Questões de gênero em Platão e Eurípedes: corpos antigos e gender performativity

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1678-4634202147226076

Palavras-chave:

Platão, República, Eurípedes, As Bacantes, Gender performativity

Resumo

O presente artigo propõe uma análise de dois textos clássicos da Antiguidade grega, As Bacantes de Eurípedes e a República de Platão, à luz da teoria contemporânea de gender performativity de Judith Butler. O conceito de gender performativity será apropriado para ilustrar analogamente, mesmo que de forma anacrônica, o quanto que o imaginário grego, apesar de temporalmente distante, pode nos apresentar – seja a partir do discurso filosófico, seja a partir do discurso literário da tragédia grega – bons exemplos para uma das teorias mais sofisticadas, diríamos, no campo dos estudos de gênero hoje. A proposta é a de mostrar de que modo o conteúdo desses dois textos nos permite compreender o debate contemporâneo da teoria crítica das identidades de gênero. Trata-se de identidades fixadas em atos performativos que conformam o gênero ao sexo anatômico, limitando-o a duas possibilidades: masculino ou feminino. Considerando o contexto histórico e as questões que são próprias do mundo grego antigo, a análise aqui proposta nos permitirá jogar luz, especialmente, nas estratégias que Platão e Eurípedes empreenderam no sentido de deslocar as normas de gênero constituídas na pólis. O exame dos textos permitiu-nos identificar que na antiguidade, mas também na contemporaneidade, mesmo que de forma diferente, as discussões das relações de gênero estão ajustadas, principalmente, pelo discurso político a respeito dessas relações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2021-06-14

Como Citar

Silva, V. ., & Cornelli, G. . (2021). Questões de gênero em Platão e Eurípedes: corpos antigos e gender performativity. Educação E Pesquisa, 47, 1-16. https://doi.org/10.1590/S1678-4634202147226076

Edição

Seção

Artigos