Descartes e uma possível política: a análise do homem da experiência

Autores

  • Beatriz Laporta Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2021.181017

Palavras-chave:

Descartes, Política, Afetividade, Sujeito, Homem

Resumo

Os autores de Leituras de Descartes dividem a amplitude da produção cartesiana associando assunto a texto, isto é, as partes da “árvore do saber” às obras escritas pelo filósofo. Caso concorde com essa divisão, o leitor irá concordar também que não há uma obra escrita por Descartes especificamente para discutir “política”. Mas isso não significa que seja impossível encontrar nos escritos desse filósofo reflexões sobre a relação que os homens estabelecem entre si. Assim, pensar “política” em Descartes é ver que o homem é tratado a partir da “união substancial”, como um homem da experiência repleto de paixões e afecções. O objetivo desse artigo é ilustrar a hipótese de que, seja pela via do projeto de alcançar as verdades na filosofia seja pela via da “afetividade”, não é possível considerar o sujeito cartesiano como isolado, pois sua amplitude é contrária a um reducionismo da teoria cartesiana ao sujeito puramente pensante da segunda meditação. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALQUIÉ, F. (1987). Galileu, Descartes e o Mecanismo. Lisboa: Gradiva.

BUZON, F.; CASSAN, É.; KAMBOUCHNER, D. (2015). Lectures de Descartes. Paris: Ellipses

CARDOSO, A. ; FERREIRA, M. L. R. (org.). (2001). Medicina dos afectos: Correspondência entre Descartes e a Princesa Elisabeth da Boémia. Oeira: Celta editora

DESCARTES, R. (1973). Correspondência; Meditações Metafísicas; Discurso do método; As paixões da alma. In: Os Pensadores. Trad de Bento Prado Jr., Jacó Guinsburg. São Paulo: Abril Cultural

DESCARTES, R. (1989). Regras para a direção do espírito. Trad. Port. de João Gama. Lisboa: Edições 70.

DESCARTES, R. (2003). Carta-prefácio dos Princípios da Filosofia. Apresentação e Notas: Denis Moreau; Trad. Homero Santiago. São Paulo: Martins Fontes

DESCARTES, R. (1987). Discours de la Méthode. Texte et commentaire par Étienne Gilson. 6ed. Paris: Vrin

DESCARTES, R. (1897-1910). OEuvres de Descartes. Adam et Tannery (Ed.). 12 vol. Paris: Léopold Cerf Imprimeur-Éditeur

GUENANCIA, P. (2012). Descartes et l’ordre politique. Paris : Gallimard

MARQUES, J. (1993). Descartes e sua concepção de homem. Com uma tradução do Tratado do Homem. São Paulo, Loyola

MARQUES, J. (2000). “A correspondência com a Princesa Elisabeth e a fundamentação da moral cartesiana”, In: Revista Discurso (usp), São Paulo, n. 31, pp. 383-398.

OLIVA, L.C. (2008). “Apontamentos sobre a moral em Descartes”, In: Bioethikós (Centro Universitário São Camilo), São Paulo, vol. 2, pp. 163- 176.

RODIS-LEWIS, G. (1998). La morale de Descartes. Paris : Quadrige/ Presses Universitaires de France

SOUZA, A.(2013). Tese: Descartes- O cortesão exilado: política e paixão. USP, 2013. Retirado de: https://teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8133/tde- 20032015 124418/publico/2013_AlexandreDeOliveiraSouza_VOrig. pdf

TEIXEIRA, L. (1990) Ensaio sobre a moral de Descartes. São Paulo: Brasiliense

Downloads

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Laporta, B. (2021). Descartes e uma possível política: a análise do homem da experiência. Cadernos Espinosanos, (44), pp. 177-198. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2021.181017

Edição

Seção

Artigos

Dados de financiamento