A Natureza-Morta dos planos de “Tempos Mortos” em seguindo em frente, de Koreeda Hirokazu

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-7125.v0i39p109-123

Palavras-chave:

Cinema japonês, Koreeda Hirokazu, Pillow shots, Natureza morta, Composição visual

Resumo

O artigo tem como objetivo realizar uma análise do longa-metragem Seguindo em frente (2008), dirigido pelo cineasta Koreeda Hirokazu. O enfoque do texto é dirigido aos planos de “tempos mortos”, em que os espaços fílmicos das áreas internas onde os personagens habitam são registrados sem a presença de figuras humanas. Será levada em conta, a relação do mencionado enquadramento fílmico e a sua correspondência com o gênero natureza morta, pertencente às artes plásticas, cujos quadros ilustram objetos e animais inanimados encenados em situações integradas à vida doméstica. Os trabalhos de autoria de Jacques Aumont, David Besser, Nöel Burch e Gilles Deleuze estão entre os que fundamentam teoricamente o presente texto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-07-08

Como Citar

Sugai, M. (2018). A Natureza-Morta dos planos de “Tempos Mortos” em seguindo em frente, de Koreeda Hirokazu. Estudos Japoneses, (39), 109-123. https://doi.org/10.11606/issn.2447-7125.v0i39p109-123

Edição

Seção

Artigos