A dinâmica do enriquecimento paulista no século XIX: das origens à diversificação do capital da família Lacerda Franco

Autores

  • Gustavo Pereira da Silva Universidade Federal do Paraná. Departamento de Economia

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-4161201545244gps

Palavras-chave:

São Paulo, família, enriquecimento, diversificação, XIX

Resumo

O texto visa apreender a formação e diversificação da riqueza paulista durante o século XIX. A análise recai sobre os Lacerda Franco, importante família paulista cujos membros principiaram economicamente em atividades de cunho interno (lavoura de mantimentos, criação e comércio de animais, produção de aguardente) nas terras próximas da vila de São Paulo e, posteriormente, migraram para o Oeste Paulista, tornando-se senhores de engenho e cafeicultores. Esse processo de enriquecimento aponta a formação de sociedades agrícolas, casa comissária e exportadora, indústria, banco, diversificando as formas de riqueza dentro do complexo exportador cafeeiro da segunda metade do XIX. O fio condutor do trabalho é a apreensão da dinâmica (movimento) desse processo, materializada, através da documentação da família e de suas empresas, no deslocamento pela Província de São Paulo, nas diferentes atividades econômicas que os enriqueceram e nas difusas formas de alocação do capital.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Pereira da Silva, Universidade Federal do Paraná. Departamento de Economia

Graduado em História pela UNESP/Franca-SP (2005). Mestre em História Econômica pelo Instituto de Economia da UNICAMP (2008). Doutor em História Econômica pelo Instituto de Economia da UNICAMP (2011). Atualmente Professor Adjunto no Departamento de Economia da Universidade Federal do Paraná.

