O sujeito diante da aceleração e da ilimitação contemporânea

Autores

  • Claudine Haroche Centre National de la Recherche Scientifique Edgar-Morin

DOI:

https://doi.org/10.1590/s1517-97022015041920

Resumo

A ampliação dos fluxos tecnológicos, com sua velocidade e crescente aceleração, tem acompanhado e até mesmo provocado a emergência de um mundo líquido e doravante globalizado, em que real e virtual, profundamente imbricados, tendem a ser desprovidos de limites. A construção do sujeito na modernidade bem como as condições da vida psíquica e social foram assim profundamente perturbadas. As condições contemporâneas são dominadas por fluxos sensoriais e informacionais contínuos que, estimulando e até mesmo impondo a instantaneidade e a imediatidade, embaraçam a possibilidade de temporização e de reflexão ao longo do tempo. Esses fluxos provocam efeitos sobre as maneiras de ser, de viver, de pensar, os modos de representação de si e do outro e ainda sobre as maneiras de sentir e de perceber: ao exercer uma pressão contínua sobre os indivíduos, provocam a perda de critérios estáveis e o princípio de limites tangíveis ou pelo menos perceptíveis no espaço e no tempo. Os fluxos contínuos levam o indivíduo a formas de propriedade de si ilimitadas, ao mesmo tempo em que induzem um estreitamento do espaço interior: induzem uma insegurança psíquica e social profunda e, além disso, formas de angústia inéditas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2015-12-01

Como Citar

Haroche, C. (2015). O sujeito diante da aceleração e da ilimitação contemporânea . Educação E Pesquisa, 41(4), 851-862. https://doi.org/10.1590/s1517-97022015041920

Edição

Seção

Artigos