A história de livros japoneses pela perspectiva das técnicas de impressão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-7125.v0i42p57-82

Palavras-chave:

História da cultura de imprensa, Tecnologia de imprensa com tipos móveis, Imprensa em bloco de madeira, Manuscritos, Livros históricos japoneses

Resumo

Há um aspecto marcante na história das técnicas de impressão no Japão. No Ocidente, a invenção de tipos móveis de imprensa, por Johannes Gutenberg, nos meados do séc. XV, mudou fundamentalmente a posição social dos livros e levou ao declínio os convencionais manuscritos e a impressão xilográfica. Entretanto, as técnicas de impressão com tipos móveis importadas no Japão, vindas da Europa e da Coreia, entraram em declínio em meio século, e a era da impressão xilográfica em blocos de madeira se restaurou. Os tipos móveis de imprensa, no Japão, aumentaram somente na primeira metade do séc. XIX, e a impressão em blocos de madeira desapareceu no período Meiji. Este fato difere, substancialmente, do Ocidente, uma vez que a ascensão e o declínio desta técnica aconteceram bem mais tarde no Japão. Outro aspecto notável é que a impressão xilográfica e a de tipos móveis coexistiram por um certo tempo. No Japão, não era raro imprimir, concomitantemente, o mesmo texto, usando ora a técnica xilográfica, ora a com tipos móveis. Isso significa que havia uma cultura ímpar de utilizar as vantagens e as diferenças de ambas as técnicas de impressão. Baseado nestes fatores, há dois aspectos em destaque que têm sido discutidos na história da imprensa no Japão. 1. Por que o uso de tipos móveis não se estendeu rapidamente no Japão? O custo técnico de fazer os tipos móveis era oneroso por causa dos numerosos kanji (ideogramas chineses) e kana (silabários japoneses) da língua japonesa. Ainda, a ortografia simples e eficiente de imprensa não prevalecia, uma vez que a escrita de kana tradicional fazia uso do sistema de escrita complicado e ineficiente, com suas variantes originárias de ideogramas (hentaigana), e o estilo corrido de escrita, com caracteres emendados em linhas verticais (renmen-tai). Para reproduzir esses estilos de manuscrito em grande escala, a prensa em blocos de madeira se mostrava superior, comparada com a dos tipos móveis. 2. Por que a imprensa em blocos de madeira e a com tipos móveis coexistiram por tanto tempo? O uso de blocos de madeira era o método principal no período Edo, mas, os tipos móveis de imprensa poderiam ter usos repetidos com eficiência para cópias em menor quantidade. No geral, a impressão com tipos móveis era de baixa qualidade, pior do que a prensa de bloco de madeira, e era, então, usada pelos que não se importavam com isso. Portanto, os editores utilizavam as vantagens do tipo móvel, enquanto a cultura única da prensa em bloco de madeira prosperava no mesmo período. A questão das técnicas de impressão não abarca somente a sua qualidade técnica, mas também a questão linguística, que é estreitamente dependente dos caracteres japoneses, sistema de escrita da língua e da cultura japonesa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jun Shirai, Hiroshima University, Hiroshima, Japan

Mestre; Professor Associado da Hiroshima University, Hiroshima, Japão; jshira@hiroshima-u.ac.jp

Downloads

Publicado

2019-11-10

Como Citar

Shirai, J. (2019). A história de livros japoneses pela perspectiva das técnicas de impressão . Estudos Japoneses, (42), 57-82. https://doi.org/10.11606/issn.2447-7125.v0i42p57-82

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento