Dicionarização da língua brasileira de sinais: estudo comparativo iconográfico e lexical

Autores

  • Cássia Geciauskas Sofiato Universidade de São Paulo
  • Lucia Helena Reily Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.1590/S1517-97022014000100008

Resumo

A língua brasileira de sinais (Libras) utilizada pela comunidade surda no Brasil é uma língua de modalidade espaço-visual cuja representação gráfica comumente se dá por meio de imagens em dicionários impressos e em meio digital. No Brasil, o primeiro dicionário de língua de sinais de que se tem notícia é a Iconographia dos signaes dos surdos-mudos, que data de 1875. A partir da elaboração dessa obra, outras surgiram e foram se constituindo como materiais de referência para o ensino e o aprendizado da língua em questão. O presente trabalho objetiva, com base em dicionários de Libras que servem de referência, analisar e discutir a constituição histórica do gênero no Brasil a partir da identificação de características e fragilidades em relação à iconografia e à lexicografia de tais obras, fatores que podem interferir no ensino e no aprendizado dos sinais nos cursos de graduação. Do ponto de vista da abordagem do problema, esse estudo é qualitativo e caracteriza-se como documental. Foram selecionados cinco dicionários de Libras, pautando-se no critério da indicação bibliográfica em disciplinas de Libras em cursos de graduação. As categorias estabelecidas para a análise priorizaram a questão da representação das imagens (a iconografia) e os aspectos lexicais que as compõem. Por meio do estudo, observou-se que as obras analisadas apresentavam características bastante semelhantes em relação à apresentação, à constituição das imagens e aos aspectos lexicais, desafiando os profissionais que trabalham com esse gênero de ilustração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2014-03-01

Como Citar

Sofiato, C. G., & Reily, L. H. (2014). Dicionarização da língua brasileira de sinais: estudo comparativo iconográfico e lexical . Educação E Pesquisa, 40(1), 109-126. https://doi.org/10.1590/S1517-97022014000100008

Edição

Seção

Artigos