Uma reflexão sobre as controvérsias teóricas e terminológicas dos falsos amigos português/espanhol

Autores

  • Zaine Guedes da Costa Universidade Federal do Pernambuco (UFPE)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9748.v4i1p173-189

Palavras-chave:

Falsos amigos, Português, Espanhol, Ensino-aprendizagem

Resumo

No presente trabalho tratamos de observar as controvérsias teóricas e de- nominações que envolvem o problema de confusão terminológica entre palavras que apresentam formas parecidas ou iguais, mas com sentidos diferentes, a saber, os falsos amigos português/espanhol. Nesse sentido, averiguamos que não existe unanimidade em relação à alcunha e à teoria que elas abarcam. Refletimos também que é preciso ir mais além da obviedade já constatada pela Linguística Histórica que palavras de línguas diferentes não podem ser configuradas como equivalentes ou correspondentes em sua estrutura. Dessa forma, finalizamos sugerindo, como alternativa plausível, uma abordagem interdisciplinar com o aporte da Psicologia Cognitiva, ou ainda o viés diacrônico, na tentativa de elucidar, pelo menos em parte, quais fatores teriam corroborado para a formação dos homônimos, parônimos e de palavras de mesmo étimo que desenvolveram através do tempo acepções particulares de sentido.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BARALO OTTONELLO, Marta. Errores y Fosilización. Madrid: Universidad

Antonio de Nebrija, 1996.

BENVENISTE, Émile. Natureza do signo linguístico. In: PROBLEMAS DE LINGUÍSTICA GERAL, Campinas: Pontes, 2005.

BUGUEÑO MIRANDA, Félix Valentín. Os dicionários de falsos amigos. Pelotas: Editora Universidade católica de Pelotas, 2008. p. 1-17.

CEOLIN, Roberto. 2003. Falsos amigos estruturais entre o português e o castelhano. In: Revista Philologica Românica. Disponível em: ww.romaniaminor.net/ianua/ianua04/ianua04_05.pdf. Acessado em: 29 ago. 2015. pp. 39-48.

CHOMSKY, N. 1980. Reflexões sobre a linguagem. São Paulo: Cultrix.

CHUQUET, Hélène; PAILLARD, Michel. Approche linguistique des problèmes de traduction anglais-français, Paris: Orphys, 1987.

COROMINAS, Joan; PASCUAL, José Antonio. Diccionario Crítico Etimológico Castellano e Hispánico. Madrid: Gredos, 1983.

COSTA, Zaine Guedes. Falsos cognatos: revisão da fundamentação teórica e proposta de novas abordagens práticas para

sua aplicação nos processos de ensino-aprendizagem de ELE no Brasil. 2016. Dissertação de mestrado em Linguística. Universidade Federal de Pernambuco. Recife. p. 125. 2016.

DICIONÁRIO PRIBERAM DA LÍNGUA PORTUGUESA [em linha] 2013, http://www.priberam.pt/dlpo/abatido [consultado em 23-11-2019].

DURÃO, Adja Balbino de Amorim Barbieri. Análisis de errores en la interlengua de brasileños aprendices de español y de españoles aprendices de portugués. 2ª ed. mod. Londrina: Eduel, 2004.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. São Paulo: Objetiva, 2001.

KOESSLER, Maxime; DEROCQUIGNY, Jules. Les faux amis ou le pièges du vocabulaire anglais. Paris: Libraire Vuibert, 1928.

LADO, Robert. Linguística Contrastiva. Madrid: Ediciones Alcalá, 1973.

LEIVA, Myrian. Jeanette Serey. Falsos cognatos em português e espanhol. Dissertação de mestrado em Linguística Aplicada. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1994.

MASIP, Vicente. Armadilhas da língua espanhola: um guia completo. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2013.

MASIP, Vicente. Fonologia e Ortografia portuguesa. Um curso para alfabetizadores. São Paulo: E.P.U 2000.

MIRANDA POZA, José Alberto. Propuesta de análisis de falsos amigos en español y português: diacronia, campo léxico y cognición (semântica de los protótipos). Valladolid: Editorial Verdelís, 2014.

MIRANDA POZA, José Alberto. La universidad ante los desafíos de la enseñanza de español en Brasil. Eutomia (Recife), v. 10, 2012, p. 339-361.

MIRANDA POZA, José Alberto. Introdução à Linguística. Recife: Editora Universitária da UFPE, 2011.

REAL ACADEMIA ESPAÑOLA. Diccionario de la lengua española. 22ª ed.2001. Disponível em: <http://www.rae.es/>. Acesso em: 15-11-2019.

ROBINS, Robert. General Linguistics: An lntroductory Survey. Great Britain: Longman, 1971.

SABINO, Mariley Amadeo. Falsos cognatos, falsos amigos ou cognatos enganosos? Desfazendo a confusão teórica através da prática. ALFA Revista de Lingüística, São Paulo, 50 (2): 251-263, 2006.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Linguística Geral. 30. ed. São Paulo: Cultrix, 2001.

SELINKER, Larry. 1972. “Interlanguage”: International Review of Applied Linguistics in Language Teaching 10(1–4):209–232.

VITA, Claudia Pacheco. A opacidade da suposta transparência: quando “amigos” funcionam como “falsos amigos”. 193 f. Dissertação (Mestrado em Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano - Americana) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

Downloads

Publicado

2020-11-24

Como Citar

Costa, Z. G. da. (2020). Uma reflexão sobre as controvérsias teóricas e terminológicas dos falsos amigos português/espanhol. Revista Entrecaminos, 4(1), 173-189. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9748.v4i1p173-189

Edição

Seção

LINGUAGENS E FRONTEIRAS