O antissemitismo como ódio obstinado

Autores

  • Mariana Rodrigues de Vita Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2318-8855.v10i2p221-236

Palavras-chave:

Antissemitismo, Nazismo, Mentalidade coletiva, História social

Resumo

O objetivo desse artigo é historicizar o antissemitismo, ou seja, considerá-lo como objetivo de estudo não anacrônico, mas condizente com o tempo em que se insere, levando em consideração as divergências ao longo de sua existência na Europa, as rupturas em seu cerne discursivo, mas também as continuidades. Para isso, se faz necessário analisar a vigência do ódio aos judeus em longa duração; na Idade Média, sobre a ótica da religiosidade e com os moldes de conversão, passando brevemente pelo século XIX com o alicerce da raça, como uma característica inerente e irreversível dos judeus, e pelo darwinismo social presente originalmente a partir do fim do século XIX alinhado às teorias eugenistas, e adentrando finalmente no período nazista, mais especificamente na origem do Estado Racial Nazista, utilizando como documentação primária Programa de 25 pontos do NSDAP que foi promulgado pelo Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores Alemães em 1920, escrito por Hitler e Anton Drexler. A inserção do antissemitismo no núcleo do pensamento da sociedade é, de fato, uma construção social, mas se dá simbioticamente às relações sociais como um todo, ou seja, um axioma, parte significativa e motriz da mentalidade coletiva, logo o antissemitismo era tão presente que se tornara um senso comum e futuramente seria a base e justificativa de hediondos crimes contra a humanidade cujo ápice foi o holocausto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Rodrigues de Vita, Universidade de São Paulo

Graduandade História na Universidade de São Paulo (USP). Faz parte do Projeto Mulheres na América Portuguesa coordenado pelas Professoras Doutoras Maria Clara Paixão de Souza e Vanessa Martins do Monte; e do Grupo de Pesquisa Ana Gertrudes de Jesus, mulher da terra: por uma história social dos grupos subalternos no Sul Global (África & Américas), coordenado pela Profª. Drª. Maria Cristina Wissenbach.

Referências

Fontes

“Justiça Alemã decide que arte antissemita pode permanecer em igreja”, Terra, 4 de fevereiro de 2020. Disponível em: https://www.terra.com.br/noticias/justica-alema-decide-que-arte-antissemita-pode-permanecer-em-igreja,ed7020d2f0b150ea92e846f191c79413abivucip.html Acessado em: 23/11/2020 às 22h17

JACKSON, Steven. LANG-STANTON, Peter. Eugenia: como movimento para criar seres humanos 'melhores' nos EUA influenciou Hitler. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/internacional-39625619

O “Caso Dreyfus”: no dia 12 de julho de 2006, a França celebrou 100 anos da reabilitação do capitão Alfred Dreyfus. O jovem oficial judeu foi protagonista do infame e mundialmente conhecido “caso Dreyfus”. (...) Morashá (54) setembro de 2006. Disponível em: http://www.morasha.com.br/antissemitismo/o-caso-dreyfuss.html

LEVI, P. Assim foi Auschwitz: testemunhos 1945-1986. Companhia das Letras, 2015.

LEVI, P. Os afogados e os sobreviventes: os delitos, os castigos, as penas, as impunidades. Paz&Terra. Rio de Janeiro, 2016.

Referências

ARENDT, H. Prefácio à terceira parte: o totalitarismo. In: ARENDT, H. O Sistema totalitário. Lisboa: Edições Dom Quixote, 1973.

ARENDT, Hannah. Origens do Totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

ARENDT, H. Eichmann em Jerusalém. Companhia das Letras: São Paulo, 1999.

BARON, S. “Nuevos enfoques acerda de la emancioación judia” In: BANKIER, D. (ed) La emancipacíon judía : antologia de artículos en perspectiva histórica. Jerusalém: Publicaciones Monte Scopus, 1983. pp.238-266

CYTRYNOWICZ, R. Memória da Barbárie: a história do genocídio dos judeus na segunda guerra mundial. Nova Stella: Editora da Universidade de São Paulo, 1990.

EHRILICH, M. “A compaixão na política – o caso dos justos entre as nações”. Revista eletrônica discente história.com, Bahia, v.3, n.6, 2016. pp.78-94

EVANS, R. A chegada do Terceiro Reich. São Paulo: Planeta, 2014.

FAUSTO, B. Ensaio bibliográfico: a interpretação do nazismo, na visão de Norbert Elias. MANA 4(1):141-152, 1998.

FUKS, B. A propósito da obra Retorno à questão judaica: diálogo com Elisabeth Roudinesco. Rev. Latinoam. Psicopat. Fund., São Paulo, v.14, n.2, junho de 2011. pp.383-389

GUERRA, Andre. Do holocausto nazista à nova eugenia no século XXI. Cienc. Cult. V (58), n(1). São Paulo: Jan./Mar 2006.

GOLDHAGEN, Daniel. Os carrascos voluntários de Hitler: o povo alemão e o holocausto. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

LOWY, M. “Barbárie e modernidade no século 20”. Tradução de Alessandra Ceregatti, Acessado em: https://www.ecodebate.com.br/2010/05/20/barbaire-e-modernidade-no-seculo-20-artigo-de-michael-lowy/ Acessado em: 23/11/2020 às 22:13

SNYDER, T. Terra Negra: O Holocausto como história e advertência. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

SCHMIDT, Maria Luiza. Sartre e a questão do preconceito. Imaginario. v.11 São Paulo dez. 2005.

VIEIRA, Fábio Antunes. O antissemitismo em uma breve perspectiva histórica: de Roma ao nazismo. Arquivo Maaravi: Revista Digital de Estudos Judaicos da UFMG. Belo Horizonte, v. 13, n. 25, nov. 2019.

Downloads

Publicado

2021-07-13

Como Citar

Vita, M. R. de. (2021). O antissemitismo como ódio obstinado. Epígrafe, 10(2), 221-236. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8855.v10i2p221-236

Edição

Seção

Artigos