A escrita de si na literatura japonesa: uma breve análise do Diário de Tosa e do Diário da efemeridade

Autores

  • Joy Nascimento Afonso Universidade Estadual Paulista (Assis-SP). Departamento de Letras Modernas.
  • Gabriela Kvacek Betella Universidade Estadual Paulista (Assis - SP). Departamento de Letras Modernas.

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-7125.vi44p21-37

Palavras-chave:

Diários, Literatura Japonesa, Diário de Tosa, Diário da Efemeridade

Resumo

Embora na atualidade a literatura oriental possa ser percebida com mais facilidade em nosso cotidiano, devido à globalização do mercado editorial e à possibilidade de acesso às traduções para a língua portuguesa, parece-nos que pouco se conhece de obras canônicas da cultura japonesa. Muito do que temos acesso hoje – obras representativas da literatura contemporânea – foi influenciado pela literatura clássica, por mais que possa parecer contraditório em termos de inovações da prosa. O presente artigo tem como objetivo analisar, de forma breve, duas obras clássicas da literatura japonesa sob o enfoque da voz narrativa diaristica, atualmente conhecida como produção intimista ou escrita de si. Apesar de constituírem de fato dois diários, as vozes narrativas das duas obras possuem características peculiares, refletem a sociedade e a cultura da época de maneira particular. Dessa forma, temos acesso, também, ao período de florescimento da cultura autóctone japonesa, onde escrita e literatura se formaram no país. Os dois diários aqui analisados, contemporâneos entre si, influenciaram profundamente a literatura japonesa, visto que foram as primeiras obras escritas utilizando-se da voz narrativa feminina. O Diário de Tosa, escrito pelo poeta Ki no Tsurayuki (872 – 945), tem como narradora uma dama que acompanha a viagem de retorno do governador de Tosa e seu séquito à capital Heian, e no Diário da Efemeridade, a autora conhecida apenas como Mãe de Michitsuna (936 – 995) assume a voz narrativa, a fim de relatar suas próprias memórias como dama da corte, casada com um dos príncipes regentes da Corte de Heian.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joy Nascimento Afonso, Universidade Estadual Paulista (Assis-SP). Departamento de Letras Modernas.

Docente da área de Japonês no Departamento de Letras Modernas na UNESP, Assis-SP/ Brasil. Doutoranda do Programa Literatura e Vida Social UNESP-Assis e mestre em Língua, Literatura e Cultura Japonesa pelo Departamento de Letras Orientais da FFLCH-USP, com ênfase em literatura moderna japonesa; joy.afonso@unesp.br.

Gabriela Kvacek Betella, Universidade Estadual Paulista (Assis - SP). Departamento de Letras Modernas.

Docente da área de Italiano no Departamento de Letras Modernas na UNESP, Assis - SP/ Brasil. Doutora e mestre em Teoria Literária e Literatura Comparada pela FFLCH-USP, pós-doc no IEB-USP, com trabalhos de análise de narrativas em primeira pessoa e gêneros híbridos autobiográficos: diários, cartas, autobiografia, crônica; kvacek.betella@unesp.br.

Referências

BUNDY, Roselee. Japan’s First Woman Diarist and the Beginnings of Prose Writings by Women in Japan. Women’s Studies, vol. 19, pp. 79 – 97, 1991, Disponível em: https://doi.org/10.1080/00497878.1991.9978855. Acesso em: 19 out. 2017.

FRIEDMAN, Norman. O ponto de vista na ficção – o desenvolvimento de um conceito crítico. Trad. Fábio Fonseca de Melo. Revista USP, n.53, 2002, p. 166-182.

KI NO TSURAYUKI. Tosa Nikki. In: MORI, Michiyo et al. (orgs). Koten Nihon Bungaku Zenshū (Literatura Clássica Japonesa – Obras Completas) – Ōchō Nikki Shū (Diários Completos da Dinastia Heian). Vol. 08. Tóquio: Kasamashoin, 1960. pp. 04 – 28.

KI NO TSURAYUKI. Diário de Tosa (Tosa Nikki). Tradução Neide Hissae Nagae, 2014. (Tradução Inédita)

KLINGER, Diana Irene. ESCRITAS DE SI, ESCRITAS DO OUTRO: o retorno do autor e a virada etnográfica, Rio de Janeiro: 7Letras, 2007.

MAGALHÃES, Isabel Allegro. Diferenças Sexuais na Escrita: ao contrário de Diotima. In: CIEG (Centro Universitário de Estudos Germanísticos). Actas do Colóquio “Escrita de Mulheres”. Coimbra: Universidade de Coimbra, 2004, nº 9, pp. 09 – 23.

MATHIAS, Marcelo Duarte. Autobiografias e Diários. Revista Colóquio/ Letras, nº 143/144, jan.1997, pp. 41 – 62. Disponível em: http://coloquio.gulbenkian.pt/bib/sirius.exe/getrec?mfn=7522&_template=singleRecord. Acesso em: 09 nov. 2017.

MICHITSUNA NO HAHA. Kagerō Nikki (O Diário da Efemeridade). In: MORI, Michiyo et al. (orgs). Koten Nihon Bungaku Zenshū (Literatura Clássica Japonesa – Obras Completas) – Ōchō Nikki Shū (Diários Completos da Dinastia Heian). Vol. 08. Tóquio: Kasama Shoin, 1960. pp. 29 – 150.

MICHITSUNA NO HAHA. The Gossamer Years. [Kagerō Nikki]. Trad. Edward Seidensticker. Tokyo: Charles E. Tuttle, 1994.

MINER, Earl. The Traditions and Forms of the Japanese Poetic Diary. Pacific Coast Philology. Vol. 3, Abril- 1968. Penn State University, pp. 38 – 48.

NAGAE, Neide Hissae. O surgimento do diário como obra literária na literatura clássica japonesa. Estudos Japoneses, n. 22, 2002, pp. 91-102.

NAGAE, Neide Hissae. A Voz narrativa e os poemas nos diários literários japoneses: Tosa Nikki e Izumi Shikibu Nikki. Estudos Japoneses, n. 27, 2007, pp. 147-162.

SEIDENSTICKER, Edward. Introduction. In: MICHITSUNA NO HAHA. The Gossamer Years. [Kagerō Nikki]. Trad. Edward Seidensticker. Tokyo: Charles E. Tuttle, 1994, pp. 07 – 29.

SUZUKI, Tae. A sociedade da época Heian. Estudos Japoneses, nº 12, 1992, pp. 133 – 142.

Downloads

Publicado

2020-12-30

Como Citar

Afonso, J. N., & Betella, G. K. (2020). A escrita de si na literatura japonesa: uma breve análise do Diário de Tosa e do Diário da efemeridade. Estudos Japoneses, (44), 21-37. https://doi.org/10.11606/issn.2447-7125.vi44p21-37

Edição

Seção

Artigos