Referências

Arquivo Público do Estado de São Paulo (APESP)
MP ATIBAIA. Maços de População da vila de Atibaia (SP), 1803-1842.
MP JUNDIAÍ. Maços de População da vila de Jundiaí (SP): 1803-1842.
MP LIMEIRA. Maços de População da vila de Limeira (SP): 1835.
MP MOGI MIRIM. Maços de População da vila de Mogi Mirim (SP): 1818-1820.
REGISTRO TERRAS LIMEIRA. Registro de Terras da vila de Limeira (SP): 1855. REGISTRO TERRAS
RIO CLARO. Registro de Terras da vila de Rio Claro (SP):1855.
Arquivo Nacional (Rio de Janeiro-RJ)
CONTRATO SOCIAL J. F. LACERDA & Cia., Rio de Janeiro, 1884. O contrato foi assinado no município
de Araras (SP). 1884.
DESISTÊNCIA JOÃO ARBENZ. São Paulo, 18 set. 1886.
CONTRATO LACERDA, CAMARGO & Cia. São Paulo, 11 jun. 1887.
Associação Comercial de Santos-SP (ACS)
RELATÓRIO ACS. Relatório da Associação Comercial de Santos (ACS). Santos, 1886; 1899-1902.
Cartório do Segundo Ofício de São Paulo (Arquivo do Tribunal de
Justiça de São Paulo)
INVENTÁRIO BARÃO DE ARARY. Inventário de José de Lacerda Guimarães (Barão de Arary).
Processo 226/1897, Pacote 1447/1897.
Centro de Memória da UNICAMP (CMU/UNICAMP)
CMU, 1888. Cobrança da casa comissária e exportadora J. F. de Lacerda & Cia. contra a sociedade
agrícola Bento Pupo & Cia. Campinas, 1888.
JUNDIAÍ, Tribunal de Justiça de. Inventário de Antonio de Lacerda Guimarães. Jundiaí, 1853.
JUNDIAÍ, Tribunal de Justiça de. Inventário de Dona Maria Franco. Jundiaí, SP: 1861.
Fazenda Montevidéo (Araras-SP)
BALANÇO PATRIMONIAL da casa comissária J. F. de LACERDA & Cia. para os anos de 1879-1880
e 1880-1881. Santos, SP.
BALANÇO LACERDA, CAMARGO & CIA. São Paulo, 31 dez. 1887.
CONTAS CORRENTES JLG. Contas Correntes de José de Lacerda Guimarães (Barão de Arary) na
casa comissária e exportadora J. F. de Lacerda & Cia. Santos, 1883-1893.
CARTA JLG. Negócio pouco sério com o senador Lacerda Franco. 1895
JLG CARTA COMERCIANTE. Carta de comerciante matriculado na Junta Comercial do Império do
Brasil concedida à José de Lacerda Guimarães. Rio de Janeiro, 1881.
LACERDA & CIA. Contrato social da casa comissária de café Lacerda & Cia. traduzido do original
em francês. Havre (França), 1884.
LIQUIDAÇÃO LACERDA, CAMARGO & CIA. Conta de liquidação da firma industrial Lacerda,
Camargo & Cia. São Paulo, 31 jan. 1892.
NOTAS BANCÁRIAS JLG. Recibos de quitação de empréstimos tomados por José de Lacerda Guimarães
e pagos pela casa J. F. de Lacerda & Cia. Santos, 1885-1886.
Fazenda Paraizo (São Carlos-SP)
LACERDA & IRMÃOS. Contrato social da sociedade agrícola Lacerda & Irmãos, 1874. Araras-SP.
Bibliografia Citada
ALMEIDA, N. M. Álbum de Araras: documento histórico, geográfico, e ilustrativo do município de
Araras. Araras, SP: Odeon, 1948.
BACELLAR, C. A. P. Família, herança e poder em São Paulo: 1765-1855. São Paulo: Universidade
de São Paulo, Centro de Estudos de Demografia Histórica da América Latina, 1991.
_________. Os senhores da terra: família e sistema sucessório entre os senhores de engenho do Oeste
Paulista, 1765-1855. Campinas: Centro de Memória-Unicamp, 1997.
BUSCH, R. K. História de Limeira. Limeira, SP: Prefeitura Municipal, 1967.
CAMPOS, A. L. A. Casamento e família em São Paulo colonial: caminhos e descaminhos. São Paulo:
Paz e Terra, 2003.
CANABRAVA, A. P. A repartição da terra na Capitania de São Paulo, 1818. Estudos Econômicos,
São Paulo, vol. 2, nº 6, p. 77-129, dez. 1972.
CANO, W. Raízes da concentração industrial em São Paulo. T. A. Queiroz, 1981.
COSTA, E. V. Da Monarquia à República: momentos decisivos. São Paulo: Editora Unesp, 2007a.
COSTA, A. P. P. Trajetórias e carreiras militares no contexto do Império português: promoções e
conflitos nos atos eleitorais para postos dos Corpos de Ordenanças, comarca de Vila Rica,
1735-1777. Revista Espaço Acadêmico, n.68. Disponível em: http://www.espacoacademico.com.
br/068/68costa.htm. jan. 2007b.
CRESSONI, F. E. Fazenda Montevidéo: barões, escravos e imigrantes na formação do Oeste Paulista.
Araras, SP: Gráfica Topázio, 2007.
DEAN, W. Rio Claro: um sistema brasileiro de grande lavoura, 1820-1920. Rio de Janeiro: Paz e
Terra, 1977.
_________. A. Industrialização de São Paulo. São Paulo: Difel, 1971.
DELFIM NETTO, A. O problema do café no Brasil. Rio de Janeiro: Campinas, SP: Facamp/ Editora
da UNESP, 2009
EISENBERG, P. L. Homens esquecidos: escravos e trabalhadores no Brasil – séc. XVIII e XIX. Campinas,
SP: Editora da UNICAMP, 1989.
FAUSTO, B. “Expansão do café e política cafeeira” In: FAUSTO, B. História Geral da Civilização
Brasileira. Tomo III (4v.). O Brasil Republicano, 1º volume: Estrutura de Poder e Economia
(1889-1930). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.
GALLAS, O. G.; GALLAS, F. D. A casa da moeda de São Paulo: a primeira do Brasil e os meios de
pagamento emitidos nessa cidade. São Paulo: Ed. do Autor, 2008.
HANLEY, A. G. Native capital: financial institutions and economic development in Sao Paulo, Brazil,
1850-1920. Stanford, Calif.: Stanford University, 2005.
HOLANDA, S. B. Monções. Rio de Janeiro, C. E. B., 1945.
LAEMMERT, E. Almanak administrativo, mercantil e industrial da Corte e Província do Rio de
Janeiro. Rio de Janeiro: Henrique Laemmert, 1882 e 1889 (http://objdigital.bn.br/acervo_
digital/div_periodicos/almanak/almanak.htm).
LUNA, F. V.; KLEIN, H. S Evolução da sociedade e economia escravista de São Paulo, de 1750 a
1850. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2005.
_________. Escravismo no Brasil. São Paulo: Edusp/Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.
MALUF, M. Ruídos da memória. São Paulo: Siciliano, 1995.
MARCÍLIO, M. L. Crescimento demográfico e evolução agrária paulista: 1700-1836. São Paulo:
Hucitec/Edusp, 2000.
MARCONDES, R. L. O financiamento hipotecário da cafeicultura no vale do Paraíba paulista (1865-
87). Rev. Bras. Econ., Rio de Janeiro, v. 56, n. 1, Mar. 2002 .
MARCONDES, R. L.; HANLEY, A. G. Bancos na transição republicana em São Paulo: o financiamento
hipotecário (1888-1901). Estud. Econ., São Paulo, v. 40, n. 1, Mar. 2010.
MARCOVITCH, J. Pioneiros e empreendedores: a saga do desenvolvimento no Brasil, v. 1. São Paulo:
EDUSP: Editora Saraiva, 2009.
MARQUESE, R.; TOMICH, D. O Vale do Paraíba escravista e a formação do mercado mundial do
café no século XIX. In: GRINBERG, K.; SALLES, R. (org.). O Brasil imperial, volume II: 1831-
1870. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.
MARSON, M. D. Origens e evolução da indústria de máquinas e equipamentos em São Paulo, 1870-
1960. São Paulo: FEA/USP, 2012, tese de doutorado.
MATTHIESEN, A. J. Resgatando elos da memória. Araras, SP: Gráfica Topázio, 2010.
MELLO, J. M. C. O capitalismo tardio. Contribuição à revisão crítica da formação e do desenvolvimento
da economia brasileira. Campinas: Facamp/Editora da UNESP, 2009.
MILLIET, S. Roteiro do café e outros ensaios: contribuição para o estudo da história econômica e
social do Brasil. 4. ed. São Paulo; [Brasília]: HUCITEC: INL, 1982.
MONBEIG, P. Pioneiros e fazendeiros de São Paulo. São Paulo: Hucitec/Polis. 1984.
MORAES, M. L. P. M. Atuação da firma Theodor Wille & Cia. no mercado cafeeiro do Brasil, 1844-
1918. São Paulo: FFLCH/USP, 1988, tese de doutorado.
NOGUEROL, L. P. F. Sabará e Porto Alegre na formação do mercado nacional no século XIX. Tese
(doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Economia, Campinas, SP, 2003.
PEREIRA, M. A. F. Comissário de café no porto de Santos: 1870-1920. São Paulo: FFLCH/USP, 1980,
dissertação de mestrado.
PERISSINOTTO, R. M. Classes dominantes e hegemonia na República Velha. Campinas: Ed. Unicamp,
1994.
PETRONE, M. T. S. A lavoura canavieira em São Paulo: expansão e declínio (1765-1851). São Paulo:
Difel, 1968.
_________. O desprezado “ciclo do açúcar” paulista. In: ODALIA, N.; CALDEIRA, J. R. C. História
do Estado de São Paulo: a formação da unidade paulista, v. 2, República. São Paulo: Editora
UNESP/Imprensa Oficial/Arquivo Público do Estado, 2010.
RELATÓRIO SÃO PAULO. Relatório apresentado ao Presidente da República de São Paulo pela
Comissão Central de Estatística. São Paulo: Typographia King, 1887.
SAES, F. A. M. A grande empresa de serviços públicos na economia cafeeira. São Paulo: Hucitec, 1986a
SAES, F. A. M. Estradas de ferro e diversificação da atividade econômica na expansão cafeeira em São
Paulo, 1870-1900. In: SZMRECSÁNYI, T.; LAPA, J. R. A. (orgs.). História Econômica da Primeira
República. São Paulo: Hucitec/ABPHE/Editora da Universidade de São Paulo / Imprensa
Oficial, 2002.
SAMPER, M.; FERNANDO, R. Historical statistics of coffee production and trade from 1700 to 1960.
In: The global coffee economy in Africa, Asia and Latin America, 1500-1989. Coautoria de W.
G. Clarence-Smith, Steven Topik. Cambridge, UK; New York: Cambridge Univ. Press, 2003.
SÃO PAULO. Almanach do Estado de São Paulo para o ano de 1891. São Paulo: Companhia Industrial
de São Paulo, 1891.
SILVA, S. Expansão cafeeira e origens da indústria no Brasil. 8ª ed. São Paulo: Alfa-ômega, 1995.
SILVEIRA, M. C. Imigração italiana em Limeira-SP: terra, política e instrução escolar. Campinas,
SP: Faculdade de Educação/Unicamp, 2007, dissertação de mestrado.
SUPRINYAK, C. E.; RESTITUTTI, C. C. Os muares e as Minas: relações entre a demanda mineira e
o mercado de animais de carga nos séculos XVIII e XIX. Diamantina, MG: XII Seminário sobre a
Economia Mineira, 2006 (http://www.cedeplar.ufmg.br/seminarios/seminario_diamantina/2006/
D06A034.pdf).
SUZIGAN, W. Indústria Brasileira: origem e desenvolvimento. São Paulo: Ed. Hucitec/ Ed. Unicamp,
2000.
TANNURI, L. A. O Encilhamento. São Paulo: Hucitec, 1981.
TAUNAY, Affonso d’E. História do café no Brasil, volume oitavo, Brasil Imperial 1872-1889, tomo
VI. Rio de Janeiro: D.N.C., 1939.
TOSI, P. G.; FALEIROS, R. N.; FONTANARI, R. Modalidades e Hierarquias do Crédito na Cafeicultura
Paulista (1889-1930). Revista Brasileira de Economia, Rio de Janeiro, v. 65 n. 4, p.
401–412, out-dez 2011.

Downloads

Publicado

2015-06-30

Edição

Seção

Artigo