Literatura e política na Argentina: a memória como construção em "Ezeiza", de Fabián Casas, e uma proposta para a contemporaneidade

Autores

  • Tainá Cristina Costa Lopes Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9748.v4i1p96-106

Palavras-chave:

literatura argentina, ideologia, política

Resumo

O texto literário não é somente ficção, pois capta sempre algo do social; trata-se de uma prática discursiva inserida em outras práticas, impregnada de vozes e memórias, e, por isso, é sempre contaminada pelo ideológico, pelo político, pelo histórico. Essas relações foram teorizadas por Ricardo Piglia, segundo o qual, é típico, na tradição literária argentina, tematizar o confronto entre duas vozes, com suas narrativas: a do povo e a do Estado, cujo objetivo é fazer crer em certa versão da história e justificar suas atitudes opressoras. Porém, às ficções estatais se contrapõem outras narrativas, nas quais o autor nem sempre aborda o que viu ou viveu; muitas vezes ele é o porta-voz dos relatos do povo, que circulam e se chocam com as versões oficiais, como versões possíveis cujo objetivo é não deixar que a história se apague, construindo uma memória. Esse é o caso da narrativa presente no poema “Ezeiza”, de Fabián Casas, que remete ao “massacre de Ezeiza’, ocorrido em 1973, no aeroporto de mesmo nome. O texto foi analisado por Martín Kohan em uma aula magistral e é justamente essa análise que tomo como ponto de partida e ouso am- pliar, em uma discussão sobre literatura, política e memória como processo discursivo performativo e literário, considerando que a memória construída pelo eu lírico sobre o incidente que dá nome ao poema acontece a partir do que ele viveu enquanto espectador distante, e dos relatos que ouviu de quem esteve efetivamente no massacre. Ainda assim, a memória postulada em Ezeiza é política, como uma continuação da poesia política, mas por outros meios. Considerando que, em geral, a inscrição da política na literatura se dá a partir dos registros históricos, da memória e da disputa de narrativas, Piglia, em texto de 2001, no qual apresenta três propostas para a literatura no novo milênio, questiona-se acerca de seu futuro e de sua função. Logo, a título de conclusão, apresento a minha própria perspectiva para a literatura e sua relevância na contemporaneidade, baseando-me na seguinte citação de Calvino: “minha fé no porvir da literatura consiste em saber que há coisas que só a literatura com seus meios específicos pode brindar".

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

CASAS, Fabián. Oda. Buenos Aires: Libros de Tierra Firme, 2003.

GARCÍA, Germán Leopoldo et al. No matar la palabra, no dejarse matar por ella. In: ALBA, Alberto (Ed.). Revista Literal, Buenos Aires, Ediciones Noé, n. 1, pp. 5-13, nov. 1973.

KOHAN, Martín. Dos ausentes en Ezeiza (poesía y política en el nuevo siglo). Cuadernos de Recienvenido, São Paulo, 20, 2007.

PIGLIA, Ricardo. Mao Tse-tung: Practica estética y lucha de clases. In: SOLOVEV, Z. J. et al (Eds.). Literatura y Sociedad. Buenos Aires: Tiempo contemporáneo, 1974.

PIGLIA, Ricardo. Tres propuestas para el próximo milenio y cinco dificultades. Revista Casa de las Américas, n. 222, Cuba, ene.-mar. 2001, pp. 11-20.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. São Paulo: Editora 34, 2000.

Downloads

Publicado

2020-11-24

Como Citar

Lopes, T. C. C. (2020). Literatura e política na Argentina: a memória como construção em "Ezeiza", de Fabián Casas, e uma proposta para a contemporaneidade. Revista Entrecaminos, 4(1), 96-106. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9748.v4i1p96-106

Edição

Seção

POIESIS