A doença e a dissolução do sujeito, em Fruta Podrida, de Lina Meruane. O que pode o corpo escrito?

  • Ana Carolina Macena Francini Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Fruta Podrida, Lina Meruane, doença, corpo, sujeito

Resumo

O romance contemporâneo Fruta podrida (2008), da escritora chilena Lina Meruane, narra a história de duas irmãs que vivem no campo:  María- a mais velha-, especialista em pesticidas, e Zoila – irmã mais nova-, diagnosticada com diabete. Chama a atenção o fato de a narrativa girar em torno do corpo doente de Zoila o qual, sem estar sob o controle do “sujeito da consciência” da personagem, acaba por ser subjugado pela medicina que, legitimada pelo saber científico, detém o monopólio sobre o corpo enfermo.  Tendo isso em vista, o objetivo deste trabalho é analisar de que modo o romance, ao pôr em foco o corpo doente- seus sofrimentos e suas potencialidades-, problematiza a categoria de ‘pessoa’ ou de ‘sujeito da consciência/de direito’, como única forma possível/reconhecível do ser. A categoria de pessoa pensada para este trabalho é a que está presente em discursos jurídicos, filosóficos e políticos e que sustenta as reivindicações dos direitos humanos, contraditoriamente, tão em voga na contemporaneidade, conforme teorizou o filósofo italiano Roberto Esposito, em seus livros Tercera persona (2009) e Dispositivo de la persona (2011). Dessa forma, será pertinente investigar também como a dissolução da hierarquia binária mente/corpo, no romance de Meruane, pode – como ato político- permear o sensível (RANCIÈRE, 1995), desestabilizar os dispositivos de controle da biopolítica (FOUCAULT, 2004, 2011 ) e instigar por novas formas de liberar e pensar a vida para além da -exclusiva e excludente- categoria de pessoa.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BLANCHOT, Maurice. A conversa infinita 3: a ausência de livro, o neutro o fragmentário. São Paulo: Escuta, 2010.
BURNEO SALAZAR, Cristina. “Cuerpo geminado”. Cuerpo siamés. Quito: Turbina editorial, 2017.
CLARÍN- REVISTA Ñ. “Lina Meruane :La posición de víctima me parece de muy baja intensidad”, 2012. Disponível em: https://www.clarin.com/literatura/lina-meruane-entrevista_0_SJw4oShvmg.html
ESPOSITO, Roberto. El dispositivo de la persona. Buenos Aires: Amorrortu, 2011.
______. Tercera persona: política de vida y filosofia de lo impersonal. Buenos Aires: Amorrortu, 2009.
______. Las personas y las cosas. Buenos Aires: Katz Editores, 2016.
Excesos del cuerpo: ficciones de contagio y enfermedad en América Latina. Organização: Nathalie Bouzaglo e Javier Guerrero. Buenos Aires: Eterna Cadencia, 2009.
Foucault, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2011.
______. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2004.
GUATTARI, Felix. “Para acabar con la masacre del cuerpo”. Revista Fractal. n° 69, 2013. Disponível em: http://www.mxfractal.org/RevistaFractal69FelixGuattari.htm
MACIEL, Maria Esther. Literatura e animalidade. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2016.
MARITAIN, Jacques. Direitos do homem e a lei natural. Rio de Janeiro: Jose Olympio, 1967.
MERUANE, Lina. Fruta Podrida. Buenos Aires: Eterna Cadencia, 2007.
RANCIÈRE, Jacques. Políticas da escrita. Rio de Janeiro: Editora 34, 1995.
SARDUY, Severo. La simulación. Caracas: Monte Ávila Editores, 1982.
RECCHIA PAEZ, Juan. “Cuerpos infectos, cuerpos extraños: literatura y vida en Fruta podrida de Lina Meruane”. Estudios de Teoría Literaria. Revista digital: artes, letras y humanidades, septiembre de 2018, vol. 7, n° 14, pp. 155-168.
SONTAG, Susan. A doença como metáfora, Aids e suas metáforas. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.
Publicado
2019-09-30
Como Citar
Macena Francini, A. C. (2019). A doença e a dissolução do sujeito, em Fruta Podrida, de Lina Meruane. O que pode o corpo escrito?. Revista Entrecaminos, 3(1), 20-31. Recuperado de https://www.revistas.usp.br/entrecaminos/article/view/154056