Experiência e observação: de Rousseau ao Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil

Autores

  • Sueli Soares dos Santos Batista

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1517-97022011000400007

Palavras-chave:

Teoria crítica e educação, Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, Educação e emancipação

Resumo

O artigo tem o objetivo de resgatar os conceitos de experiência e observação presentes em Emílio, de Jean-Jacques Rousseau, discutindo-os na perspectiva de uma educação para a emancipação, conforme formulada pelos autores da teoria crítica, especialmente Walter Benjamin e Theodor W. Adorno. Considerando a utilização e a valorização desses conceitos na teoria e na prática educativas, analisou-se a abordagem dada a eles no Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil, com o objetivo de ressaltar a criticidade presente na defesa da experiência das crianças e de sua observação no cotidiano escolar. Conclui-se, a partir das reflexões sobre os textos de Rousseau e dos autores da teoria crítica, que, no referido documento, diante da polissemia da experiência formativa, ressaltam-se o recorte curricular, a instrumentalização da ação do professor, as experiências e aprendizagens ditas essenciais, a experiência que o professor propicia às crianças e o esquadrinhamento das subjetividades por meio da observação e do registro sistemático. Se Rousseau solicita-nos observar a criança, bem como proporcionar e valorizar experiências significativas, é porque, de alguma forma, valendo-se de um recurso teórico-metodológico, dirige-se a educadores e educandos concretos que, passados quase três séculos, ainda se emaranham entre conceitos e representações sociais de infância sem se darem conta da experiência que legitima a construção desses mesmos conceitos e representações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2011-12-01

Como Citar

Batista, S. S. dos S. (2011). Experiência e observação: de Rousseau ao Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil . Educação E Pesquisa, 37(4), 779-792. https://doi.org/10.1590/S1517-97022011000400007

Edição

Seção

Artigos