Eduardo Galeano e os jogos de linguagem

entre a Literatura e a História

  • Heloisa Helena Ribeiro de Miranda Instituto Federal de Ciências e Tecnologia de Rondônia
  • Célia Maria Reis Universidade Federal de Mato Grosso
Palavras-chave: Eduardo Galeano, Literatura e História, Linguagem

Resumo

A história, em seu estatuto de ciência, compõe-se como um gênero narrativo. A literatura, expressão artística, está naturalmente implicada na história, que a constitui como gênero produzido pelo homem, imerso na temporalidade.  O “ponto-zero”, que marca o antes e o depois entre a história e a literatura, está no fato de ambas se constituírem como linguagem. Sendo assim, pretendemos nesse texto demonstrar como o discurso histórico pode fazer uso da linguagem literária na composição da narrativa historiográfica. Para tanto, analisaremos o texto “Palabras perdidas”, do uruguaio Eduardo Galeano, retirado da obra Espejos: una historia casi universal (2008), observando que, embora Galeano não cumpra as exigências do método da historiografia estrutural (demarcação temporal, relato dos fatos, informação das fontes etc), seu texto oferece outra configuração, possível ao discurso histórico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Heloisa Helena Ribeiro de Miranda, Instituto Federal de Ciências e Tecnologia de Rondônia
Doutoranda em Estudo de Linguagem, Mestrado em Estudos de Linguagem, pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) graduação em Letras Língua e Literatura Hispânica (2011) e Língua Portuguesa e Literatura Brasileira e Portuguesa (2004). É professora do Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologias de Rondônia - Campus Vilhena. Atuando na Área de Ensino de Língua Espanhola e Literatura.
Célia Maria Reis, Universidade Federal de Mato Grosso

Graduada em Letras, com mestrado em Teoria Literária e doutorado em Literatura Brasileira, ambos cursados na UNESP/São José do Rio Preto/SP, e pós-doutorado na área de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa/Depto de Letras Clássicas e Vernáculas/FFLCH/ USP. É Professora Associada IV, docente do Curso de Graduação em Letras e do Programa de Pós-graduação em Estudos de Linguagem (PPGEL) da Universidade Federal de Mato Grosso. Coordena o Grupo de Pesquisa Lugares de Arte: linguagens, memórias, fronteiras, interinstitucional, e é editora do periódico científico Polifonia (Qualis B1). Em seu Curriculum, os termos usuais no contexto de sua produção científica, artística e tecnológica são: teoria literária, crítica literária, literaturas de Língua Portuguesa, literatura mato-grossense, literatura infanto-juvenil, estudos comparados, diálogos interartes, literatura e ensino, formação de professor de Letras, universidade-comunidade e extensão.

Referências

BARTHES, Roland. Aula. Tradução: Leyla Perrone-Moiséis. São Paulo: Cultrix, 1977.

_____. Elementos de Semiologia. Tradução Izidoro Bliskein. São Paulo: Cultrix, 1964.

COHEN, Jean. Estrutura e linguagem poética. Tradução Álvaro Lorencini e Anne Arnichand. São Paulo: Cultrix/Edusp, 1974.

GALEANO, Eduardo. Espejos: una historiacasi universal. Buenos Aires: Siglo XXI, 2008.

HJELMSLEV, Louis. Essais linguistiques. Paris: Editions de Minuit, 1971.

JAKOBSON, R.Linguística e comunicação. São Paulo: Perspectiva. 2010.

JOUTARD, Phillipe. Reconciliar história e memória? In: Escritos/ um. Revista da Funcação Casa de Rui Barbosa, Rio de Janeiro, ano 1, nº 1, 2007, p. 223-235.

LE GOFF. Jacques. Historia e memória. Campinas: UNICAMP, 1990.

NORA, Pierre. Entre história e memória: a problemática dos lugares. In: Projeto História. São Paulo: Revista do Programa de Pós-Graduação em história, nº10, 1993, p. 7-28.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento e silêncio. In: Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 2, nº 3, 1989, p. 3-17.

REIS. José Carlos. O CONCEITO DE TEMPO HISTÓRICO EM RICOEUR, KOSELLECK E "ANNALES": UMA ARTICULAÇÃO POSSÍVEL. In: Síntese Nova Fase. Vol 23, nº 73, 1996, pp 229-252.

RICOEUR, Paul. A metáfora viva. Tradução Dion Davi Macedo. São Paulo: Editora Loyola, 2005.

______. A memória, a história e o esquecimento. Tradução: Alain François. Campinas: Editora Unicamp, 2007.

RODRÍGUEZ MOLINA, J. La gramaticalización de los tiempos compuestos em español antiguo: cinco cambios diacrónicos. 2010. Tese de doutorado em Filologia do Departamento de Filologia Espanhola, Faculdade de Filosofia y Letras da Universidade Autónoma de Madrid, 2010.

SAUSSURE, Ferdinand. Curso de Linguística Geral. São Paulo: Cultirx, 2006.

WHITE, Hayden. Teoria literária e escrita da história. In: Estudos Históricos. Rio de janeiro, vol. 7, n. 13, 1991, p. 21-48.

TODOROV, Tzvetan. Los abusos de lamemoria. Barcelona: Paidos, 2000.

Publicado
2019-09-30
Como Citar
de Miranda, H. H., & Reis, C. (2019). Eduardo Galeano e os jogos de linguagem. Revista Entrecaminos, 3(1), 62-78. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/entrecaminos/article/view/143539