A questão do infinito em pascal e espinosa

Autores

  • Rodrigo Hayasi Pinto Pontifícia Universidade Católica do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2021.174740

Palavras-chave:

Infinito, Geometria, Matemática, Deus, Metafísica, Limite

Resumo

O presente artigo tem como objetivo principal demonstrar que o pensamento do filósofo francês Blaise Pascal nunca esteve alheio às principais discussões metafísicas do século XVII. A discussão que será explorada aqui está relacionada com a questão do infinito, abordada com ênfase pelos autores desse período. Com esse objetivo em mente, tentar-se-á construir uma argumentação sobre a questão do infinito no âmbito da metafísica a partir de dois filósofos do século XVII: Blaise Pascal e Baruch Espinosa. Tentaremos mostrar que a reflexão filosófica de Pascal, por um lado, se assemelha à de Espinosa quando assume que Deus deve ser concebido como absolutamente infinito, acima de qualquer gênero específico de infinitude, seja matemático ou espacial, mas se afasta do filósofo holandês, quando Pascal assume a impossibilidade de o homem compreender o infinito em termos absolutos por intermédio da racionalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRUNSCHVICG, L. (1945). Las Etapas de La Filosofia Matematica. Traducción: Cora Ratto de Sadoski, Buenos Aires: Editorial Lautaro.

DELEUZE, G. (2017). Espinosa e o Problema da Expressão. Tradução: gt Deleuze. São Paulo: Editora 34.

DESCARTES. R. (2016). Meditações Metafísicas. Tradução: Maria Ermantina de Almeida Prado Galvão. Introdução e notas Homero Santiago. São Paulo: Martins Fontes.

GAINZA, M. (2011). Espinosa: Uma Filosofia Materialista do Infinito Positivo. São Paulo: Edusp.

ESPINOSA, B. (2017). Breve Tratado: de Deus do Homem e do seu Bem-Estar.

Tradução: Emanuel Angelo da Rocha Fragoso e Luís César Guimarães Oliva. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

ESPINOSA, B. (2013). Ética. Tradução: Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

ESPINOSA, B. (2015). Princípios da Filosofia Cartesiana e Pensamentos Metafísicos. Tradução: Homero Santiago e Luís Cesar Guimarães Oliva. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

LEBRUN, G. (1983). Blaise Pascal: Voltas, Desvios e Reviravoltas. Tradução: Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo: Brasiliense.

PARRAZ, I. (2012). As Concepções Pascalianas de Infinito e a Incompreensibilidade de Deus e do Mundo. Revista Dissertatio de Filosofia, [S.l.], v. 35, p. 267-295, jul. 2012. ISSN 1983-8891. Disponível em:

UFPEL.EDU.BR/OJS2/INDEX.PHP/DISSERTATIO/ARTICLE/VIEW/8691>.

PASCAL, B. (1963). OEuvres Complètes. Paris : Éditions du Seuil.

PASCAL, B. (1973). Pensamentos. Tradução: Sérgio Milliet. São Paulo: Abril Cultural.

SERRES, M. (1968). Le Système de Leibniz et ses Modèles Mathématiques. Paris : Presses Universitaires de France.

Downloads

Publicado

2021-12-30

Como Citar

Pinto, R. H. (2021). A questão do infinito em pascal e espinosa. Cadernos Espinosanos, (45), 49-86. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2021.174740

Edição

Seção

Artigos