Injustiças e astúcias associativas nas ocupações das escolas públicas do Rio de Janeiro em 2016

Autores

  • Ubirajara Santiago de Carvalho Pinto Instituto Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1678-4634202147238861

Palavras-chave:

Sentidos de injustiça, Escola justa, Direitos humanos, Mobilizações estudantis, Astúcias associativas

Resumo

A partir de dados qualitativos construídos em pesquisa de campo realizada no ano de 2016 em cinco escolas públicas estaduais do Rio de Janeiro, são analisados os sentidos de injustiça que atravessam a escolarização pública estadual e os modos de atuar que conformam as ocupações das escolas e a experiência escolar atual. As análises conduzem a ampliar a definição da escola como arena pública e à percepção da multiplicidade de formas pelas quais os vínculos políticos se constituem, se rompem e se mantêm na escola e nas ocupações, assim como a interrogar as deficiências do equipamento público escolar e das políticas públicas destinadas ao ensino médio no Rio de Janeiro e noutros estados. Na mesma direção, argumenta-se no sentido de mostrar o instável e dificultoso trabalho associativo dos estudantes em vista de sustentar, enquanto coabitam a escola ocupada, a denúncia dos problemas que atravessam sua escolarização. As situações encontradas interrogam tanto a oferta de uma escola pública habitável quanto a ineficácia da qualificação escolar dos estudantes/jovens das classes populares brasileiras, entre os quais as questões problemáticas trazidas à tona evidenciam uma difícil batalha pela escolarização e pela autonomização nas condições complexas, desiguais e plurais da sociedade brasileira atual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2021-08-23

Como Citar

Pinto, U. S. de C. . (2021). Injustiças e astúcias associativas nas ocupações das escolas públicas do Rio de Janeiro em 2016. Educação E Pesquisa, 47, 1-18. https://doi.org/10.1590/S1678-4634202147238861

Edição

Seção

SEÇÃO TEMÁTICA: JUSTIÇA E EDUCAÇÃO: UM DEBATE NECESSÁRIO