Formas do esquecimento

escritura do Alzheimer na literatura latino-americana contemporânea

  • Renata Cristina Pereira Raulino Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Esquecimento, Alzheimer, Literatura latino-americana contemporânea

Resumo

Nesta comunicação, apresentarei o meu projeto de pesquisa de doutorado, em que analisarei como o esquecimento mobiliza  a escritura de textos literários latino-americanos contemporâneos, nos quais personagens com doença de Alzheimer são centrais para a escrita. O corpus inicial é o seguinte: Desarticulaciones (2010), de Sylvia Molloy; El eco de mi madre (2010), de Tamara Kamenzsain; En la laguna más profunda (2011), de Óscar Collazos; Diário da queda (2011), de Michel Laub; O lugar escuro: uma história de senilidade e loucura (2007), de Heloísa Seixas; e “H”, poema do livro Monodrama (2009), de Carlito Azevedo. Pretendo  contribuir para as reflexões sobre a abordagem dos sintomas de uma enfermidade como material literário, elaboração tão em voga atualmente na literatura contemporânea  e latino-americana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. A comunidade que vem. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

AZEVEDO, Carlito. Monodrama. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2009.

BLANCHOT, Maurice. La amistad. In: La amistad. Madrid: Trotta, 1976.

BOUZAGLO, Nathalie; GUERRERO, Javier (comp.). Excesos del cuerpo: Ficciones de contagio y enfermedad en América Latina. Buenos Aires: Eterna Cadencia, 2009.

CHEJFEC, Sergio. Lengua simple, nombre. Disponível em: <https://www.asymptotejournal.com/nonfiction/sergio-chejfec-simple-language-name/spanish/>. Acesso em: 03 ago. 2018.

COLLAZOS, Oscar. En la laguna más profunda. Bogotá: Norma, 2011.

ESPOSITO, Roberto. Communitas: origen y destino de la comunidad. Buenos Aires: Amorrortu, 2012.

FERIANI, Daniela. Entre sopros e assombros. Estética e experiência na doença de Alzheimer. 316 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017. Disponível em: <http://repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/324984>. Acesso em: 20 fev. 2018.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar, escrever, esquecer. São Paulo: 34, 2014.

HAUTZ, Oliver. Opening minds through art: students’ constructions of people with dementia. In: SWINNEN, Aagje & SCHWEDA, Mark (eds.). Popularizing Dementia: Public Expressions and Representations of Forgetfulness. Aging Studies, vol.6. Bielefeld (Alemanha): Transcript Verlag, 2015. E-book.

KAMENZSAIN, Tamara. El eco de mi madre. Buenos Aires: Bajoluna, 2010.

KRÜGER-FÜRHOFF, Irmela. Narrating the limits of narration: Alzheimer’s disease in contemporary literary texts. In: SWINNEN, Aagje & SCHWEDA, Mark (eds.). Popularizing Dementia: Public Expressions and Representations of Forgetfulness. Aging Studies, vol.6. Bielefeld (Alemanha): Transcript Verlag, 2015. E-book.

LAUB, Michel. Diário da queda. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

MOLLOY, Sylvia. Desarticulaciones. Buenos Aires: Eterna Cadencia, 2010.

SEIXAS, Heloisa. O lugar escuro: uma história de senilidade e loucura. Rio de Janeiro: Objetiva, 2007.

SONTAG, Susan. Doença como metáfora/ AIDS e suas metáforas. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

Publicado
2019-09-30
Como Citar
Raulino, R. (2019). Formas do esquecimento. Revista Entrecaminos, 3(1), 88-94. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9748.v3i1p88-94
Seção
Artigos