Koronia-go. Uma concepção de língua como prática social legítima

Autores

  • Fabiana Cristina Ramos Patrocínio Universidade Federal do Paraná
  • Monica Okamoto Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-7125.i46p57-69

Palavras-chave:

koronia-go, língua japonesa, língua padrão, língua como prática social, Círculo de Bakhtin

Resumo

A língua da colônia japonesa no Brasil (koronia-go), por vezes, foi valorada socialmente como uma variante de menor prestígio em comparação com a língua japonesa considerada padrão. Estudos recentes sobre a linguagem (MAKONI & PENNYCOOK, 2006; PENNYCOOK, 1998, 2001, 2003, 2010) questionam essas hierarquizações linguísticas propondo reflexões sobre as concepções de linguagem que não contemplam a língua em seu meio social. Assim sendo, este trabalho tem por objetivo fazer uma discussão sobre a valoração da língua da colônia japonesa, a koronia-go, por meio da concepção de linguagem do Círculo de Bakhtin (BAKHTIN, 2013, 2015, 2016; VOLOCHINOV, 2017) e pelas concepções teóricas no campo da linguagem que concebem a língua como prática social e problematizam a língua padrão como um referencial inquestionável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana Cristina Ramos Patrocínio, Universidade Federal do Paraná

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal do Paraná.

Monica Okamoto, Universidade Federal do Paraná

Professora Associada de Língua e Literatura Japonesa da Universidade Federal do Paraná.

Referências

ADACHI, Nobuko. “But It’s Our Mother Tongue”!: The Japanese Language as Spoken in a Japanese Brasilian Community. In: Japanese Language and Literature. Chicago, American Association of Teachers of Japanese, v. 49, n. 2, p. 453–483, outubro, 2015.

ANDERSON, Benedict. Comunidades Imaginadas. 1ª. ed. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2008.

BAGNO, Marcos. O que é uma língua? Imaginário, ciência e hipostáse. In: LAGARES, Xoán; BAGNO, Marcos, (org.). Políticas da Norma e Conflitos Linguísticos. São Paulo: Parábola Editorial, 2011. p. 356-387.

BAKHTIN, Mikhail. Questões de estilística no ensino da língua. In: BOTCHAROV, Serguei; GOGOTICHVILI, Liudimila, (org.). Questões de Estilística no Ensino da Língua. 2a ed. São Paulo: Editora 34, 2019. p. 23–43.

BAKHTIN, Mikhail. Teoria do Romance I: A Estilística. 1a ed. São Paulo. Editora 34, 2015.

BAKHTIN, Mikhail. Os Gêneros do Discurso. São Paulo: Editora 34, 2016.

FAIRCLOUGH, Norman. Language and Power. 2a ed. New York: Routledge, 2013.

FARACO, C. A. Interação e linguagem: balanço e perspectivas. Calidoscópio, São Leopoldo, Unisinos, v. 3, n. 3, p. 214–221, setembro/dezembro, 2005.

FARACO, C. A. O problema do conteúdo, do material de forma na arte verbal. In. BRAIT, Beth. (org.). Bakhtin: Dialogismo e Polifonia. São Paulo: Contexto, 2009, p. 95–111.

HANDA, Tomoo. Vida nas fazendas de café. In: SAITO, Hiroshi; MAEYAMA, Takashi. (org.). Assimilação e Integração dos Japoneses no Brasil. São Paulo: Editora Vozes Ltda., 1987. Capítulo 2, p. 110–112.

HOBSBAWM, Eric J. A Era das Revoluções . 1789-1848. 40a. ed. São Paulo: Paz e Terra Ltda., 2018.

MAKONI, Sinfree; PENNYCOOK, Alastair. Desinventing and Reconstituing Languages. In: MAKONI, Sinfree; PENNYCOOK, Alastair (org.). Desinventing and Reconstituing Languages. Clevedon, England: Multilingual Matters Ltd, 2006.

MASE, Yoshio. A língua japonesa dos imigrantes japoneses e seus descendentes no Brasil. Estudos Japoneses, São Paulo, v. 7, p. 137- 46, 1987.

MORALES, Leiko Matsubara. O professor de língua japonesa e a linguagem. In: MORALES, Leiko Matsubara (org.). Ensino e Aprendizagem da Língua Japonesa no Brasil: Um Convite à Reflexão sobre a Prática de Ensino. São Paulo: Japan Foundation, 2011, Capítulo 1, p. 27– 41.

OTA, Junko. As línguas faladas nas comunidades rurais nipo-brasileiras do estado de São Paulo e a percepção das três gerações sobre a “mistura de línguas”. Estudos Japoneses, São Paulo, n. 28, p.137-148, 2008.

OTA, Junko. A língua falada nas comunidades rurais nipo-brasileiras do estado de São Paulo-considerações sobre koronia-go. Synergies Brésil, São Paulo, v. 7, p. 49–56, 2009.

PENNYCOOK, Alastair. English and the Discourses of Colonialism. 1a. ed. London: Routledge, 1998.

PENNYCOOK, Alastair. Linguística Aplicada Pós-Ocidental. In: CORACINI, Maria José; BERTOLDO, Ernesto Sérgio (org.). O Desejo da Teoria e a Contingência da Prática: Discursos sobre e na Sala de Aula: (língua materna e língua estrangeira). Campinas: Mercado de Letras, p. 21–59, 2003.

PENNYCOOK, Alastair. Language as a Local Practice. Abingdon, Reino Unido: Routledge, 2010.

VOLÓCHINOV, Valentin. Marxismo e Filosofia da Linguagem. São Paulo: Editora 34, 2017.

Downloads

Publicado

2022-09-08

Como Citar

Patrocínio, F. C. R., & Okamoto, M. (2022). Koronia-go. Uma concepção de língua como prática social legítima. Estudos Japoneses, (46), 57-69. https://doi.org/10.11606/issn.2447-7125.i46p57-69

Edição

Seção

Artigos