A estrutura afetiva dos tipos de governo em Hobbes. I Pressupostos

Autores

  • Fernando Dias Andrade Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2021.181311

Palavras-chave:

Prazer e dor, Medo, Honra e glória, Medo vão e vã glória, Estado de Natureza, Hobbes

Resumo

Os pressupostos da estrutura afetiva dos tipos de governo em Hobbes dizem respeito aos afetos fundamentais que determinam as ações humanas desde o estado de natureza, em especial o medo, o egoísmo e a glória. O medo, para Hobbes, talvez seja o afeto mais restritivo da liberdade natural no estado de natureza e, ao contrário, a principal condição para a obtenção da paz no estado civil, mas a esperança de glória é tão relevante quanto o medo para a transformação do homem natural num ser social e, posteriormente, num súdito e num cidadão. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernando Dias Andrade, Universidade Federal de São Paulo (Unifesp)

FERNANDO DIAS ANDRADE é, desde 1998, professor de Filosofia do Direito, Ética e Filosofia Política e História da Filosofia Moderna. Possui graduação (1997), doutorado (1998-2001, bolsa Fapesp) e pós-doutorado (2003-2006, bolsa Fapesp) pela Universidade de São Paulo, além de pós-doutorado no exterior (Paris, 2005; Amsterdam, 2006; bolsa Fapesp) pela Université de Rennes I. É pesquisador e tradutor de Filosofia Política e Filosofia moderna do Direito, em especial Espinosa, Hobbes e os seiscentistas holandeses, além de autor de capítulos e artigos sobre estes e outros autores, como Locke, Beccaria, Rawls e Agamben. Desde 1994, é membro fundador do Grupo de Estudos Espinosanos da USP, coordenado pela Profª Drª Marilena de Souza Chauí. É Integrante da comissão editorial (desde 1996) e parecerista (desde 2004) dos Cadernos espinosanos, além de parecerista dos Cadernos de Ética e Filosofia Política (desde 2007). É vinculado a dois GTs na ANPOF: GT Pensamento do Século XVII (desde 2000) e GT Filosofia e Direito (desde 2004), dentre outros. Seus interesses de pesquisa em geral englobam, numa perspectiva cronológica (e em especial nos cursos de Graduação), a história da Filosofia do Século XVII assim como os reflexos desta no pensamento contemporâneo; e, numa perspectiva temática (e em especial nos cursos de pós-graduação), a História da Filosofia do Direito, da Ética e da Filosofia Política, a Filosofia dos direitos humanos, as teorias da democracia e as teorias da justiça. Seu tema principal de pesquisa é, desde 1996, a filosofia do direito de Espinosa, a partir da qual pensa tanto o pensamento jurídico do Século XVII (especialmente a Filosofia do direito romano-holandês) quanto as questões contemporâneas do direito, da justiça e da democracia; tais pesquisas integraram, desde seu pós-doutorado, dois projetos temáticos na USP vinculados à Fapesp: “Experiência e razão no Século XVII” (2003-2007) e “Ruptura e continuidade” (2008-2012). Atualmente é Livre-Docente e Professor Associado II de História da Filosofia no curso de Filosofia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), onde também é orientador na graduação e na pós-graduação e coordenador do Grupo de Estudos de História da Filosofia do Direito (GEFiD).

Referências

HOBBES, T. (1647). Elementa philosophica de cive. Amsterodami [Amsterdam]: Ludovicum Elzevirum

HOBBES, T. (1651a). Philosophicall Rudiments Concerning Government and Society. London: Royston

HOBBES, T. (1651b). Leviathan, or The Matter, Forme, & Power of a Commonwealth, Ecclesiasticall & Civill. London: Andrew Crooke

HOBBES, T. (1969). The Elements of Law, Natural & Politic. 2nd ed., New York: Barnes & Noble.

HOBBES, T. (1992). Do cidadão. Tradução por Renato Janine Ribeiro. São Paulo: Martins Fontes.

Downloads

Publicado

2021-06-30

Como Citar

Andrade, F. D. (2021). A estrutura afetiva dos tipos de governo em Hobbes. I Pressupostos. Cadernos Espinosanos, (44), pp. 61-94. https://doi.org/10.11606/issn.2447-9012.espinosa.2021.181311

Edição

Seção

Artigos