 e 2008.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGLIETTA, M. & BERREBI, L. “Désordres dans le Capitalisme Mondial”. Paris: Odile Jacob, 2007.

BANCO MUNDIAL. “Update on the Global Crisis: The Worst is Over, LAC Poised to Recover”. Office

of the Regional Chief Economist. Washington: The World Bank Group, 2009.

BERGLÖF, E., KORNIYENKO, Y., & ZETTELMEYER, J. “Crisis in Emerging Europe: Understanding

the Impact and Policy Response”. European Bank for Reconstruction and Development.

WP/09/109. Novembro, 2009.

BERKMEN, P., GELOS, G., RENNHACK, R., & WALSH, J. P. “The Global Financial Crisis: Explaining

Cross-Country Differences in the Output Impact”. IMF Working Paper, WP/09/280.

Dezembro, 2009.

BERNANKE, B. S. “The Global Saving Glut and the U.S. Current Account Deficit”. Disponível em:

http://www.federalreserve.gov/boarddocs/speeches/2005/200503102/. Acesso em 14 de julho

de 2011.

BLANCHARD, O. M., FARUQEE, H., & DAS MITALI. “The Initial Impact of the Crisis on Emerging

Markets Countries”. Brookings Papers on Economic Activity, p. 263 – 307, 2010.

BREUSCH, T.S.; & PAGAN, A.R. “A Simple Test for Heteroskedasticity and Random Coefficient

Variation.” Econometrica, v.47, p.987-1007, 1979.

BRUNNERMEIER, M. K. “Deciphering the Liquidity and Credit Crunch 2007-2008”. Journal of

Economic Perspectives, Volume 23, Número I, p. 77-100, 2009.

CALOMIRIS, C. W. “The Subprime Turmoil: What’s Old, What’s New and What’s Next”. International

Monetary Fund.9TH Jacques Polak Annual Research Conference. Novembro, 2008.

CLAESSESNS, S., PAZARBASIOGIU, C., LAEVEN, L., DOBLER, M., VALENCIA, F., NEDELESCU,

O., & SEASL, K. “Crisis Management and Resolution: Early Lessons from the Financial

Crisis”. IMF Staff Discution Note. Março, 2009.

COSTA FILHO, JR. M. G. A Crise Financeira e a Política Econômica: Poderia ter sido Diferente?

Dissertação de Mestrado. Fundação Getúlio Vargas/Escola de Economia de São Paulo, 2011.

EDWARDS, S. & YEYATI, L. “Flexible Exchange Rates as Shock Absorbers,” European Economic

Review, 2005, 49, 8, p.2079-2105, 2005.

GEM – Global Economic Monitor. Disponível em: http://data.worldbank.org/data-catalog/global-

-economic-monitor. Acesso em 20 de Setembro, 2013.

HAUSMAN, J. “Specification Tests in Econometrics.” Econometrica, 46, p.1251-1271, 1978.

IIR - Institutional Investor Magazine. Disponível em: http://www.institutionalinvestor.com/Institutional-

-Investor-Magazine.html. Acesso em 20 de Agosto de 2012.

ILZETZKI, E.; REINHART, C. M., & ROGOFF, K. S. “Exchange Rate Arrangements Entering the

st Century: Which Anchor Will Hold?”, Base de Dados de Classificação de Regimes Cambiais.

Disponível em: http://personal.lse.ac.uk/ilzetzki/IRRBack.htm. Acesso em 30 de Setembro de

, 2008.

KAMIN, S. B., & DEMARCO, L. P. “How Did a Domestic Housing Slump Turn into a Global Financial Crisis?” Board of Governors of the Federal Reserve System, International Finance Discussion Papers. Janeiro, 2010.

LANE, P. R., & MILESI-FERRETI, G. M. “The Cross-Country Incidence of the Global Crisis”. IMF

Working Paper, WP/10/171. Julho, 2010.

MEDEIROS, C. A. O Ciclo Recente de Crescimento Chinês e seus Desafios. Observatório da Economia Global. Campinas, CECN-IE – Unicamp, nº 3, 2010. Disponível em: http://www.iececon.net/

arquivos/OBSERVATORIO_3.pdf.

PRATES, D. M., BICHARA, J. DA SILVA & CUNHA, A. M. O Efeito-Contágio da Crise Financeira

Global nos Países Emergentes. XIV Encontro Nacional de Economia Política. São Paulo, PUC-SP.

Junho, 2009. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/17137.

REINHART, C. M., & REINHART, V. R. “After the Fall”. NBER Working Paper Series, 16334.

Setembro, 2010.

REINHART, C. M., & ROGOFF, K. S. “Is the U.S. Sub-Prime Financial Crisis So Different? An International

Historical Comparison”. NBER Working Paper Series 13761. Janeiro, 2008.

REINHART, C. M., & ROGOFF, K. S. Oito Séculos de Delírios Financeiros: Desta Vez é Diferente.

Rio de Janeiro, Ed. Elsevier, 1a. edição, 2010.

ROSE, A. K., & SPIEGEL, M. M. “Cross-Country Causes and Consequences of the 2008 Crisis: Early

Warning”. NBER Working Paper Series, 15357. Setembro, 2009a.

ROSE, A. K., & SPIEGEL, M. M. “Cross-Country Causes and Consequences of the 2008 Crisis: International

Linkages and American Exposure”. NBER Working Paper Series, 15358. Setembro, 2009b.

TAYLOR, J. B. “The Financial Crisis and the Policy Responses: An Empirical Analysis of What Went Wrong”. NBER Working Paper, 14631. Janeiro, 2009.

WDI – World Development Indicators. Disponível em: http://data.worldbank.org/data-catalog/worlddevelopment-indicators. Acesso em: 08 Dezembro, 2011.

WEO – World Economic Outlook. Financial Stress, Downturns, and Recoveries. Disponível em: http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2008/02/pdf/text.pdf. Acesso em: 08 de Dezembro, 2011.

WEO – World Economic Outlook. Crisis and Recovery Disponível em: http://www.imf.org/external/

pubs/ft/weo/2009/01/index.htm/. Acesso em: 08 de Dezembro, 2011.

WHITE, H. “Heteroskedasticity-Consistent Covariance Matrix Estimator and a Direct Test for Heteroskedasticity”. Volume 48, issue 4, págs. 817-838, 1980.

WU, D. M. “Alternative Tests of Independence Between Stochastic Regressors and Disturbances.” Econometrica, 41, p.733-750, 1973.

Downloads

Publicado

2015-12-01

Edição

Seção

Artigo