A RECUSA DO HOMEM COMO SUBSTÂNCIA NA PROPOSIÇÃO X DA ÉTICA II DE ESPINOSA

Autores

  • Gabriel Frizzarin Ramalhães de Souza Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2017.118466

Palavras-chave:

ser da substância, homem, constituir, pertencer, recusa, Espinosa.

Resumo

O objetivo deste artigo é comentar, na medida do possível, a maneira pela qual Espinosa argumenta no conjunto da proposição X da Parte II a recusa do homem como substância. Situando Espinosa à roda da tradição filosófica cartesiana, cuja concepção de homem é como composição substancial, veremos como o filósofo promove uma ruptura e distancia-se dela. Além disso, tendo em vista que o conjunto da proposição X da Parte II situa-se numa Ética demonstrada à maneira geométrica, teremos em conta a consequência da recusa do homem como substância para outros pontos do restante da obra, como a constituição modal do homem, a união de Corpo e Mente e a Ciência dos Afetos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriel Frizzarin Ramalhães de Souza, Universidade de São Paulo

Graduando de Filosofia pela USP, desenvolvendo pesquisa pelo Programa de Iniciação Científica do Departamento de Filosofia da USP sobre a noção de memória na Ética, de Espinosa, sob a orientação do Professor Luís César Oliva (USP)

Referências

CHAUÍ, M. (1995). Espinosa: uma filosofia da liberdade. Editora Moderna, São Paulo.

_________. (2001). A definição real na abertura da Ética I de Espinosa. Cad. Hist. Fil. Ci. Campinas, Série 3, v. 11, n.1, p. 8-28. jan.-jun.

DESCARTES, R. (1987-1988). Discurso do Método; As paixões da Alma; Meditações; Objeções e Respostas; Cartas. Introdução de Gilles Gaston-Granger; tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. Os Pensadores. Nova Cultural, São Paulo.

ESPINOSA, B. (2015) Ética. Tradução do Grupo de Estudos Espinosanos; coordenação Marilena Chauí. – São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo.

____________. (2015) Tratado da Emenda do Intelecto. Tradução de Cristiano de Novaes Rezende. – Campinas, SP: Editora a Unicamp.

____________. (1973). Correspondência. Tradução e notas de Marilena Chauí. In: Os Pensadores, Abril S.A. Cultural e Industrial, São Paulo.

MACHEREY, P. (1997) Introduction à L’Ethique de Spinoza. La deuxième partie: La réalité mentale. Presses Universitaires de France, Paris.

OLIVA, L.C.G. (2015). Causalidade e necessidade na ontologia de Espinosa. Discurso – Departamento de Filosofia da FFLCH da USP, v. 45/2, p. 249-272.

PAULA, Marcos Ferreira de. (2009). Alegria e Felicidade: o processo liberador em Espinosa. Tese de doutorado apresentada ao Depto. de Filosofia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP).

SHAKESPEARE, W. (2009). 154 SONETOS. Edição comemorativa dos 400 anos da 1ª edição 1609-2009. Tradução de Thereza Christina Rocque de Motta. Rio de Janeiro. Editora Ibis Libris.

Downloads

Publicado

2017-12-28

Como Citar

Souza, G. F. R. de. (2017). A RECUSA DO HOMEM COMO SUBSTÂNCIA NA PROPOSIÇÃO X DA ÉTICA II DE ESPINOSA. Cadernos Espinosanos, (37), 315-335. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2017.118466

Edição

Seção

Artigos